Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 13/10/2019

13 de Outubro de 2019

Odetinha: exemplo de precocidade espiritual na prática das virtudes cristãs

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

13 de Outubro de 2019

Odetinha: exemplo de precocidade espiritual na prática das virtudes cristãs

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/09/2019 15:13
Por: Redação

Odetinha: exemplo de precocidade espiritual na prática das virtudes cristãs 0

O aniversário de 89 anos de nascimento da Serva de Deus Odette Vidal Cardoso, a Odetinha, foi celebrado com missa na Basílica da Imaculada Conceição, em Botafogo, no dia 15 de setembro, presidida pelo delegado arquidiocesano para a causa dos Santos, Dom Roberto Lopes, que também é o vigário episcopal da Vida Consagrada.

O túmulo onde repousa seus restos mortais, situado na entrada da basílica, foi ornado com muitos vasos de flores, dados pelos seus fiéis devotos. Entre os presentes estava um grupo de coroinhas da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, no Jacarezinho.

A celebração começou com o “tercinho de amor” que a própria Serva de Deus rezava, contemplando no início de cada mistério “Quero passar meu céu fazendo bem a terra”, nas contas pequenas “Meu Jesus, eu Vos amo!” e nas três últimas contas “Meu Jesus, abençoai-me, santificai-me, enchei o meu coração de Vosso amor”.

Compaixão e misericórdia
Na homilia, Dom Roberto refletiu a liturgia do dia, com ênfase no episódio do Filho Pródigo, fazendo uma analogia sobre a compaixão e a misericórdia e o Capítulo 19 da biografia oficial de Odetinha, que trata de suas virtudes heroicas. Também lembrou que a Igreja celebra no dia 15 de setembro a mesma data do nascimento da Serva de Deus, a memória de Nossa Senhora das Dores, cuja imagem ela tinha em seu quarto.

“Odetinha poderia ter escolhido por devoção o título de Nossa Senhora das Graças, em vista do ambiente em que frequentava junto com as irmãs vicentinas – o colégio e a igreja, mas preferiu invocar Nossa Senhora das Dores. É uma atitude que reflete a maturidade de sua espiritualidade, com um olhar de compaixão e misericórdia com os sofredores. Diante desta imagem, que ela tinha em seu quarto, ela dizia doces palavras de consolo a Mãe de Deus. Diante do crucifixo pedia para que o Senhor concedesse a graça de participar de suas dores na cruz. Abrindo as mãos dizia: ‘Meu amado Jesus, transpassa-me’. Apesar da pouca idade, Odetinha era uma menina preparada para o encontro com o Senhor, pois vivia o Evangelho com os pés no chão”, disse.

Testemunhos
Com base na biografia oficial, Dom Roberto recordou o testemunho de três sacerdotes sobre Odetinha, como um exemplo de precocidade espiritual na prática das virtudes cristãs.

Um deles é o padre José Marques Pascoal, que afirma que Odetinha tinha, apesar de sua idade, consciência real do sentido da virtude. Ela conseguiu um alto grau na prática das virtudes cristãs.

Assim, disse o padre José Pascoal: “Para mim foi um dom gratuito da graça que é concedida pelo Senhor, de modo especial, àquelas pessoas de sua predileção. Eu penso que Odetinha morreu tão jovem porque estava pronta para ir ao céu”.

Dom Roberto citou também o testemunho do monsenhor Alfir Barreto Araújo, quando lhe perguntaram sobre as virtudes heroicas de Odetinha, e ele respondeu: “Não obstante a sua tenra idade, o Senhor lhe concedeu o dom particular de compreender muito bem e de viver profundamente as virtudes cristãs, coisa que fez com empenho e constância por toda a sua breve vida. Posso dizer, com certeza, desde que teve o uso da razão até o momento de seu último suspiro. Sempre me impressionei com o seu ardente desejo de tornar-se santa. Para ela tornar-se santa significava amar infinitamente nosso Senhor, desejo que manifestou em todos os momentos de sua vida”.

Por último, Dom Roberto recordou o testemunho de monsenhor Vital Francisco Brandão Cavalcanti, que consta também no Capítulo 19 da biografia oficial de Odetinha:
“Estou convencido que Odetinha viveu as virtudes cristãs em modo incomum para uma criança de sua idade, porque recebeu um dom especial da graça, aquele de compreender Deus, de amá-Lo e de conseguir a santidade. Penso que a menina se distinguiu particularmente por seu amor e orientou toda a sua breve vida, vivendo neste mistério de amor, em união intima com o Senhor”.

Mística da Eucaristia
Ainda durante a homilia, Dom Roberto lembrou que Odetinha tinha em seu quarto uma imagem de São Tarcisio, que ela mesma pediu, em função de seu amor por Cristo Eucarístico. Ele reforçou que a prática de suas virtudes heroicas foi um diferencial em sua vida, conforme consta no Capítulo 19 de sua biografia, que a define como “mística da Eucaristia”. No final da celebração, acompanhado do grupo de coroinhas, Dom Roberto se dirigiu até o túmulo de Odetinha, onde fez a oração pela beatificação da Serva de Deus.  O grupo de coroinhas da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, no Jacarezinho, tem 40 membros e como coordenadores Ângela Paula, Mário Carlos Vieira e Thaciane Pereira.

Quem recebeu o convite para participar da celebração do aniversário da Serva de Deus foi Maria Cristina Barbosa, cerimonária responsável pela formação de uma das quatro turmas do grupo, através da avó de uma amiga, dona Sônia, que é coordenadora paroquial das Odetinhas.
“Logo me encantei e fiquei motivada e animada a visitar a basílica. Falei com meus coordenadores e eles aceitaram. Odetinha é um grande exemplo de compaixão e amor pelo próximo. Mesmo pequena, com toda sua ingenuidade de criança, sempre pensou em ajudar, tendo apenas o sentimento de poder ajudar os necessitados. Ela é uma figura que devemos nos espelhar para que possamos ser fiéis e levar a sério o mandamento de amar o próximo como a nós mesmos”, disse Maria Cristina.

Como coordenadora, Ângela Paula lembrou que tem como princípio ensinar os cerimoniários sobre a importância da busca pela santidade.
“Fiquei comovida quando recebi o convite. Busquei conhecer a história de Odetinha e nela vi uma forma de transmitir para eles a santidade que devemos buscar diariamente, então prontamente aceitei o convite para participar deste momento que foi marcante para minha vida e para a deles”, disse Ângela.

Thaciane Pereira contou que recebeu o convite em cima da hora e não houve tempo para conhecer a história da Odetinha antes da visita.
“Nunca fomos em uma basílica onde se tem o túmulo de um candidato a santo tão importante e com ensinamentos ricos. Eles ficaram impressionados com a basílica e com a história da Odetinha. Somos 40 coroinhas, mas apenas 14 puderam participar. Para mim, conhecer a história e ouvir os testemunhos e quantas orações atendidas através da Odentinha até o Nosso Senhor Jesus Cristo foi incrível. Pretendo conhecer mais sua história e visitar sempre que possível a basílica”, disse Thaciane.

Carlos Moioli


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.