Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/02/2020

23 de Fevereiro de 2020

Festa de São Sebastião 2020: Tempos novos de paz

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Fevereiro de 2020

Festa de São Sebastião 2020: Tempos novos de paz

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

24/01/2020 14:13
Por: Redação

Festa de São Sebastião 2020: Tempos novos de paz 0

“Sejamos verdadeiros anunciadores de tempos novos de paz”, exortou o arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, durante a “bênção para a cidade”, que ocorreu no início da noite do dia 20 de janeiro, após a chegada da procissão na Catedral Metropolitana, vinda da Basílica Santuário de São Sebastião, na Tijuca. 

“Nesta mudança de época, o mundo necessita de homens e mulheres que sejam portadores de paz. São Sebastião, nosso padroeiro, nos recorda que não devemos desanimar com os problemas e as flechadas da vida, mas dar passos para um tempo novo, sem rancor, ódio e maldade no coração. No pluralismo deste mundo e desta cidade cosmopolita, anunciamos que é possível viver o respeito mútuo e a fraternidade, e ajudar a construir uma sociedade mais humana e fraterna”, disse.

Dom Orani lembrou que durante a Trezena do padroeiro, que neste ano teve como tema: “São Sebastião, ardoroso missionário”, realizada de 7 a 19 de janeiro, ele percorreu com a imagem peregrina do padroeiro cerca de cem locais em todos os cantos da cidade, e pôde constatar a situação de pessoas sozinhas e abandonadas que clamam aos céus, o que supõe que “cada católico possa ser uma presença que ajude a transformar e a renovar a cidade”.

“Diante das flechadas que nós católicos recebemos, devemos, a exemplo de São Sebastião, retribuir com gestos de paz e fraternidade, e anunciar que é possível conviver em harmonia. Quando necessário, também devemos denunciar, como profetas do Senhor, as maldades e injustiças na sociedade. Somos chamados a fazer a diferença para que o rosto misericordioso de Jesus Cristo possa cada vez mais ser visibilizado através de nossa missionaridade. Também faz parte da nossa missão anunciar que Deus habita nesta cidade e que é possível que a paz reine entre nós”, disse o arcebispo.

Dar razões da fé
Logo de manhã, no Aterro do Flamengo, Dom Orani deu a bênção aos milhares de atletas que participaram da Corrida de São Sebastião.
Às 10h, presidiu missa na Basílica Santuário de São Sebastião, na Tijuca, concluindo a Trezena realizada em preparação à festa do padroeiro.
Na acolhida, ele manifestou alegria por celebrar a primeira missa solene do padroeiro na igreja confiada aos frades capuchinhos na qual conserva os “sinais” da fundação da cidade, e destacou a proximidade que os cariocas sempre tiveram com São Sebastião.

Já na homilia, o arcebispo fez um paralelo da liturgia do dia com a realidade atual e com a vida de São Sebastião, recordando que ele foi condenado ao martírio, por causa de sua fé em Jesus Cristo, com flechadas, pauladas e seu corpo jogado nos esgotos de Roma, “fruto do ódio e da intolerância religiosa contra os cristãos que só pregavam o amor de Deus e queriam fazer bem às pessoas”.

À luz da Palavra, o arcebispo recordou que Deus conhece tudo e a todos, e não deixa sem resposta as várias situações de martírio. Que não se deve ter medo de quem apenas pode matar o corpo, e que os justos estão em paz, estão em Deus. Lembrou que os cristãos devem estar preparados para sofrer por causa da justiça, ainda santificar os corações e estar sempre prontos para dar as razões da fé.

“A intolerância contra os cristãos continua. Hoje, vemos pessoas falarem contra Jesus Cristo, a Virgem Maria, o Santo Padre e os cristãos católicos. Parece que além de render muito dinheiro que interessa às pessoas, também ficam impunes porque acham que podem fazer tudo. Nosso país corre o perigo de viver uma teocracia ateia: ser um país confessional e ateu, e não um país laico que respeita todas as religiões”, afirmou o arcebispo.

Missionários
Na missa solene de São Sebastião, realizada na Catedral, após a procissão, Dom Orani exortou, mais uma vez, os fiéis a permanecerem firmes no Senhor e a darem, em todas as circunstâncias, as razões da fé.

“A celebração de São Sebastião deste ano, com o tema que escolhemos à luz da missionaridade, nos impulsiona para viver ainda mais e melhor a vida cristã. A exemplo de São Sebastião, procuremos ser firmes na fé, e diante das perseguições, queremos viver a missionaridade como resposta. Ou somos missionários ou não somos cristãos. Os cristãos são cidadãos do mundo, missionários em qualquer lugar. Uma vez batizados, sempre misionários”, disse.

A celebração foi marcada com a profissão de fé e juramento de fidelidade de monsenhor Tiago Stanislau, eleito bispo auxiliar para o Rio, ordenado no dia 25 de janeiro.

Também houve no final o testemunho dos seminaristas que fizeram missões na Capela São José, situada na comunidade Beira Rio, no Recreio dos Bandeirantes, e na Diocese de Altamira, no Estado do Pará.

Carlos Moioli


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.