Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/01/2020

23 de Janeiro de 2020

Seminaristas são instituídos no Ministério de Acólitos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Janeiro de 2020

Seminaristas são instituídos no Ministério de Acólitos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/12/2019 18:18
Por: Redação

Seminaristas são instituídos no Ministério de Acólitos 0

Inspirados pelo lema: “Será cumprido o que o Senhor lhe prometeu” (Lc 1, 45), 13 seminaristas do Seminário Arquidiocesano de São José receberam o Ministério do Acolitato, no dia 12 de dezembro, durante missa presidida pelo arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Cardeal Tempesta, realizada na Basílica Nossa Senhora de Lourdes, em Vila Isabel.

São eles: Addae Vinicius Santos da Silva, Allexsandro Martins Valente, Bruno Marinho dos Santos Loura, Emerson Manoel da Silva, Felipe Cinelli Barbosa, Frederico Rodrigues Farias, Isaac Freire de Deus, Paulo Diego Braga da Silva, Peterson de Almeida Figueiredo, Ramon Guilherme Pitilo da Silva Ramos, Raphael de Lima Talarico, Rodrigo Brum Moreira Junior e Ronaldo Fernandes Henrique.

Ministério
Os seminaristas que receberam o ministério, rumo ao sacerdócio ministerial, concluíram neste ano de 2019 a etapa da Configuração II, que é o segunda ano de teologia.

A palavra ‘acólito’ vem do verbo ‘acolitar’, que significa acompanhar no caminho. Dado que se pode acompanhar alguém indo à frente, ao lado ou atrás de outras pessoas, ‘acólito’ é aquele ou aquela que, na celebração da liturgia, precede, vai ao lado ou segue outras pessoas, para as servir e ajudar.

Frutos
Segundo o seminarista Bruno Loura, o sentimento é de gratidão a Deus. “Quando entrei no seminário, eu não imaginava que poderia chegar tão longe, pois continuamente me confrontava com as minhas imperfeições, por ter grande preocupação com o bem estar da minha família e por ainda ter dúvidas da minha vocação, mas o Senhor pedia esse tempo e resolvi arriscar. Nunca imaginei chegar tão longe e com tão grandiosas transformações”, disse.

O seminarista Bruno Loura destacou ainda os frutos que têm recebido no tempo de formação no seminário, feliz por receber e viver o ministério, servindo o Pão do Céu para o povo de Deus.

“O Senhor moldou em mim, pouco a pouco, um coração mais dócil, mais maduro e aberto ao próximo. Ele foi se revelando ao longo desses anos e mostrando que eu estava fazendo a Sua vontade, por isso dei meu ‘sim’ à admissão e aos ministérios. Minha gratidão ao Senhor é imensa, pois tudo o que tenho e sou devo a Ele, e minha forma de retribuir é aumentando ainda mais minha amizade e intimidade com Ele, pois só assim serei um bom sacerdote”, afirmou.

Concretização da vocação
Para o seminarista Peterson de Almeida Figueiredo, faz parte da formação para o sacerdócio subir alguns degraus, dar passos. O último deles antes da ordenação diaconal é o Ministério do Acolitato.

“Cada passo deve ser vivido intensamente, na certeza de que é a concretização da vocação. Em meio a dificuldades comuns da caminhada, a instituição deste ministério faz com que relembremos do primeiro chamado, do começo de tudo, do início da caminhada. É impressionante sentir a graça de Deus, agindo e dando forças para continuar. Agora, estou mais próximo do altar, poderei tocar com minhas indignas mãos no Sacratíssimo Corpo de Nosso Senhor. É indizível a sensação. Creio que poderei ser curado de misérias a partir do contato mais próximo com Nosso Senhor”, afirmou o seminarista Peterson.

Vontade de Deus
“Eis que tem se cumprido a vontade de Deus em minha vida”, afirmou o seminarista Paulo Diego Braga da Silva, destacando que com a instituição do ministério deu um passo importantíssimo em sua caminhada vocacional rumo ao sacerdócio ministerial.

“Posso dizer que esse passo é sublime, pois é o último antes de receber o primeiro grau da ordem, o diaconato. Desta maneira, como acólito poderei ajudar o diácono e o sacerdote cuidando do serviço do altar, auxiliando-os nos atos litúrgicos, sobretudo na celebração da Santa Missa; distribuir, como ministro extraordinário, a sagrada Comunhão”.

Além disso, ele esclareceu que pode ser encarregado, em circunstâncias extraordinárias, de expor publicamente o Santíssimo Sacramento à adoração dos fiéis, e fazer depois a reposição. “Com isso, concluo asseverando que a felicidade é tanta, pois posso levar o próprio Cristo Eucarístico às pessoas”, disse o seminarista Paulo Diego.

Viver o ministério
O seminarista Isaac Freire de Deus evocou o que teve a oportunidade de ouvir durante o recolhimento espiritual que fez para a recepção do ministério.
“A Igreja naquele dia confiou a nós o maior dos tesouros que é a Eucaristia. Tornamo-nos, nós, guardiões dela, ícones referenciais do amor e do cuidado que a mãe Igreja devota para com o Sacramento da Eucaristia”.

O seminarista Isaac Freire destacou que é com esse intuito que ele quer viver esse ministério que a Igreja lhe confiou nesta etapa da caminhada vocacional.

“Já exercendo o ministério, sinto-me extasiado; auxiliar o sacerdote mais diretamente no altar, distribuir a Santa Eucaristia aos meus irmãos, levá-la aos doentes tem revigorado a minha vida e a minha vocação e sido a alegria da minha vida! Louvo a Deus por tão grande dádiva! Ele me escolheu, apesar de mim!”, afirmou.

Alegria
“Foi uma surpresa de Deus”, disse o seminarista Rodrigo Brum Moreira Júnior, acrescentando: “não sou merecedor nem digno do chamado, mas com amor Ele me elegeu, Ele me escolheu”.

O ministério proporciona ficar mais perto do altar. “É uma responsabilidade se aproximar do altar, do Corpo e do Sangue do Senhor. Não é somente servir ao altar, mas uma responsabilidade maior porque a missão é levar Jesus vivo e real na Eucaristia para os irmãos enfermos e idosos. Para mim é motivo de alegria e me faz dar o meu ‘sim’ a cada dia”, disse.

O seminarista Rodrigo Brum pediu orações pelos novos acólitos, e acrescentou que está feliz, assim como Maria, por ter a oportunidade de fazer a vontade de Deus.

“Assim como Maria que deu o seu ‘sim’ e teve alegria em fazer a vontade do Senhor, nós também, acólitos recém instituídos, podemos nos alegrar no Senhor que é fiel, no qual devemos depositar toda nossa esperança”, afirmou.

Carlos Moioli



 
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.