Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 05/03/2021

05 de Março de 2021

Silenciar o coração para ouvir a voz do Senhor

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

05 de Março de 2021

Silenciar o coração para ouvir a voz do Senhor

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

12/02/2021 03:22
Por: Redação

Silenciar o coração para ouvir a voz do Senhor 0

De 9 a 11 de fevereiro aconteceu o retiro anual do clero da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, com a participação de 110 sacerdotes, nessa que foi a primeira turma a fazer o retiro em 2021. O retiro aconteceu de forma virtual, através de plataforma on-line, devido às medidas sanitárias decorrentes da pandemia da Covid-19. O pregador do retiro foi o arcebispo emérito de Salvador (BA), Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger.
Durante os três dias de retiro os sacerdotes puderam ouvir as pregações de Dom Murilo pela manhã, a partir das 9h, e pela tarde, a partir das 15h. Anualmente, todos os sacerdotes devem participar do retiro espiritual, oportunidade de aprofundamento espiritual e reabastecer-se da experiência de intimidade com Deus. O retiro é oportunidade de dar uma pausa na correria do dia a dia, do excesso de trabalhos, reuniões, compromissos, para poder colocar-se, a sós, diante do Senhor, no silêncio e na oração, buscando reavivar a chama do chamado ao seguimento do Senhor através do exercício de um ministério sacerdotal fecundo no meio do povo de Deus.

No primeiro dia de retiro, na manhã do dia 9 de fevereiro, a abertura foi feita pelo arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, que saudou e acolheu os sacerdotes participantes. Em seguida, o bispo auxiliar Dom Juarez Delorto Secco, moderador da Cúria, saudou os participantes e deu as boas vindas ao pregador, concedendo-lhe a palavra para o início das meditações.

Ao iniciar a primeira pregação, Dom Murilo, após a invocação do Espírito Santo, apresentou como sugestão de lectio divina as parábolas do Reino (Mc 4, 26-29; Mt 13, 3-9; 24-30; 31-31; 33; 47-50; Lc 11, 5-10; 18, 2-8). Nesse primeiro momento, o pregador convidou os sacerdotes a refazerem o caminho do encontro com Cristo, salientou a importância de uma experiência pessoal com Cristo. A experiência pessoal com Cristo é fundamental para a vivência de um ministério fecundo e frutuoso. “Cristo é o centro de tudo que realizamos”, afirmou Dom Murilo, e acrescentou a pergunta: “quem é o rosto de Cristo para o sacerdote hoje?”. Salientando a necessidade de enxergarmos a presença de Cristo nas atividades cotidianas, descobrir o rosto de Cristo no exercício do ministério sacerdotal, pois "o Reino de Deus tem um nome: Jesus Cristo!”, afirmou o pregador.

A partir dessa primeira meditação o retiro foi desenvolvendo-se, na parte da tarde e durante a quarta-feira, dia 10 de fevereiro, quando o pregador convidou os sacerdotes a redescobrirem e refazerem a experiência do encontro pessoal com Cristo, que manifesta sua presença de diversas formas, está presente na Igreja, na Palavra, nos pobres, nos pastores e, de modo especial, na Eucaristia, que deve ser centro da vida do sacerdote, por isso a importância de celebrar bem, com devoção, com amor, com zelo.

No último dia de retiro, 11 de fevereiro, memória de Nossa Senhora de Lourdes, Dom Murilo dedicou à meditação acerca da figura de Maria, um olhar para a Mãe de Deus, aquela que é o refúgio e mãe dos sacerdotes, convidando os sacerdotes a dedicarem esse dia à meditação dos mistérios do Rosário. Na parte da tarde, o pregador convidou os sacerdotes a olharem para a pessoa divina do Espírito Santo, presente na Igreja e na vida de cada batizado, de modo especial, deve ser presente na vida de cada sacerdote. Ser solícito à ação do Espírito Santo, sendo guiado por Ele no exercício da ação pastoral, deixando-se conduzir pela ação do Espírito Santo na semeadura do Reino de Deus. Essa ação do Espírito Santo é a grande responsável pela construção da comunhão no presbitério e na ação pastoral da Igreja particular. O Espírito Santo é dom de comunhão na construção da família de Deus que é a comunidade cristã, formada por pessoas diferentes, mas unidas pelo amor de Cristo, esse amor que é o Espírito Santo derramado em nossos corações. Encerrou a meditação invocando a bênção de Deus sobre todos os sacerdotes participantes do retiro. Deixando como “lectio divina” o texto de Jo 14, 1-18.

Ao final do retiro, Dom Juarez agradeceu a participação de todos e a disponibilidade de Dom Murilo em pregar o retiro do clero esse ano, desejando aos sacerdotes um bom retorno às atividades e manifestando sua unidade e proximidade nesse tempo difícil que vivemos, mas que, com esperança, será superado.

Padre Carlos Augusto Azevedo da Silva, mestrando em Direito Canônico e residente na Paróquia Divino Espírito Santo e São João Batista, no Maracanã


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.