Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/11/2018

16 de Novembro de 2018

Conselho Episcopal Pastoral avalia Jornada Mundial da Juventude

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Novembro de 2018

Conselho Episcopal Pastoral avalia Jornada Mundial da Juventude

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

21/08/2013 15:24
Por: Site CNBB

Conselho Episcopal Pastoral avalia Jornada Mundial da Juventude 0

Conselho Episcopal Pastoral avalia Jornada Mundial da Juventude / Arqrio

Com ênfase no mês vocacional e nos ecos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), teve início, em Brasília (DF), mais uma reunião do Conselho Episcopal Pastoral da CNBB. O evento, que prossegue até quinta-feira, dia 22 de setembro reúne a presidência da Conferência, os presidentes das comissões episcopais pastorais e seus respectivos assessores, bem como representantes dos organismos e pastorais vinculados à instituição.

O presidente da CNBB, cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis, presidiu a celebração de abertura, durante a qual destacou a importância das vocações para a caminhada da Igreja no Brasil. Em seguida, na primeira sessão do dia, os bispos e assessores avaliaram a Jornada Mundial da Juventude, realizada em julho deste ano, no Rio de Janeiro, com a presença do papa Francisco. O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, dom João Carlos Petrini, ressaltou a “sintonia dos jovens com o papa” e o nível de participação e do envolvimento dos jovens no evento. “Temos uma juventude de grande qualidade”, afirmou o bispo.

Já o presidente da Comissão para a Ação Missionária, dom Sérgio Braschi, destacou a presença da juventude missionária. Lembrou que a juventude de toda a América Latina foi convidada a celebrar a Semana Missionária, em Niterói. E logo depois, foi aberta a Sede Missionária, promovida pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM) e que teve como objetivo proporcionar a todos os peregrinos a oportunidade de fazerem uma reflexão missionária, a partir da dinâmica da missão Ad Gentes e conhecer as POM e suas atividades de animação e cooperação missionária na Igreja.

Em visita ao Conselho Episcopal Pastoral, o prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica no Vaticano, cardeal João braz de Aviz, disse que a Igreja “está em uma fase muito bonita, de simplificação, autenticidade, de encontro com a pessoa como ela é,  e com um papa que tem o coração do tamanho do mundo”.

O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato, dom Severino Clasen, falou sobre a esperança do povo. “A JMJ mexeu com todos os seguimentos da sociedade. A figura no rosto é de ânimo. É preciso manter essa esperança”, exclamou o bispo.

Os jovens que não puderam participar por alguma razão também foram lembrados. O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e Paz, dom Guilherme Werlang, que se encontrava em Moçambique nos dias em que foi realizada a Jornada, disse que muitos jovens moçambicanos encontravam-se com a cruz da JMJ e que tinham muito interesse em saber as notícias sobre o evento no Brasil.

O secretário-geral, dom Leonardo Steiner, pediu aos membros do Consep que refletissem sobre a mensagem do papa proferida durante o Encontro com o Episcopado Brasileiro, no dia 27 de julho. Na mensagem, segundo dom Leonardo, o papa insiste em questões como unidade, diversidade e  evangelização.

Análise de conjuntura

Durante a segunda sessão, o secretário executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB, Pedro Gontijo, apresentou a análise de conjuntura, na qual destacou a visita do papa Francisco ao Brasil, a situação da Síria, Tunísia e Egito; as relações entre Palestina e Israel; as eleições na América Latina ; a luta pela Reforma Política no Brasil; manifestações populares; Projeto de Lei de Iniciativa Popular Saúde +10, entre outros.

A respeito do Saúde +10, dom Leonardo Steiner lembrou o longo trabalho feito pela Igreja no Brasil. “Várias dioceses e pastorais se engajaram bastante na coleta de assinaturas. Chegamos ao final da entrega. Agora temos de acompanhar”, afirmou o secretário geral da CNBB. O projeto de lei prevê a destinação de 10% da receita bruta da união para a saúde.

Ainda nesta segunda sessão, o assessor político da CNBB, padre Geraldo Martins, falou sobre questões importantes que estão sendo discutidas no Congresso como, por exemplo,  a Reforma do Código Penal; os projetos que modificam a nova lei 12.845, que dispõe sobre a obrigatoriedade do atendimento a pessoas que sofrem violência sexual e a demarcação das terras indígenas.

Acolhida

O cardeal Raymundo Damasceno Assis apresentou ao Conselho Episcopal Pastoral e deu boas-vindas ao novo presidente da Conferência dos Religiosos do Brasil, Irmão Paulo Petry, da Congregação dos Irmãos de São João Batista de La Salle (Lassalistas); à nova presidente do Conselho Nacional do Laicato do Brasil, Marilza Schuina; e à nova assessora de imprensa, Eliane Muniz.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.