Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/09/2020

23 de Setembro de 2020

Projeto ‘Estudo Bíblico’ (26/06)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Setembro de 2020

Projeto ‘Estudo Bíblico’ (26/06)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

26/06/2020 14:19
Por: Redação

Projeto ‘Estudo Bíblico’ (26/06) 0

Projeto ‘Estudo Bíblico’
Livros do Novo Testamento (19)

Neste artigo dá-se continuidade às colocações sobre a possível reconstrução do contexto sociorreligioso que emoldura a formação dos textos do Novo Testamento.

1. O método da Fenomenologia da Religião

Este método entende analisar a religião como “encontro com o Sagrado, com uma realidade singular, para além dos limites da sociedade humana”.

2. A análise reducionista da religião
O referido método se concentra não tanto na intenção de fundo subjetivo, como ponto de referimento para a compreensão de um fenômeno religioso, mas como “a conexão entre as várias peças de evidência oferecidas pela sociologia da religião, também pode ser definida causal ou geneticamente”.

3. A análise funcionalista da religião
Este método combina elementos das análises fenomenológica e reducionista, isto é, “isso leva em conta tanto a contingência causal ou genética da religião quanto a intencionalidade dos fenômenos religiosos”.

A contribuição própria desta análise constitui-se na hipótese que a todo problema social corresponda uma resposta "religiosa".
Entre outras palavras, a religião oferece uma "solução" a certos problemas sociais mais profundos: ‘analisa-os com o objetivo de contribuir para a solução de tarefas sociais fundamentais”.

Ainda sobre a o conceito de "função" aplicado como método de análise de uma da sociologia da religião, Theissen recorda a possível pertinência para a compreensão do fenômeno religioso do cristianismo primitivo, a causa da relação entre os conceitos de função e aquele de teleologia.
Esta relação, pode ser bem aplicada ao conceito escatológico do cristianismo primitivo, com sua intenção indubitável de proclamar o fim iminente do mundo, quando o mundo presente perecerá, dando lugar a um novo céu e uma nova terra, que no entanto, vem superada com o tempo, impondo à teologia do N.T. o famoso problema da "the delay of the parousia" (o atraso da Parusia.)

Sociologicamente, como se coloca o problema dentro desta análise? Segundo Theissen somente se perguntarmos: Qual foi a função objetiva dessa expectativa iminente?

Para ele, aqui se percebe uma particular e importante ‘função social da escatologia primitiva: por essas imagens escatológicas pode-se resistir às normas e obrigações com as quais a sociedade a confrontava. Uma nova maneira de a vida seguir seu caminho ocorre somente se o mundo for destruído e privado de seu poder através dos atos simbólicos da fantasia mítica.

Certo que se este método, pela sua capacidade integrativa interessa ao sociólogo da religião, que quer uma visão mais ampla possível do complexo fenômeno do cristianismo primitivo, mas não é necessário identificar a função social de um fenômeno com sua essência.

4. Algumas questões sobre a análise funcionalista da religião
4.1. Os limites da funcionalidade social.

A escolha de uma análise funcionalista não implica a tese que cada fenômeno em sociedade é, em um sentido ou em outro, funcional.
Eis o princípio geral que deve reger toda a análise sociológica que queira oferecer uma visão científica do objeto predisposto à sua pesquisa.
Em uma primeira qualificação pergunta-se sobre a função somente no âmbito dos dados que se tornaram socialmente efetivos e por si mesmos estabelecidos.



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.