Arquidiocese do Rio de Janeiro

21º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/07/2020

16 de Julho de 2020

Padre João Azeredo na Casa do Pai

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Julho de 2020

Padre João Azeredo na Casa do Pai

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

04/06/2020 00:00
Por: Carlos Moioli

Padre João Azeredo na Casa do Pai 0

“Nem a morte, nem a vida, nem criatura alguma nos poderá separar do amor de Cristo” (Rm 8,38)
 
O padre João Azeredo, fez sua páscoa definitiva na madrugada desta quarta-feira, 3 de junho, aos 87 anos e 17 anos de sacerdócio.


A missa de exéquias será hoje, às 18h, presidida pelo arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, transmitida pelos meios de comunicação da arquidiocese. O sepultamento será amanhã, quinta-feira, dia 4 de junho, às 11h30, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, na quadra dos padres. O sepultamento está limitado com a presença, no máximo, de vinte pessoas, com uso de máscaras.

Foi ordenado aos 70 anos, no dia 28 de setembro de 2002, na Catedral de São Sebastião, por Dom Eusébio Oscar Scheid, juntamente com os padres Célio da Silveira Calixto Filho, Gerado Magela Vieira e Wanderson José Guedes.

Após a ordenação, foi nomeado vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Esperança, em Botafogo, depois pároco da Paróquia São Miguel, em Magalhães Bastos.

Em sua juventude, ingressou na Ordem Cisterciense, na cidade de Itaporanga (SP), mas as dificuldades financeiras que se abateram sobre sua família fizeram-no deixar a vida religiosa e procurar emprego para mantê-la. Isso não o demoveu da vocação à vida religiosa. O 36º Congresso Eucarístico Internacional, no Rio de Janeiro, em 1955, foi um marco em sua vida de fé. Como membro ativo da Congregação Mariana, passou a viver intensamente a vida pastoral paroquial e, assim, nascia em seu coração o desejo do sacerdócio, muito incentivado pelo padre Paulo Sá.

“Muitos de nós o conhecemos e dele fomos colegas, em alguma disciplina, no Instituto Superior de Teologia da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Enquanto isso, fazia parte do GVA (Grupo de Vocação Adulta) do Seminário Arquidiocesano de São José. Apesar de sua muita idade quando foi ordenado sacerdote, conservava a juventude da vocação e foi sempre um incansável operário da messe do Senhor. Deus o tenha consigo e lhe conceda a recompensa do servo bom e fiel, chamado a participar da alegria do seu Senhor”, disse o colega de turma, padre Gleiber Dantas de Melo, do clero da Diocese de Caicó (RN).

Outro colega de turma, monsenhor Célio Calixto, bispo auxiliar eleito para a Arquidiocese do Rio, recordou que o padre João Azeredo ingressou no Seminário São José na teologia, após cursar a filosofia como aluno externo.

“Ele era como nosso irmão mais velho, o ‘vovô’ da turma, muito querido por todos. Fomos ordenados juntos. Era belo ver a sua dedicação no ministério e a alegria com que vivia o sacerdócio, sempre dedicado no atendimento aos fiéis e na condução das pastorais. Ele ajudou muito o padre Niwaldo Pires Rosa, na Paróquia Nossa Senhora da Esperança, em Botafogo, quando estava enfermo. Depois foi pároco em São Miguel, Magalhães Bastos, onde trabalhou com a Congregação das Filhas de Sant'Ana. Mais tarde, quando a saúde já não permitia estar à frente da paróquia, descobriu a nova vocação de confessor e diretor Espiritual de padres e seminaristas, na Casa do Padre Cardeal Câmara, onde residia há sete anos. Dom Eusébio de vez em quando falava: ‘Azeredo, sua vida daria um filme!’. Deus dê a recompensa dos justos a esse querido irmão!”, disse monsenhor Célio Calixto.

Padre João Azeredo esteve a frente da Paróquia São Miguel, em Magalhães Bastos, por 10 anos, até 2013, quando foi sucedido pelo padre William Bernardo da Silva, atual pároco.

“Vocacionado pela Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Padre Miguel, padre João Azeredo exerceu o ministério por sete meses na Paróquia Nossa Senhora da Esperança, em Botafogo e, em 2003, designado para Magalhães Bastos. Foi o primeiro pároco, após a criação da paróquia e permaneceu por 10 anos. Foi um servo bom e fiel cuidou do rebanho que lhe foi confiado com zelo e amor, sendo sinal de Cristo sacerdote na vida do povo”, disse o padre William Bernardo.

O atual pároco, contou ainda que o “pastoreio do padre João Azeredo foi fecundo sobre tudo no cuidado dos enfermos sempre por ele assistidos, bem como as inúmeras pessoas que o procuravam para a confissão e direção espiritual, tornando-o numa referência no atendimento espiritual na antiga Forania 1 do Vicariato Episcopal Oeste”.

Padre William Bernardo contou que ao longo do pastoreio do padre João Azeredo, em Magalhães Bastos, ele teve sempre uma atenção especial para com os mais pobres e sofredores, sendo um pastor segundo o coração de Cristo para todas as pastorais e movimentos da Paróquia São Miguel Arcanjo.

“Nossa gratidão e afeto filial ao primeiro pároco. O Cristo sacerdote o receba na glória e lhe conceda a recompensa por ter cuidado com zelo e amor do rebanho que lhe foi confiado. O povo de Magalhães Bastos agradece a Deus pelo dom de sua vida e ministério sacerdotal, e dá testemunho, diante de Deus, que ele foi um servo bom e fiel. Que a luz perpétua o ilumine. Que brilhe para ele a vossa luz”, desejou padre William Bernardo.





Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.