Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 15º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 04/07/2020

04 de Julho de 2020

Projeto ‘Estudo Bíblico’ Livros do Novo Testamento (18)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

04 de Julho de 2020

Projeto ‘Estudo Bíblico’ Livros do Novo Testamento (18)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

21/06/2020 10:40
Por: Redação

Projeto ‘Estudo Bíblico’ Livros do Novo Testamento (18) 0

Neste artigo prosseguimos no discurso sobre as condições sociorreligiosas nas quais, inserido, o cristianismo desenvolve o surgimento do Cânon do Novo Testamento. Em outras palavras, qual foi o contexto histórico ou ‘mundo’ da gênesis dos Escritos dos Novo Testamento? Retomamos a introdução a este argumento iniciada no fim do artigo anterior.
 
1. O Ambiente sOciorreligoso do Cristianismo Primitivo:
A partir do momento em que já constatamos que o N.T. constitui-se de uma imensa gama de variados filões de tradições literárias e teológicas, passamos então à contextualização possível destes dados.

Isto é, qual é o contexto sociorreligioso do nascimento destas tradições?
Em que sentido o cristianismo primitivo exprime no seu "Corpus Literarius" a influência de uma realidade multivariada, ou seja, formada por diversos contextos socioculturais?

Impõe-se a este segundo passo de nossa pesquisa entender historicamente o fenômeno religioso do chamado cristianismo primitivo.
As características literárias e teológicas, um verdadeiro mosaico, insinuam, ao mesmo tempo, um quadro sociorreligioso muito complexo.
Existiria um cristianismo uniforme ao interno do N.T.?

Se entendermos o Kérigma do N.T. como uma constelação de tradições fundadas talvez sobre um "arquipélago" eclesial, quais seriam as pistas a nível sociorreligioso para interpretar esta relação entre o fenômeno do discipulado apostólico, depois da Morte e Ressurreição de Jesus; o chamado ‘tempo da Igreja’ com o seu anúncio "missionário" do Kérigma cristão e o contexto sociorreligioso circunstante?

Quais são as funções e configurações do cristianismo que testemunham tal vitalidade e variedade literária nos primeiros séculos do cristianismo?
Partindo da pesquisa de G. Theissen (1992) sobre a teologia e ética dos cristãos, nos primeiros séculos do cristianismo, tentaremos individuar critérios de sociologia da religião, que nos permitam interpretar a realidade deste fenômeno religioso, o assim chamado ‘cristianismo primitivo’.

Selecionamos a partir de um critério técnico dois capítulos da obra de G.Theissen imbuídos da necessidade de verificar quais são os instrumentos da sociologia da religião na sua formulação clássica, representados pelas três mais importantes correntes que nos possibilitassem a compreensão e a interpretação social do fenômeno do ‘cristianismo primitivo’.

Entendemos averiguar de que maneira e em que sentido, sociologicamente, o cristianismo representado literariamente nas tradições do N.T. pode ser analisado e configurado em sua complexa moldura.
 
2. Teorias sociológicas da Religião e a análise do Cristianismo Primitivo - Problemática:
 
1º) Como se pode extrair sociologicamente evidencia relevante da sociogeografia e da historiografia do N.T. e de suas formas parenéticas, poéticas e mitológicas?

2º) Uma questão mais teorética. Quais teoremas socioreligiosos assumir como base, quais seriam as concepções heurísticas que deveríamos assumir? Quais categorias escolher? Quais seriam as questões que mereceriam ser suscitadas? E como sistematizar elementos fragmentários de evidência, de maneira que não se tornassem ainda mais dispersivos?

Partindo da chamada interpretação existencial do N.T., Theissen demonstra que é preciso estabelecer similaridades entre sociologia da religião e as análises sociológicas de Escritos do Novo Testamento, isto é, ‘a avaliação sociológica dos textos do Novo Testamento requer uma teoria sobre a sociologia da religião’.

Os diversos princípios que regem a epistemologia da sociologia da religião recebem um acento ainda mais específico, quando se trata da sua relação com a exegese de textos do N.T.

Isto é, impõe-se uma ênfase legítima, que priorize, como objeto, os textos e fontes literárias às interpretações abstraídas dos fenômenos em questão.
A função de qualquer teoria sobre a sociologia da religião, segundo Theissen, consiste na apreensão de dados relevantes, ao interno de uma estrutura sistemática e coerente, ou ainda estruturar conexões que possam ser novamente testadas separadamente e colocadas em evidência.

A estrutura pode ser definida em diferentes modos. De acordo com a sua intenção, à luz de suas causas ou gênesis, ou ainda a partir do aspecto de suas funções. Três métodos podem ser distintamente qualificados como elementos gerais na formação da sociologia da religião.


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.