Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 28/11/2021

28 de Novembro de 2021

Abertura da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião dos Homens Pretos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

28 de Novembro de 2021

Abertura da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião dos Homens Pretos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

06/08/2021 19:44
Por: Redação

Abertura da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião dos Homens Pretos 0

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Sebastião dos Homens Pretos surgiu a partir da fundação da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário em 1639, que se uniu à Confraria de São Benedito em 1667. Desta fusão, foi constituída em 1669, a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, uma associação religiosa de leigos católicos.

Com a doação de terras da devota Francisca Pontes, em 1693, a Irmandade inicia a construção da Igreja em 1708, sendo inaugurada em 1725;
Importantes fatos da nossa história aconteceram nesta Igreja, a saber:

em 1737 foi elevada a Catedral da cidade e Sede Episcopal;
por 13 anos a sede da Câmara Municipal do Rio de Janeiro aqui funcionou e desta Igreja partiu a comissão com o abaixo assinado pedindo para que d.Pedro ficasse no Brasil, livrando-nos da recolonização pretendida por Portugal.

Esta data , 9 de janeiro de 1822, passou para a história como o Dia do Fico.

Aqui funcionou um dos centros mais ativos dos movimentos abolicionistas, que teve a participação de Joaquim Nabuco, João Glapp, José do Patrocínio, André Rebouças dentre outros importantes nomes.

Como irmandade de negros e pardos, no período colonial, muitos destacados membros dessa comunidade fizeram parte da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens , como o escultor e urbanista Valentim da Fonseca e Silva (enterrado na igreja em 1813 e recordado na entrada em uma placa de bronze) e o compositor e regente Padre José Maurício Nunes Garcia, que foi diretor musical da igreja (1798-1808).

Após a chegada da família real ao Brasil, a Sé foi transferida para a atual Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé na praça XV, que se tornou à época Capela Real , posteriormente Imperial e Sé no período republicano. Pe. José Maurício Nunes Garcia foi mestre de Capela a partir de 1808;
Em26 de março de 1967, a igreja com mais de 200 anos de existência, sofre um incêndio que destruiu todo o seu interior, talhas, paredes e colunas.

O projeto de sua reconstrução coube a Lúcio Costa e Sérgio Porto, pioneiros da arquitetura modernista no Brasil, que substituiu a fachada, as torres e parte das paredes, mantendo a portada.

Tempos atuais:
Em 2012 foi instaurado um inquérito civil tendo em vista o estado avançado de deterioração do templo;
Em 2017, com base no Inquérito Civil, o Ministério Público Federal propõe a Ação Civil Pública em face da Irmandade ;
Em 5 de novembro de 2018, a juíza da 23ª Vara Federal defere a interdição do templo;
Em sentença proferida em 09 de dezembro de 2020, a juíza da 23ª Vara Federal do Rio de Janeiro deferiu a administração do complexo da Igreja à a Mitra Arquiepiscopal do Rio de Janeiro;

A Arquidiocese tomou posse do imóvel no dia 12 de dezembro de 2020, onde pode constatar o alto e perigoso grau de degradação do bem. A partir desta data, a Arquidiocese trabalhou arduamente para realizar as obras emergenciais tais como:

serviço de limpeza de calhas,
controle de infiltrações,
laudos de engenharia civil e elétrica,
execução da nova cabine de entrada de luz elétrica,
revisão das instalações elétricas;
elaboração do TAC - termo de ajuste de conduta junto ao Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, ainda em andamento, com a consequente aprovação da abertura da Igreja;
elaboração do projeto de segurança contra incêndio e pânico, em andamento;
sinalização de emergência na nave, sacristia e área do Santíssimo;
contratação do projeto executivo que está sendo realizado por um dos mais competentes escritórios de arquitetura do Rio de Janeiro;
catalogação, higienização e organização do acervo do Museu do Negro;

Nada teria sido possível sem a participação de voluntários e principalmente de doadores que continuam nos auxiliando com recursos para que a abertura da Igreja fosse possível.

Após a aprovação do projeto executivo junto ao órgão tombador IPHAN, iniciaremos imediatamente a captação de recursos para a restauração integral da igreja.




Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.