Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 06/08/2020

06 de Agosto de 2020

‘Venho em nome de Cristo para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

06 de Agosto de 2020

‘Venho em nome de Cristo para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

26/07/2020 01:05
Por: Redação

‘Venho em nome de Cristo para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração’ 0

De 22 a 29 de julho de 2013, há sete anos, o Papa Francisco esteve no Rio de Janeiro por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que teve como tema: “Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações!” (Mt 28,19).

Na sua primeira viagem apostólica internacional, o Papa Francisco participou do grande evento eclesial juvenil, o primeiro em um país de língua portuguesa e o segundo na América do Sul, realizado na Argentina em 1987. A 28ª JMJ foi considerada como "o maior evento da história do Rio de Janeiro”.

O ponto alto das suas atividades no Rio de Janeiro foi a celebração de missa na Praia de Copacabana, que contou com a participação de mais de três milhões e meio de peregrinos.
 
Boas-vindas
Depois de desembarcar no Galeão, o Papa Francisco se dirigiu ao Palácio Guanabara para a cerimônia oficial de boas-vindas, em um carro comum, uma novidade do seu Pontificado. Alguns imprevistos no trajeto e o congestionamento no trânsito facilitaram uma maior proximidade de pessoas com o Papa, que fez questão de deixar os vidros abertos, para  grande preocupação dos seguranças.

Em seu pronunciamento, o Santo Padre disse: “Quis Deus, na sua amorosa providência, que a primeira viagem internacional do meu Pontificado me consentisse voltar à amada América Latina, precisamente ao Brasil, nação que se gloria de seus sólidos laços com a Sé Apostólica e dos profundos sentimentos de fé e amizade que sempre a uniram de modo singular ao sucessor de Pedro. Aprendi que para ter acesso ao povo brasileiro é preciso entrar pela porta do seu imenso coração. Por isso, permitam-me que, nesta hora, eu possa bater delicadamente a esta porta. Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo!. Venho em seu Nome para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração; e desejo que chegue a todos e a cada um a minha saudação: ‘A paz de Cristo esteja com vocês!’”

Abertura
Enquanto o Papa descansava da longa viagem, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, presidiu a missa de abertura da JMJ 2013, em Copacabana. No segundo dia da sua visita ao Rio de Janeiro, o Papa mariano não pôde deixar de fazer uma visitinha à Basílica de Nossa Senhora Aparecida, onde presidiu a celebração eucarística. Francisco havia visitado o santuário, em maio de 2007, como cardeal-arcebispo de Buenos Aires, por ocasião da V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe.

Na homilia da sua primeira missa no Brasil, o Santo Padre dirigiu-se, de modo especial, aos jovens, com mensagens de esperança e alegria:
“Hoje, eu quis vir aqui para suplicar a Maria, nossa Mãe, o bom êxito da Jornada Mundial da Juventude e colocar aos seus pés a vida do povo latino-americano. (...) Gostaria de chamar a atenção para três simples posturas: conservar a esperança; deixar-se surpreender por Deus; viver na alegria. (...) Queridos amigos, viemos bater à porta da casa de Maria. Ela abriu-nos, fez-nos entrar e nos aponta o seu Filho”.
 
Hospital São Francisco
Voltando ao Rio de Janeiro, Francisco visitou o Hospital São Francisco de Assis, um centro de recuperação de dependentes químicos, onde exortou os presentes a seguir o exemplo de São Francisco.
 
Comunidade de Varginha
O bispo de Roma visitou a comunidade de Varginha, no bairro de Manguinhos. Visivelmente comovido e à vontade em meio aos moradores, o Papa dirigiu palavras de afeto, além de dar abraços e bênçãos por onde passava. Chegou até a entrar em uma igreja evangélica e em uma das casas da comunidade.

Maravilhosa e inesquecível a cerimônia de acolhida do Papa em Copacabana por cerca de um milhão de jovens, que o receberam com cantos e apresentações artísticas, diante das bandeiras de 175 países representados na JMJ Rio2013.
 
Papa atende confissão de cinco jovens
No quarto dia, o Pontífice atendeu a confissão de cinco jovens, na Quinta da Boa Vista; encontrou oito menores infratores, dos quais recebeu uma cruz com a inscrição: "Candelária nunca mais" e o nome dos adolescentes mortos na Chacina da Candelária. Emocionado, o Papa repetiu: "Candelária, nunca mais! Violência, nunca mais! Só amor!”

À tarde, Francisco encontrou os fiéis no bairro da Glória, com os quais rezou a Oração do Ângelus. Na sua alocução mariana, dirigiu seu pensamento aos idosos e o diálogo entre gerações.
 
Via-Sacra em Copacabana
À noite, o Papa presidiu a Via-Sacra com os jovens, em Copacabana. Nas encenações das estações foram tratados temas de atualidade, como a defesa da vida, o problema das drogas, a violência, que aflige a sociedade, entre outros.

Ao término da Via-Sacra, Francisco destacou a presença da cruz na vida dos cristãos, dizendo que “Jesus se une aos que estão em dificuldades, aos que sofrem, pois Ele acolhe todos, de braços abertos. Porém, os jovens devem ajudá-Lo a carregar a Cruz nas alegrias e sofrimentos”.
Missa com os bispos e religiosos do Brasil

No quinto ano da sua visita, o Santo Padre celebrou missa na Catedral de São Sebastião para os bispos e religiosos do país, durante a qual convidou os presentes a refletir sobre as vocações.

A seguir, no Theatro Municipal, abordou a importância do 'diálogo construtivo' nos desafios da sociedade atual. Representantes indígenas fizeram uma apresentação e ofereceram ao Pontífice um cocar, que o colocou imediatamente na cabeça, sob o aplauso dos presentes.

Por fim, o ponto alto do dia, foi a Vigília de Oração, em Copacabana, da qual tomaram parte cerca de três milhões de peregrinos. Em discurso, o Papa disse que os jovens devem liderar as mudanças na sociedade. Ali, os jovens passaram a noite em vigília. Muitos dormiram na Praia de Copacabana, já em vista da celebração da Missa de Envio, no dia seguinte.

Na ocasião, o Papa convidou os jovens a saírem às ruas para expressar seus desejos de uma civilização mais justa e fraterna. Os jovens querem ser protagonistas da mudança. Por isso, os animou, com base nos valores do Evangelho, a superar a apatia e a dar uma resposta cristã às inquietudes sociais e políticas.

No sexto e último dia de permanência no Rio de Janeiro, Francisco presidiu a celebração da Missa de Envio, que, devido ao mau tempo, foi transferida para a Praia de Copacabana, da qual participaram três milhões e setecentos mil peregrinos.
 
Missa de Envio: "Ide, sem medo, pra servir"

Em sua homilia, o Papa falou sobre a importância da evangelização dos jovens e a necessidade do seu envolvimento e comprometimento com a Igreja:
“Ide, sem medo, para servir. Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido por vocês!”

Na conclusão da primeira viagem apostólica, o Papa Francisco manteve um encontro com 60 bispos latino-americanos, aos quais falou sobre os desafios da Igreja, a organização territorial das paróquias e dioceses. Depois, criticou os que usam o Evangelho em defesa de ideologias. Os missionários, disse, devem ir “não ao centro” das cidades, mas às periferias”.

Enfim, ao se despedir da Cidade Maravilhosa, o Papa manteve ainda um encontro com os voluntários, ao todo cerca de 15 mil, aos quais expressou sua gratidão:
“Vocês provaram que a maior alegria é dar do que receber. Peço-lhes que sejam revolucionários. Eu tenho confiança em vocês, jovens, e rezo por vocês. Tenham a coragem de ir contra a corrente e tenham a coragem de serem felizes”.
 
Francisco despede-se do Brasil
Assim, o Santo Padre concluiu suas atividades no Rio de Janeiro. E, antes de tomar o avião, para regressar ao Vaticano, despediu-se das autoridades, civis e religiosas, aos quais disse:
“Nesse momento, já começo a sentir saudades. Saudades do Brasil, deste povo de grande coração, deste povo tão amoroso. Este Papa precisa da oração de todos vocês. Um abraço para todos e que Deus os abençoe”.
 
Vatican News
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.