Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 05/03/2021

05 de Março de 2021

A amizade é dom

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

05 de Março de 2021

A amizade é dom

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

21/02/2021 00:00
Por: Redação

A amizade é dom 0

As lembranças mais alegres da infância estão, em geral, vinculadas aos amigos que participaram dos momentos importantes da nossa vida. Contudo, o valor de uma amizade vai muito além das recordações e das experiências que vivemos na infância.

Quando descobrimos o que de fato significa ser amigo, somos capazes de perceber os efeitos diretos que uma amizade tem na construção de quem somos a partir de um determinado instante da vida. Então, eu pergunto: quem melhor do que Jesus para nos ensinar sobre o verdadeiro valor de uma amizade?

Eu poderia citar inúmeras passagens na sagrada escritura nas quais vemos Jesus não somente falando sobre amizade, mas agindo fraternalmente, demonstrando através de suas ações que os amigos são o maior tesouro de nossas vidas, como nos recorda o Eclesiástico: “quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro” (Eclo 6,14). Contudo, eu escolhi uma passagem que particularmente é bastante significativa para mim: a  ressureição de Lázaro.

A Bíblia nos mostra que Jesus tinha vários amigos, de níveis de intimidade diferentes, durante seu ministério, porém nenhumas dessas amizades eram mais ou menos importantes, já que para Jesus todos, sem distinção, são igualmente importantes. No entanto, o recado que Jesus recebe deixa claro o nível de intimidade entre Ele, Marta, Maria e Lázaro: “Senhor, aquele a quem amas está doente.” (Jo 11: 35)

Mesmo correndo risco, Jesus volta de novo à Judeia para dar vida a um amigo, já desenganado. Uma amizade capaz de amar além, de se compadecer, ficar triste com o sofrimento do amigo. Ele fica tão abalado pela morte de Lázaro, que chora. Dá para perceber a delicadeza e a força do amor fraterno entre os dois, pois até mesmo os que estavam ao redor ressaltaram: “Vede como o amava.” (João 11:36)

Nesse contexto, a história da fraternidade entre Lázaro e Jesus, no Capítulo 11 do Evangelho de João, nos impulsiona a querer viver o dom da amizade ao modo de Jesus, dando a vida como Ele: “ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos” (Jo 15,13).

Dar a vida é amar sem exigir contrapartida, sem desejar qualquer tipo de retribuição. É agir como Jesus agiu ao tratar pessoas: dialogar, ouvir, acolher idosos e crianças, estender a mão aos enfermos, tratar os marginalizados com dignidade, sentir compaixão dos que mais sofrem e não buscar satisfazer os próprios interesses, fazer o outro também sujeito na relação. 

Na catequese infantil a convivência com outras crianças tem uma grande relevância, desde a aprendizagem da importância do senso de comunidade até a prática de habilidades emocionais, porque construir amizades é igualmente aprender a conviver com as diferenças desde cedo e, principalmente, se reconhecer por meio da interação com o próximo, a perceber que mesmo com vontades e preferências próprias é fundamental que elas estejam sempre abertas ao diálogo e à partilha, para o crescimento e a manutenção da relação fraterna com as pessoas.

No entanto, é interessante continuamente pontuar que os amigos de Jesus coparticipam e compartilham no mesmo amor aos irmãos que mais necessitam. Amor-serviço, que está acima de qualquer merecimento, que se manifesta sempre de forma inesperada, na gratuidade de uma entrega no próprio amor. Quem escolhe amar como Jesus amou não espera sentado ser amado, levanta-se e corajosamente ama!

Um livro bacana para ler com as crianças após um encontro para tratar sobre os amigos de Jesus é “Um dia na vida de Amos McGee”, do casal Philip Stead (autor) e Erin Stead (ilustradora), editora Paz e Terra. O livro conta a história de um senhor solitário chamado Amos McGee, que trabalha em um zoológico. Todos os dias ele acorda cedo, coloca sua roupa de trabalho, come mingau de aveia, toma chá e parte para o seu serviço.

Mesmo com várias coisas para fazer no zoológico, sempre tira um tempo para visitar seus diferentes amigos, individualmente. Joga xadrez com  elefante, aposta corrida com tartaruga, lê histórias com coruja.

Porém, um dia o resfriado o impede de ir ao trabalho. Os amigos no zoológico sentem muita falta dele. Adivinha o que acontece? Não posso contar, pois estraga a surpresa. Leia o livro, vale a pena!

Delicado, com xilogravuras encantadoras e texto simples, mas muito profundo, o livro nos convida a refletir sobre essa vida líquida que estamos experienciando na contemporaneidade. Sobre o perigo de fazer dos outros meros objetos de nossa afeição e não sujeitos e companheiros de vida e missão. Trata sobre nossas faltas e ausências, sobre o quanto uma palavra sincera, um olhar atento, um abraço, ou apenas o silêncio da presença verdadeira de um amigo que tem o poder de salvar nosso dia.

“Um dia na vida", de Amos McGee, foi o vencedor do prêmio The Cadelcott Medal de melhor ilustração e eleito, pela crítica americana, um dos melhores livros para crianças de 2010.

Paz e bem!
Dinair Fonte



 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.