Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 06/12/2021

06 de Dezembro de 2021

Paróquia de Turiaçu: há 90 anos sob a proteção de Santa Rita de Cássia

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

06 de Dezembro de 2021

Paróquia de Turiaçu: há 90 anos sob a proteção de Santa Rita de Cássia

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

27/08/2021 00:00
Por: Carlos Moioli

Paróquia de Turiaçu: há 90 anos sob a proteção de Santa Rita de Cássia 0

Os fiéis de Turiaçu, na zona norte do Rio de Janeiro, estão em festa com a celebração dos 90 anos de fundação da Paróquia Santa Rita de Cássia. A paróquia foi erigida no dia 18 de agosto de 1931 pelo Cardeal Sebastião Leme, junto com a Paróquia São Sebastião, em Bento Ribeiro, e pouco tempo antes da inauguração do monumento do Cristo Redentor, no Corcovado.

 

Festividades 2021

Depois de missas, tríduo e comemorações que iniciaram no dia 15 de agosto, as festividades dos 90 anos da paróquia serão concluídas neste domingo, dia 22 de agosto. Segundo o pároco, padre Ivanelito Pereira da Silva, haverá missas às 7h, 9h, seguida de carreata, e às 18h. Em todas as celebrações do dia haverá a bênção das rosas.

 

Jubileu

“Estou feliz pelo jubileu dos 90 anos da paróquia, que me identifiquei desde quando cheguei, em 2007, há 14 anos. É um povo bom, que tem uma devoção muito forte por Santa Rita de Cássia. Um povo que chega junto, sempre disponível para servir à comunidade”, disse padre Ivanelito, observando que a paróquia possui 29 grupos entre pastorais e movimentos.

Padre Ivanelito destacou na sua gestão a continuidade da construção do centro pastoral. “Só tinha a estrutura, aos poucos fomos embolsando as dependências do prédio, construindo salas, auditório, banheiros, hoje utilizado para reuniões, festas, e celebrações”. Também a instalação da Capela Nossa Senhora Aparecida, na comunidade Faz quem quer. “Começamos com a recitação do Terço de Nossa Senhora e com celebrações nas casas. Quando foi possível, compramos um terreno, agora temos um local próprio para reunir o povo para as missas, que também serve para reuniões e a catequese”, disse padre Ivanelito.

 

História da paróquia

A primeira reunião para estabelecer um local de culto, a futura Paróquia Santa Rita de Cássia, aconteceu no dia 24 de setembro de 1924, sob a condução das famílias Tenório Ferreira e Dias Simões.

A pedra fundamental da primeira capela foi lançada no dia 23 de maio de 1926, e os moradores se uniram para levantar fundos com a realização de muitos eventos beneficentes.

Cinco anos depois, o então arcebispo Cardeal Sebastião Leme elevou a capela, no dia 18 de agosto de 1931, à condição de paróquia, cujo território foi desmembrado da Paróquia São Mateus, em Osvaldo Cruz, a qual estava vinculada. A inauguração do templo aconteceu no dia 15 de novembro do mesmo ano, com a presença de Dom Sebastião Leme, que foi recebido com muito carinho e alegria pela comunidade que viu ali a realização de um sonho.

O primeiro pároco residente, padre Raimundo Fuentes, religioso da Congregação dos Sagrados Corações, chegou somente em maio de 1933, sendo depois substituído pelo padre Basílio Roman, da mesma congregação, que permaneceu até julho de 1942. Foi ele, o segundo pároco, quem inverteu a frente da antiga igreja situada na Rua Simões da Mota para a estrada principal, atual Estrada do Otaviano.

Em 1942, a Congregação dos Sagrados Corações entregou a paróquia aos cuidados da arquidiocese. O primeiro pároco diocesano foi o padre Carlos Fernandes Dias que permaneceu até fevereiro de 1954, sendo substituído pelos padres José Avelino Quadra, Célio Sebastião de Almeida e Adelino Vieira Goldino.

Em 1957, padre Carlos Fernandes Dias retornou à paróquia e permaneceu por 45 anos, até o dia 27 de setembro de 1990, quando faleceu. Seus restos mortais estão sepultados na igreja que ele mesmo construiu.

Segundo testemunhos dos paroquianos, padre Carlos se confunde com a história da paróquia. Foi incansável, determinado, disciplinado e demasiadamente virtuoso. Na época, o território paroquial era muito grande, compreendendo vários bairros, e ele realizava visitas às famílias de bicicleta.

Na década de 1960, inicia-se o desejo de se construir uma nova igreja maior e mais espaçosa, pois a igrejinha antiga não comportava mais os fiéis nos grandes festejos, como a Páscoa e a festa da padroeira. Ou então uma reunião da comissão de obras onde se encontravam Joaquim Pinto Armando Nascimento, José Silva e padre Carlos

Em 1966, após várias deliberações, padre Carlos, auxiliado por Joaquim Pinto, Armando Nascimento, José Silva e outros membros da comunidade, inicia a construção de nova igreja, com uma arquitetura inovadora para a época. A demolição da antiga igreja aconteceu em 1973.

A paróquia teve ainda como párocos o padre Domingos de Gusmão, padre Jerônimo Pessanha de Almeida, padre Paulo Hamurábi Ferreira Moura e, por último, desde 2007, padre Ivanelito Pereira da Silva.

Carlos Moioli



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.