Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 13/04/2021

13 de Abril de 2021

‘Com mãos ungidas, somos chamados a abençoar os irmãos’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

13 de Abril de 2021

‘Com mãos ungidas, somos chamados a abençoar os irmãos’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

01/04/2021 15:41
Por: Redação

‘Com mãos ungidas, somos chamados a abençoar os irmãos’ 0

“Fazer Páscoa, participar da Páscoa do Senhor, é o momento central do ano litúrgico e de nossa fé. A nossa participação na ação litúrgica não é apenas um ato externo, mas reproduz aquilo que sentimos no coração, que tem repercussões em nossa vida. Não podemos ter uma atitude de profissionais, mas de pessoas envolvidas no que celebramos, que tanto expressa a nossa vida e nos compromete a celebrar o memorial da paixão, morte e ressurreição do Senhor”, disse o arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, ao presidir a Missa do Crisma na Catedral de São Sebastião, na manhã da Quinta-Feira Santa, dia 1º de abril.

Com a presença de bispos auxiliares, eméritos, vigários episcopais, sacerdotes diocesanos e religiosos, diáconos, seminaristas, consagrados e fiéis leigos de todos os vicariatos da arquidiocese, a missa que celebra a instituição da Eucaristia e do sacerdócio – quando são benzidos os Santos Óleos e os presbíteros fazem a renovação das promessas sacerdotais – foi marcada com uma homenagem aos sacerdotes que faleceram devido à Covid-19 desde o início da pandemia, e pelo lançamento do Quinquênio Jubilar, que celebrará datas significativas da Arquidiocese do Rio de Janeiro.
Durante a homilia, na reflexão do Evangelho: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção” (Lc 4, 18), Dom Orani recordou o sacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial, a quem o Senhor confiou a celebração da Eucaristia.

“Os Santos Óleos abençoados nesta celebração serão utilizados durante o ano nas paróquias para a administração dos Sacramentos do Batismo e do Crisma. Como um povo ungido, somos chamados a viver essa unção pelo Espírito Santo”, frisou.

“A vida batismal cristã, acrescentou o arcebispo, tem consequências, a transformação da nossa vida e de ser uma presença na sociedade neste mundo tão desigual que temos. Também faz parte de nossa responsabilidade a partilha dos bens, principalmente agora com o aumento de pessoas necessitadas. Ainda mais, os mesmos sacramentos devem nos levar a sermos missionários e evangelizadores, a anunciar a boa noticia da salvação”.
Aos sacerdotes, Dom Orani destacou que os Santos Óleos servem para ungir as mãos sacerdotais, e ungidas para abençoar e servir o povo de Deus.

“Com mãos ungidas, somos chamados a abençoar os irmãos, e ao compromisso da missão de levar o pão da Palavra, o pão da Eucaristia, o pão de cada dia através das nossa atitudes que nossas mãos representam”, disse o arcebispo.

Da Redação



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.