Arquidiocese do Rio de Janeiro

29º 25º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 01/12/2020

01 de Dezembro de 2020

13 de setembro 24º Domingo do Tempo Comum

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

01 de Dezembro de 2020

13 de setembro 24º Domingo do Tempo Comum

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

16/09/2020 18:14
Por: Redação

13 de setembro 24º Domingo do Tempo Comum 0

Eclo 27,33 – 28,9
Sl 102
Rm 14,7-9
Mt 18,21-35
 
“O Senhor é bondoso e compassivo”
 
Cada domingo, na liturgia da Palavra, o próprio Cristo vem ao nosso encontro e nos dirige pessoalmente a sua Palavra. Assim como nos alimentamos do seu corpo e sangue, também nos alimentamos da sua Palavra, que é verdadeiramente um “pão” descido do céu para nós (cf. Dt 8,3; Mt 4,4).

Os textos proclamados na liturgia da Palavra deste domingo nos falam, sobretudo, do perdão. A primeira leitura começa com uma sentença do livro do Eclesiástico: O rancor e a raiva são coisas detestáveis; até o pecador procura dominá-las. A partir dessa sentença, o autor sagrado segue exortando seus leitores a perdoarem o próximo, a fim de encontrarem, também, perdão da parte de Deus. Nas palavras do Eclesiástico ouvimos um eco de Lv 19,18-17: “Não terás no teu coração ódio pelo teu irmão. (...) Não te vingarás e não guardarás rancor contra os filhos do teu povo. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor.”

No centro desse trecho do Eclesiástico, ouvimos um chamado à compaixão: Se não tem compaixão do seu semelhante, como poderá pedir perdão dos seus pecados? (Eclo 28,4). O termo aqui traduzido como compaixão é o termo grego éleos. Este termo traduz, na Bíblia Hebraica, o termo hésed, que pode significar “amor, bondade, graça, misericórdia”. A Escritura louva a Deus porque ele tem hesed, ou seja, no seu “amor” ele se dobra sobre os homens e tem deles “compaixão” (rahamîm – outro termo que aparece unido, nas Escrituras, ao termo hesed). A partir da contemplação desse amor de Deus e, mais ainda, da própria experiência do amor de Deus, o homem também deve “amar o seu próximo”, como ouvimos acima no texto do Levítico. Esse amor se manifesta, concretamente, na capacidade de perdoar. Assim como o perdão divino é a mais forte experiência do seu amor por nós, também devemos manifestar concretamente nosso “amor” (hesed, éleos) ao próximo por meio de um sincero perdão.

O salmista canta, no salmo responsorial deste domingo, essa bondade, esse amor infinito de Deus, relacionando com o perdão dos pecados: Pois ele te perdoa toda culpa... e te cerca de carinho (hésed) e compaixão (rahamîn) (cf. Sl 102,3-4).

O Evangelho está estreitamente unido à primeira leitura, como é próprio da organização do lecionário dominical no Tempo Comum. A pergunta de Pedro dá ensejo ao ensinamento de Jesus a respeito do perdão dos pecados. Pedro quer saber se deve perdoar o irmão que o ofende até “sete vezes” e Jesus amplia o horizonte de Pedro: Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Em outras palavras, infinitamente. Pedro e todos nós, que ouvimos a Palavra de Jesus dirigida a ele, devemos perdoar infinitamente. A motivação vem ilustrada na forma de uma parábola: Deus nos perdoa sempre; perdoou-nos uma dívida imensa; eis o motivo pelo qual devemos, também nós, perdoar aqueles que nos fazem o mal.

Na parábola, um rei resolve acertar contas com seu empregado que lhe deve uma fortuna enorme: 10.000 talentos. Embora o talento pudesse variar, afirma-se que um talento valia de 6 a 10 mil denários. Logo em seguida, vemos o que este empregado vai fazer com alguém que, diante da sua dívida, lhe deve uma quantia irrisória (100 denários).

O empregado, que devia uma enorme fortuna, devia ser vendido como escravo, junto com sua família, a fim de pagar sua dívida. Contudo, ele suplica, prostra-se diante do rei e pede que o rei seja “paciente” com ele. Mais que um prazo, o servo apela para a bondade, para o amor do seu superior. Em grego, o termo é makrothymia, que significa um “coração dilatado”. A Escritura diz que o rei teve “compaixão”, que ele ouviu a suplica do servo, que ele dilatou seu coração diante daquele homem que lhe implorava. Aqui Mateus utiliza um verbo grego muito particular para indicar a “compaixão” desse rei: o verbo splanknidzomai. Tal verbo se conecta à raiz do termo splanka que, traduzido, significa “entranhas”. Algo se move no interior desse rei. Ele não fica indiferente ao sofrimento do seu servo. O texto diz que ele não deu um “prazo”, mas “perdoou a dívida”, uma dívida enorme, quase que impagável para aquele servo.

Esse mesmo servo encontra, logo em seguida, um dos seus “companheiros”, um igual, que lhe deve apenas cem denários (cem moedas). O denário era a diária de um trabalhador comum. Valia em torno de meio quilo de pão, ou seja, aquilo o que um homem precisava para sustentar cada dia sua família. O servo, que acabara de ser perdoado pelo seu rei, não quis saber: agarrou seu companheiro e começou a sufocá-lo. Esse homem faz o mesmo gesto e repete as mesmas palavras que o servo havia proferido diante do seu rei. O servo, contudo, que recebeu compaixão do seu superior, não soube ter compaixão do seu próximo. O que teve uma grande dívida perdoada, não soube perdoar a pequena dívida do seu irmão.

A parábola termina com o rei/patrão tomando conhecimento de tal injustiça. Imediatamente ele chama o servo e o manda para os torturadores, porque não foi capaz de partilhar com o próximo a mesma compaixão recebida. Jesus conclui seu ensinamento com uma advertência: É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão (cf. Mt 18,35).

A advertência de Jesus é forte e nos faz refletir. Deus espera que tenhamos com o nosso próximo a mesma atitude que Ele tem para conosco. Deus nos perdoa sempre, como diz o salmista: Nunca nos trata conforme nossos erros, nem nos devolve segundo nossas culpas (Sl 102[103],10). Do mesmo modo, ele espera que sejamos capazes, também, de agir com misericórdia, perdoando o outro que nos feriu. Sabemos que não é fácil. O caminho da raiva, do ódio, da vingança, parece muito mais atrativo. Contudo, esse não foi o caminho que o Senhor que nos ensinou, nem o caminho que ele próprio trilhou, uma vez que, do alto da cruz, perdoou seus algozes (cf. Lc 23,34). O perdão não somente constrói a paz, como também nos beneficia espiritual e mentalmente. Peçamos ao Espírito Santo do Senhor que nos ajude a trilhar o caminho do perdão, do amor e da misericórdia, segundo a vontade daquele que morreu e ressuscitou a fim de nos abrir as portas da salvação e da vida eterna.



 
 
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.