Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/09/2020

23 de Setembro de 2020

O sentido da vida e o vazio existencial

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Setembro de 2020

O sentido da vida e o vazio existencial

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

29/05/2020 15:49
Por: Redação

O sentido da vida e o vazio existencial 0

O sacerdote é visto pela sociedade, de certa maneira, como um super-herói. Ninguém ouve dizer que o padre está cansado ou está triste. As pessoas só lembram que ele é enviado por Deus, como se fosse capaz de nada sofrer e a tudo resistir. As exigências sobre um homem do sagrado são muitas, e a reflexão que vou apresentar é para o homem humano, aquele que é capaz de sofrer, ao humanus que habita o homem religioso.

O cenário de pandemia e confinamento social que estamos vivenciando tem obrigado as pessoas a ficarem sozinhas, e traz à tona a fragilidade psíquica, o que é próprio da natureza humana, e, nesse contexto, pode haver consequências emocionais, como o vazio existencial e a falta de sentido na vida.

A experiência que estamos vivendo e que nos foi imposta pegou a todos sem aviso prévio. Ter consciência da incerteza de “quando tudo isso irá terminar (?)” pode gerar sintomas como medo, ansiedade, angústia, desânimo e depressão, porque nada podemos fazer e perdemos o controle da nossa capacidade de ir e vir. Nos tornamos reféns do destino e prisioneiros dos nossos próprios pensamentos.

Minha proposta neste encontro se pauta nas experiências vividas pelo psiquiatra Viktor Frankl, sobrevivente dos campos de concentração, e relatadas em seu livro “Em Busca de Sentido”.

Ainda que realidades completamente distintas existam, há contribuições muito oportunas para compreender a dinâmica psicológica que se dá em situações de crises e de limites como as que estamos vivendo hoje.

Como pressuposto teórico, a logoterapia afirma a capacidade intrinsecamente humana de transformar a tragédia em triunfo. As estratégias de sobrevivência utilizadas por Viktor Frankl durante o confinamento nos campos de concentração podem ser aplicadas na nossa vida cotidiana neste tempo de isolamento social. A reflexão intenciona levar a pessoa do homem do sagrado a reconhecer sua humanidade, compreendendo que “Tudo pode ser tirado de uma pessoa, exceto uma coisa: a liberdade de escolher sua atitude em qualquer circunstância da vida” (Viktor Frankl), e que mais do que esperar a pandemia passar, poder passar pela pandemia com mais leveza e com sentido.  Se hoje sou psicóloga e logoterapeuta, sou graças ao acompanhamento de direção espiritual que tive com um sacerdote, em 1995 (monsenhor Arlindo Thiesen, in memorian). Conheci com ele a logoterapia de Viktor Frankl, através do livro “Sede de Sentido”, e, desde então, venho constatando, principalmente na prática clínica, que entre o vazio existencial e o sentido há vida.

Sônia Nascimento, psicóloga clínica


 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.