Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 05/03/2021

05 de Março de 2021

Cardeal Tempesta abre período da Quaresma com a Missa de Cinzas

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

05 de Março de 2021

Cardeal Tempesta abre período da Quaresma com a Missa de Cinzas

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/02/2021 15:32
Por: Carlos Moioli

Cardeal Tempesta abre período da Quaresma com a Missa de Cinzas 0

“Com toda a Igreja, iniciamos o tempo da Quaresma. Essa é uma oportunidade que nos conduzirá ao centro de toda a vida cristã: a Páscoa do Senhor, quando, renovados e reconciliados, renovaremos nossas promessas batismais na Vigília Pascal”, afirmou o arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, na missa de Quarta-feira de Cinzas, realizada na Catedral de São Sebastião, no Centro, em 17 de janeiro.
Entre os concelebrantes, estavam o bispo auxiliar Dom Roque Costa Souza, o pároco da Catedral, cônego Cláudio dos Santos, o reitor do Seminário Arquidiocesano de São José, cônego Leandro Câmara, e demais sacerdotes.

Durante a Quaresma, cada cristão é convidado a vivenciar os 40 dias em que Jesus esteve no deserto antes de entregar a própria vida para a redenção dos pecados da Humanidade. A Igreja também recorda os 40 dias em que o povo de Israel peregrinou pelo deserto, em direção à Terra Prometida.

Segundo o arcebispo, “40 dias nos aguardam para darmos passos de retorno ao Senhor, através da oração, do jejum, da esmola, da penitência e da conversão, iluminados pela Lectio Divina, refazendo o caminho do Êxodo, chegando à terra que emana leite e mel”, exclamou.

Chamados a viver uma amizade com Cristo
Na homilia, Dom Orani destacou que, mesmo sendo uma celebração anual, nunca é a mesma coisa. Há sempre algo novo para ser vivenciado neste período. “Cada Quaresma tem sua peculiaridade e sua própria realidade. Embora sejam os mesmos dias, os mesmos ritos e, a cada três anos, a Liturgia que nos ilumina, nunca é a mesma coisa. Celebramos um momento especial em nossa vida pessoal, comunitária e social, mas sempre é o novo. Sempre é o Senhor que passa e nos chama”, disse.

O arcebispo também ressaltou a importância de cada filho de Deus olhar para dentro de si próprio. “É tempo de refazermos o caminho do Êxodo. Somos chamados a percebermos o que acontece no mais íntimo de cada um de nós. O jejum, a esmola, a oração não devem ser apenas para sermos vistos, para aparentar. Da mesma forma, o tempo da Quaresma não deve ser de tristeza, de peso, mas sim de expectativa de libertação”, frisou.
De acordo com o arcebispo, “a Palavra de Deus nos diz hoje "voltai". Que possamos rasgar o coração, o que é interno, e não as vestes. Passamos o tempo acumulando muitas situações que nos acomodam, as quais não nos permitem enxergar a necessidade de retornarmos ao Senhor”, pontuou.
Para Dom Orani, é fundamental que todos possam retornar à verdadeira amizade com Cristo. “Vivemos um período atípico e, por isso, somos chamados a sermos saudosos, não simplesmente de um retorno às celebrações presenciais, mas de alguém que tem saudades de ter uma amizade com o Senhor. Por isso mesmo, o ponto de partida é a necessidade que deve gritar em nosso coração: ‘eu tenho saudades de Deus’. Somos chamados a voltarmos confiantes para ouvirmos e falarmos também sobre nossas dores. É tempo de voltarmos com o coração abrasado para nossa amizade para com o Senhor”, finalizou.

Missa de Cinzas
Neste ano, a distribuição de cinzas seguiu as disposições da Arquidiocese do Rio em vista da pandemia da Covid-19. Após a homilia, Dom Orani presidiu a bênção das cinzas e, de uma só vez, proferiu a fórmula que se encontra no Missal Romano: “Convertei-vos e crede no Evangelho”. Em seguida, sem dizer nada, e com todo o cuidado para não tocá-las, as cinzas foram colocadas pelos sacerdotes sobre a cabeça dos fiéis.
Campanha da Fraternidade

Tradicionalmente, na Quarta-feira de Cinzas também é lançada a Campanha da Fraternidade, cujo tema permeará as atividades e gestos concretos da Igreja no Brasil.

Para este ano, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic) lançaram a quinta Campanha da Fraternidade Ecumênica, com o tema: "Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor',' e o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”.

De acordo com Dom Orani, “a conversão também faz com que tenhamos consequências pessoais, familiares e sociais, como as questões do diálogo, da paz, do entendimento, da unidade, conforme nos sugere a Campanha da Fraternidade deste ano. A Campanha sempre nos aponta temas que nos ajudam a enxergar consequências da vida de conversão. Por isso, junto com a Quaresma, iniciamos a Campanha da Fraternidade”, explicou.

Carlos Moioli



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.