Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 28/11/2021

28 de Novembro de 2021

Pílulas de Sabedoria

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

28 de Novembro de 2021

Pílulas de Sabedoria

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

02/08/2021 15:09
Por: Redação

Pílulas de Sabedoria 0

Combater o bom combate

           

            Tecer a vida é permitir-se a sabedoria e nesta arte ir de encontro ao sentido da própria existência e difundi-lo no mundo. Neste preencher-se o vazio se dissipa, o conflito se transforma em entendimento, a ansiedade em calmaria, o desequilíbrio em contínuo equilíbrio porque o que se apresentava desordenado até o momento passa para sua ordenação. Como diz Phil Bosmans: “Pendure a sua vida em uma estrela e a noite escura não lhe poderá fazer mal”. Aqui está a compreensão da expressão combater o bom combate, com amor que abarca todas as demais virtudes que estão no âmago do ser humano. O homem que busca a sabedoria (a estrela) em seu trilhar adquire passos firmes e está consciente de que a noite escura sempre surgirá para seu próprio bem e não o oposto disso. Tecer é entrelaçar o que havia se rompido, resgatando o que parecia perdido e construindo redes harmoniosas tanto interna quanto externamente.

            A noite escura é ensinamento, purificação e desenvolvimento humano quando se faz esta tomada de decisão para sempre seguir em frente sem abatimento, e sim com a “determinada determinação” (Santa Teresa d’Ávila); ou seja, é esta “opção fundamental” para conquistar uma vida abundantemente nova – como a lagarta que se transforma em borboleta no momento certo, pois se saísse antes de seu casulo ela eternamente ficaria na condição de lagarta. Como Santa Teresa alude em Caminho de Perfeição, XXI, 2: “Agora, voltando aos que querem ir por ele sem parar até o fim, que é chegar a beber desta água de vida, como devem começar, digo que importa muito, e tudo, ter uma grande e muito determinada determinação de não parar até chegar a ela, venha o que vier, suceda o que suceder, trabalhe-se o que se trabalhar, murmure quem murmurar, quer lá se chegue, quer se morra no caminho, ou não se tenha ânimo para os trabalhos que nele há (...)”. É superar-se a cada dia, não se permitindo ir à falência, e sim a realizações que acontecem na centralidade de ser essência.

 

            “Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. Desde já me está reservada a coroa da justiça (...)”. (II Tm4, 7-8)  O viver é de lutas diárias para o homem não se prender com as ilusões do mundo e se perder neste fragmentar-se que o torna indigno de sua gênese: de ser combatente, guerreiro.  O ser humano é a maior potência do mundo, por isso é capaz de sobrelevar-se, se reinventar, criar... se auto gestar.  Quando o indivíduo não procura a autoadministração, o abatimento chega, a queda acontece e o adoecimento se instala. É fundamental a solitude, isto é, os momentos de estar consigo para ir de encontro a sua nobreza – construída da simplicidade e autenticidade do amor para, no testemunho e serviço, despertar no outro este anseio de se conhecer; já que “o caminho do aprendizado para servir é também o da vivência para tornar concreta a misericórdia”.(Irmã Bárbara PátaroBucker, MC). Misericórdia de se colocar no lugar do outro e entender a situação que está passando para ser solidário a sua noite escura e partilhar com ele a estrela que encontraste no caminho para que este ser humano possa acordar e perdurar seu viver.

            Ser combatente é estar lúcido de si mesmo, da peregrinação por ser aprendiz, da noite escura que ensina, ilumina e direciona para que sempre esteja mais lúcido a deixar o joio para tornar-se trigo. Desta forma terás aprendido a adaptar-se as necessidades do momento tanto na abundância quanto nas privações, superando cada obstáculo sabiamente na fidelidade representada nesta determinada determinação que nunca faz o homem desistir, mas o torna maduro para converter-se e tornar-se benção.

            Combater o bom combate é não abdicar da própria essência para ir de encontro as demais luzes ao seu redor e levar luz aonde enfraqueceu ou foi apagada. Combater o bom combate é ir de encontro a esta chama da vida que propaga a alegria e esperança em um mundo controverso, superficial e egoísta. Ser combatente é não se permitir morrer mesmo tendo vida, não deixar de crer na vitória e nem ser omisso no momento que é preciso ter atitude. Ser combatente é propagar o Céu na Terra, a fonte na aridez, a bonança no caos.

            Em seu poema A Noite Escura da Alma, São João da Cruz discorre sobre a vitória do amor quando o combatente encontra a estrela em seu castelo interior que o leva a durar sua vida, pois a sua finalidade é a eternidade:

 

 

Em uma noite escura,

De amor em vivas ânsias inflamada,

Oh! ditosa ventura!

Saí sem ser notada,

Já minha casa estando sossegada.

 

Na escuridão, segura,

Pela secreta escada, disfarçada.

Oh! ditosa ventura!

Na escuridão, velada,

Já minha casa estando sossegada.

 

Em noite tão ditosa,

E num segredo em que ninguém me via,

Nem eu olhava coisa,

Sem outra luz nem guia

Além da que no coração me ardia.

 

Essa luz me guiava,

Com mais clareza que a do meio-dia

Aonde me esperava

Quem eu bem conhecia,

Em sítio onde ninguém aparecia.

 

Oh! noite que me guiaste,

Oh! noite mais amável que a alvorada;

Oh! noite que juntaste

Amado com amada,

Amada já no Amado transformada!

 

Em meu peito florido

Que, inteiro, para Ele só guardava

Quedou-se adormecido,

E eu, terna, o regalava,

E dos cedros o leque o refrescava.

 

Da ameia a brisa amena,

Quando eu os seus cabelos afagava,

Com sua mão serena

Em meu colo soprava,

E meus sentidos todos transportava.

 

Esquecida, quedei-me,

O rosto reclinado sobre o Amado;

Tudo cessou. Deixei-me,

Largando o meu cuidado

Por entre as açucenas olvidado.

 

                                                Vivian Maria Felice Moreno,

psicóloga, teóloga e comentarista do programa "Em Dia com a Notícia"


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.