Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 05/08/2020

05 de Agosto de 2020

‘Está sendo uma experiência de fé ver que Deus caminha na via-sacra do seu povo’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

05 de Agosto de 2020

‘Está sendo uma experiência de fé ver que Deus caminha na via-sacra do seu povo’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

17/04/2020 19:03
Por: Redação

‘Está sendo uma experiência de fé ver que Deus caminha na via-sacra do seu povo’ 0

Em tempos de pandemia, os párocos têm procurado promover ações que, mesmo evitando o contágio, possibilitam a proximidade dos fiéis que desejam manifestar a sua fé com a paróquia. 

Uma dessas ações foi realizada pelo pároco da Paróquia São Tiago, em Inhaúma, padre Alexandro Tarquino da Silva, no dia 29 de março, quando percorreu as ruas do bairro em um carro com o Santíssimo Sacramento.

"Experiência inusitada. Foi a primeira vez na vida que fiz uma procissão que não tinha ninguém. Outra realidade que me impactou foi sair com o Santíssimo Sacramento durante o período da Quaresma. Isso nunca aconteceu; apenas tinha feito na Solenidade de Corpus Christi”, contou.
Padre Tarquino destacou que a ação o fez refletir sobre o sofrimento e as necessidades do povo.

“Os fiéis têm necessidade da presença de Deus, e a distância tem sido muito prejudicial. Precisamos permanecer no isolamento social para salvar o maior número de pessoas, mas, de certa maneira, o povo católico sofre. Como pastor, procuro transmitir, com muita oração e o anúncio da Palavra de Deus, muito conforto e esperança para o povo que me foi confiado”, disse.

“Está sendo uma experiência de fé ver que Deus caminha na via-sacra do seu povo”, disse padre Tarquino. Ele destacou que está sendo um “desterro para o povo viver sem a presença do Senhor no Sacramento Eucarístico, mas por outro lado, a certeza que Ele não abandona ninguém que O procura”.

“Apesar de ser uma experiência impactante e profunda de fé e esperança, verificamos que o Senhor está sofrendo com o seu povo que passa fome e privação das coisas mais básicas, como água, dificuldades na esfera política, a proliferação de um espírito de divisão e confusão. Precisamos rezar por todos os políticos, que devem sempre buscar o bem comum, o bem de todos”, disse padre Tarquino.

‘Jesus veio até mim’
Uma das paroquianas, Letícia Pacheco, que é catequista da Crisma, deu testemunho de como foi o encontro com o Senhor, presente no Santíssimo Sacramento ao passar na sua rua.

“Foi algo que eu não esperava, pois eu moro na Rua Bororó, na Estrada Velha, um pouco distante da paróquia, e quando eu soube que o Santíssimo iria passar pelas ruas de Inhaúma, eu já imaginava que Ele não viria onde eu morava”.

Letícia ficou acompanhando pela live da paróquia que o Santíssimo estava passando pelas ruas do bairro, depois viu fotos e vídeos postados por amigos.

“As postagens eram de lugares que conhecia. Não pensei duas vezes: peguei a chave e saí correndo sem olhar para trás. Desci a rua depressa com medo de perdê-Lo de vista, a pressa de alguém que precisava ver o seu Senhor. Quando cheguei à esquina, eu já ouvia o meu pároco, padre Tarquino, falando no microfone, e o padre Victor Hugo com o Santíssimo nas mãos. Era algo inédito, algo que eu não esperava receber. Jesus estava passando em frente a minha rua! Veio até mim!”, contou.

Com a passagem do Santíssimo pelas ruas, Letícia contou que viu “pessoas ajoelhadas, de braços estendidos, sedentas da presença de Deus pelo encontro, já que estão impossibilitadas de ir à igreja”.

Foi marcante, contou Letícia, quando o pároco, padre Tarquino, “olhava para nós e dizia: ‘Saudades, meus filhos, saudades’ com a voz embargada, praticamente chorando”.

Ela contou que seus vizinhos também corresponderam à emoção, pois a “ovelha reconhece a voz do seu pastor”. Eles também souberam em cima da hora que o Santíssimo iria passar, largaram o que estavam fazendo e saíram correndo também ao encontro.

“Voltei pra casa feliz, me sentindo amparada. Aqueles poucos minutos fizeram o meu domingo valer a pena. Quanta saudade! Foi algo atípico, uma experiência que nos foi dada em meio a essa situação preocupante que o mundo inteiro está vivendo. Um momento de incertezas e notícias ruins em que Jesus nos visita. Com certeza, Ele também está com saudades de ver o seu povo reunido”, finalizou Letícia.

Colaboração: Seminarista Carlos Ébano


 
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.