Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/09/2020

23 de Setembro de 2020

Monsenhor José Roberto Devellard nos braços de Deus

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Setembro de 2020

Monsenhor José Roberto Devellard nos braços de Deus

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

15/09/2020 11:50
Por: Carlos Moioli

Monsenhor José Roberto Devellard nos braços de Deus 0

“Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, porque vós me salvareis, ó Deus fiel” (Sl 30, 6b)

No dia em que a Igreja celebra a memória de Nossa Senhora das Dores, 15 de setembro, a Arquidiocese do Rio de Janeiro se despede de monsenhor José Roberto Rodrigues Devellard, que fez sua páscoa definitiva aos 75 anos de idade e 47 anos de sacerdócio.

Ordenado na Catedral de São Sebastião, no dia 14 de setembro de 1973, pelo Cardeal Eugenio de Araujo Sales, foi pároco durante 34 anos, desde o dia 1º de janeiro de 1986, da Paróquia da Ressurreição, em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

No inicio da noite de segunda-feira, dia 14 de setembro, iria celebrar seu aniversário de ordenação, junto com outros sacerdotes, e como não estava passando bem, foi convencido a fazer exames no hospital. Na madrugada, chegou a colocar seis stents, e estava reagindo bem, mas não resistiu ao sofrer um enfarte.

Servo fiel
Morador de Cachambi, monsenhor Devellard e sua família frequentavam a Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida, quando recebeu, aos 15 anos, o convite do pároco para ingressar no Seminário Arquidiocesano de São José. Ordenado em 1973, sua turma foi a primeira a ser realizada na Catedral de São Sebastião, após a inauguração.

Ele entrou no seminário antes do Concílio Vaticano II, e com isso o seminário menor tinha regulamentos bastante rígidos, mas os formadores, entre eles, padre Gilson da Silveira e padre Narbal Stencel eram dedicados, o que compensava os estudos e ensinamentos.

Quando seminarista, monsenhor Devellard trabalhou na Paróquia Nossa Senhora das Dores e São Judas Tadeu, em Anchieta, na sua própria comunidade, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, no Leme, e foi professor nos colégios São Paulo e Santo Inácio.

Ao ser ordenado, em 14 de setembro de 1973, monsenhor José Roberto Devellard ficou três anos trabalhando no Seminário São José, como prefeito de estudos. Em janeiro de 1977, ele designado por Dom Eugenio como pároco na Paróquia São Tiago Apóstolo, no Lins de Vasconcelos, e enfrentou um grande desafio, de construir a paróquia. A igreja ficava no galpão de uma fábrica de papelão, e com ajuda da comunidade ele construiu a igreja, o centro comunitário e a casa paroquial.

Depois, ele foi convidado para ser pároco da Paróquia Nossa Senhora da Glória, no Largo do Machado, mas como tinha um compromisso e dívidas com os paroquianos, não achou justo deixar a comunidade.

Mas quatro anos depois, ele recebeu o convite de Dom Eugenio para estudar em Roma, onde fez curso de missiologia, com tese de Arte Sacra, na Universidade Gregoriana, e um curso de teologia, com tese em catequese, na Universidade Laterana.

Ao retornar ao Rio, no final de 1984, recebeu o convite para ser pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, na Tijuca, mas acabou sendo designado para a Paróquia da Ressurreição, assumindo a comunidade em 1º de janeiro de 1985.

Uma de suas prioridades foi o trabalho missionário no morro Pavão-Pavãozinho, que cresceu com a presença das missionárias da Família Donum Dei que começaram a residir na comunidade Monsenhor Devellard coordenou durante 16 anos o Secretariado de Pastoral da Arquidiocese do Rio, junto com monsenhor Manuel Moreira, considerando um grande aprendizado para a sua missão.

Foi professor de ética na PUC-Rio, de Arte Sacra e homilética, no Seminário São José, diretor do Museu de Arte Sacra e coordenador da Comissão de Arte Sacra da Arquidiocese do Rio.

Nos últimos anos, celebrava missa aos domingos de manhã, no santuário Nossa Senhora de Fátima, no Recreio, com transmissão pela TV Brasil.

Carlos Moioli




Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.