Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/01/2020

23 de Janeiro de 2020

Igreja de Sant’Ana faz campanha por restauração

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Janeiro de 2020

Igreja de Sant’Ana faz campanha por restauração

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/12/2019 11:08
Por: Redação

Igreja de Sant’Ana faz campanha por restauração 0

A histórica Igreja de Sant’Ana, situada na Praça Cardeal Leme, no centro do Rio de Janeiro, que também é a sede do Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua, promove campanha para saldar a restauração da parte interna do templo, que sofreu danos, devido aos desgastes causados pelo tempo.

Segundo o pároco e reitor, padre José Laudares de Ávila, o “atual prédio da Igreja de Sant’Ana, que fica no quarteirão entre as ruas de Santana, Benedito Hipólito, Clementino Fraga e Marquês de Pombal, foi inaugurado em 1883, quando foi aproveitada a estrutura de uma antiga cadeia pública”. O templo, como paróquia, foi criado no dia 15 de dezembro 1814.

Devoção e igreja antiga
Porém, a devoção e a paróquia são mais antigas. A primitiva igreja da Senhora Sant’ana, construída em 1725, foi demolida para dar lugar ao prédio da Estação Central do Brasil, inaugurado em 1858. Na época, o imperador Dom Pedro II quis que o trem chegasse mais próximo à área central da cidade. Até então, a última estação era na Leopoldina. Segundo estudos de engenheiros, a estação deveria ser onde estava a velha igreja. Resolveram fazer uma permuta. Por um bom tempo, enquanto a igreja estava em construção, as imagens dos santos ficaram guardadas na Igreja de São Domingos, que foi demolida para abrir a hoje Avenida Presidente Vargas.

Santuário Nacional
A Paróquia de Sant’Ana foi criada no dia 15 de dezembro de 1814. Já o Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua foi criado, em 1926, por Dom Sebastião Leme, cujo corpo repousa na nave central da igreja, próximo ao presbitério. Quando foi criado o santuário, a igreja foi confiada à Congregação do Santíssimo Sacramento, fundada pelo sacerdote francês São Pedro Julião Eymard, cujos membros são conhecidos como padres sacramentinos.

Prédios anexos
Na década de 1950, em preparação ao Congresso Eucarístico Internacional, realizado em 1955 no Rio de Janeiro, foram construídos prédios anexos no lado esquerdo e direito do templo. Um dos prédios foi a capela paroquial, e o outro é usado para reuniões, encontros pastorais, promoções e no acolhimento de peregrinos e adoradores. Nesta época, também foi refeito o altar principal para a exposição permanente do Santíssimo no ostensório usado no Congresso Eucarístico.

Grande reforma
Outra reforma do templo, na parte interna, aconteceu entre 2003 e 2004, durante seis meses.
“Depois de 120 anos da inauguração do templo, muitas coisas foram se deteriorando. O problema mais grave foi o telhado, em virtude da infiltração da água de chuva. Foi necessário fazer uma reforma. Trocamos muitas telhas e ripas que foram danificadas por cupins. Foram colocados novos lustres e lampadários. Os altares laterais foram limpos e toda a pintura interna foi completamente refeita, incluindo a capela paroquial e o auditório”, contou.

Reforma atual
Após 14 anos da grande reforma, foi preciso fazer uma nova restauração na parte interna, mas padre José Laudares garantiu que a igreja vai estar pronta, restaurada e limpa para celebrar, no dia 24 de dezembro, a Vigília de Natal.

“O problema atual é menos complicado, mas foi necessária uma restauração. O reboco foi se desprendendo da parede, especialmente do teto. A maior dificuldade é a altura, pois a nossa igreja tem 26 metros de pé-direito. Tivemos que alugar uma plataforma especial para que os operários alcancem os arcos e as abóboras da igreja. Foram refeitos os lugares onde havia rachaduras com nova massa, selador e nova pintura”, explicou.

Segunda fase
Além da reforma atual, padre José Laudares informou que está prevista uma segunda fase, provavelmente, a partir de fevereiro de 2020, para restauração no pórtico da igreja.

“A Igreja de Santana tem uma belíssima fachada com uma sacada coberta e um terraço com colunas. Neste terraço aconteceu o mesmo que no interior da igreja. O teto está se desprendendo e caindo dele pedaços de gesso. A primeira coisa que tem que ser feita na parte superior é arrancar o piso velho que está dando infiltração da água da chuva. Refazer com massa de impermeabilização para que as águas deixem de ficarem empossadas”, disse.

Campanha
Para saldar os compromissos com a restauração, a paróquia organizou uma campanha e pede a colaboração de todos, já que o templo é uma referência religiosa na arquidiocese e na cidade. Além de ser a matriz da copadroeira da arquidiocese, a sede do Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua, o templo é usado para grandes celebrações e encontros, é um local que sempre contou com a presença dos arcebispos, inclusive de Dom Orani.

“Diante das dificuldades financeiras, organizamos uma campanha entre os paroquianos, adoradores e devotos da Senhora Sant’Ana para ajudar no custeio das obras. Preparamos um carnê de colaboração no qual cada um dê o que pode durante 12 meses. Quem desejar, ele está à disposição na secretaria da igreja e pode fazer doação bancária pelo Banco Bradesco, agência 2.916, conta corrente 000077-9, em nome da Mitra Arquiepiscopal do Rio de Janeiro. Que a Senhora Sant'Ana interceda por todas as pessoas que nos ajudam nesta missão de restaurar o templo”, destacou padre Laudares.

Carlos Moioli


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.