Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/10/2020

20 de Outubro de 2020

'A oração como primeira e mais importante das atitudes'

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Outubro de 2020

'A oração como primeira e mais importante das atitudes'

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/10/2020 10:52
Por: Redação

'A oração como primeira e mais importante das atitudes' 0

Como gesto concreto da Semana Nacional da Vida, que neste ano de 2020 tem como tema: “Vida, dom e compromisso”, a Arquidiocese do Rio de Janeiro lançou a iniciativa de convidar todos a participar da Adoção Espiritual, com a finalidade de rezar por todas as crianças concebidas, mas que correm o risco de serem abortadas. 

A iniciativa foi anunciada por Dom Orani e explicada pelo bispo auxiliar do Rio Dom Tiago Stanislaw, durante a Oração do Ângelus, no dia 7 de outubro, memória de Nossa Senhora do Rosário, encerramento da Semana Nacional da Vida e às vésperas do Dia do Nascituro.
Em entrevista ao TF, Dom Tiago esclarece os principais pontos desta iniciativa, dando ênfase ao compromisso que o cristão deve ter em relação à defesa da vida, desde a concepção até a morte natural.

Jornal Testemunho de Fé (TF) - Como surgiu a iniciativa da Adoção Espiritual em favor da vida?
Dom Tiago Stanislaw - Neste ano, a Semana Nacional da Família refletiu sobre o tema: “Vida, dom e compromisso”. O maior dom de Deus, ou seja, aquilo para o qual fomos abençoados é a nossa vida. Recebemos de Deus esse dom para cuidar, primeiramente, da nossa vida. Mas, obviamente, Ele nos convida ao amor a Ele e ao próximo, sendo a vida do outro um dom que também devemos ou precisamos valorizar. Nas situações em que esse dom é prejudicado, pensamos: ‘como podemos assumir algum compromisso em benefício da defesa dessa vida?’. Assim surgiu a ideia de colocar a Adoção Espiritual em âmbito arquidiocesano, como gesto concreto, uma iniciativa já conhecida em outros lugares do mundo, mas também no Brasil, em nossa Arquidiocese do Rio. Se quisermos abraçar a vida, também devemos ter o compromisso de defendê-la.

TF - Onde e como surgiu essa ação?
Dom Tiago - Ela foi iniciada nos anos 1970, na Europa, onde já existiam orações específicas em beneficio das crianças ameaçadas pelo aborto, como uma resposta às aparições de Nossa Senhora, em Fátima. Conheci a iniciativa em meu país de origem, na Polônia, introduzida nos anos 1980 pelos estudantes, os quais começaram a divulgá-la. Hoje em dia, em muitas paróquias da Polônia existem grupos que promovem essa adoção espiritual. No Brasil também temos vários lugares onde ela é conhecida, e em nossa arquidiocese, por exemplo, na Paróquia Nossa Senhora da Glória, em Laranjeiras.
 
TF - Quais serão as atividades para esse gesto concreto?
Dom Tiago O primeiro e o mais importante ato que nos cabe em todas as atividades é a oração. Por vezes, no dia a dia, já nos acostumamos a deixar a oração como se fosse uma parte final – já tomei as providências, fiz tudo, tenho um plano e, agora, peço ajuda a Deus. Aqui, queremos apontar a direção contrária: a oração como primeira e mais importante gesto das atitudes, porque procuro a Deus para falar com Ele sobre a situação dessas crianças. Primeiro é a minha conversa, minha ligação com Deus. A partir disso, peço na intenção dessas crianças. Assim, a oração entra como a primeira ação concreta, também compreendendo que é nesse encontro com o Senhor que nos serão despertadas outras iniciativas.
 
TF - Haverá uma oração específica?
Dom Tiago - Já existe o que pode ser chamado de compromisso diário. A Adoção Espiritual começa num dia escolhido pela própria pessoa, mas o indicado é que seja numa festividade religiosa. Quando não for possível, pode ser em qualquer outro dia, inclusive sábado, tradicionalmente dedicado a Nossa Senhora. A pessoa pode assumir esse compromisso de duas maneiras: de modo particular, estando ela mesma diante de Deus, ou pode pedir a bênção de um padre. A partir da data, ela se compromete a rezar diariamente uma dezena do terço, depois uma oração diária especial pela criança adotada espiritualmente e pela família dela desta ação e acrescentar, se for o caso, um propósito diário, que pode ser um jejum, uma esmola, um ato na intenção desta criança adotada através da oração.
 
TF - Essa será uma criança específica ou a intenção será de uma maneira geral?
Dom Tiago - Na verdade, essa é uma criança concreta, na qual somente Deus sabe que ela necessita de intercessão. Nós não sabemos quem é. Estamos nos colocando totalmente nas mãos de Deus. Apenas sei que rezo na intenção de uma criança concreta, mas que só Deus a conhece.
 
TF - Quem pode participar?
Dom Tiago - Todas as pessoas podem participar, não há nenhuma limitação, inclusive para as crianças que, obviamente, participarão com a ajuda dos pais, tornando-se, assim, um compromisso da família. Nesse caso, cada pessoa assume para si a intercessão por uma criança. Ou seja, se a família é composta por quatro pessoas, assumem-se quatro crianças ameaçadas pelo aborto.
 
TF - Como se inscrever e fazer parte da iniciativa?
Dom Tiago - Lançaremos o site adoacaoespirutal.org.br no qual haverá apoio para essa iniciativa. No site é possível encontrar a oração diária e o link de inscrição, no qual a pessoa pode colocar o nome e o endereço de e-mail para receber uma espécie de comprovante da data de início. Haverá também outras informações para que possamos encontrar ainda mais motivações para essa ação. Indico essa iniciativa, de maneira especial, para as mulheres e os homens que abortaram e hoje carregam esse 'peso'. Agora, com esta adoção, eles podem tentar ajudar a outras crianças.
 
TF - A criação oficial do projeto aconteceu no dia 7, no encerramento da Semana Nacional da Família. Mas qual é a ligação com Nossa Senhora?
Dom Tiago - Primeiro porque, na própria oração diária, contemplamos o mistério do terço, aqui já temos uma conexão. Além disso, ainda compreendemos a situação dela como a mulher que se colocou totalmente nas mãos de Deus, aceitando ser mãe do Salvador, num momento em que ainda não vivia com o marido. Ela sabia que, dizendo 'sim', com a possível percepção da sociedade quanto à gravidez e o abandono do marido, poderia ser no mínimo apedrejada. Ainda assim, ela confiou totalmente, dizendo 'Eis aqui a serva do Senhor'. A postura inicial de São José é daquele que sente que não pode chamar aquele de seu filho, mas, por outro lado, amando Maria e não querendo prejudicá-la, assume a culpa para si, em defesa de Nossa Senhora. Ao receber a explicação desse mistério, abraçou a gravidez e tornou-se, para nós, um padroeiro dessa adoção espiritual, porque no fim das contas ele adotou espiritualmente esse filho.
 
TF - Qual é a sua expectativa quanto a essa iniciativa?
Dom Tiago - Espero que possamos unir as pessoas que estão a favor da vida numa ação concreta. Essa iniciativa não tem o objetivo de entrar na discussão sobre o aborto, o rumo é um pouco diferente. Espero que as pessoas possam perceber que, além de ter opinião, de estar a favor da vida, é de fazer uma ação concreta, que é a oração em benefício das crianças que correm o risco de serem abortadas.
 
Carlos Moioli



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.