Arquidiocese do Rio de Janeiro

23º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/09/2019

22 de Setembro de 2019

Arquidiocese do Rio dá início ao Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Setembro de 2019

Arquidiocese do Rio dá início ao Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/05/2019 00:00 - Atualizado em 27/05/2019 07:20
Por: Flávia Muniz

Arquidiocese do Rio dá início ao Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos 0

Iniciou-se, neste sábado, dia 25 de maio, o Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos. As conferências foram dirigidas aos seminaristas e agentes pastorais de todo o Regional Leste 1 e tiveram lugar no auditório do subsolo da Catedral Metropolitana, na Avenida Chile, Centro do Rio. O evento é uma realização da Pontifícia Academia para a Vida (PAV) e Arquidiocese do Rio. 

A abertura solene se deu  com a Santa Missa presidida pelo arcebispo, Cardeal Orani João Tempesta, concelebrada pelos bispos auxiliares Dom Paulo Celso Dias do Nascimento, referencial da Pastoral da Saúde arquidiocesana, e Dom Joel Portella Amado, referencial para as Pastorais Sociais e presidente do congresso, além de diversos outros sacerdotes presentes.

Na sessão de abertura das conferências, Dom Orani acolheu o presidente da Academia Fides et Ratio - Fé e Razão - da arquidiocese, padre Aníbal Gil Lopes, que é também membro da Pontifícia Academia para a Vida e organizador do congresso; também presentes à mesa, o pároco da Catedral e coordenador da pastoral arquidiocesana, Cônego Cláudio Santos, e o vigário episcopal para a Caridade Social, Monsenhor Manuel Manangão.

Cuidar, ainda que não venha a cura

Ao abrir oficialmente o Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos, Dom Orani ressaltou o pioneirismo da Arquidiocese do Rio nessa iniciativa, destacando que  "há, hoje em dia, uma cultura, em nossa sociedade, de se descartar as pessoas e de não valorizá-las, quando elas já não podem mais contribuir financeiramente, como se, a partir de então, elas deixassem de ser pessoas, para se tornarem tão somente gastos. Por isso, falar de cuidados paliativos, significa falar de valorização da vida humana em todas as suas dimensões. Daí que surgiu o anseio de se iniciar um trabalho pastoral de cuidados paliativos, ampliando as ações da Pastoral da Saúde", esclareceu o arcebispo.

E externou seu desejo de "que tanto a dimensão pastoral quanto a científica estejam sempre mais bem preparadas e em constante diálogo com os bispos, e nos ajudem a sermos Igreja ainda mais, também como Igreja latinoamericana, sendo essa presença da Igreja Católica junto aos que sofrem em nosso continente, para afirmar, em nome de Cristo, que o cuidar tem valor em si, ainda que não venha a cura", declarou Dom Orani.

Entre os conferencistas convidados, estarão o bispo auxiliar de La Plata, na Argentina, Dom Alberto Bochatey e o secretário da PAV, Monsenhor Riccardo Mansueli, representando o Cardeal Vincenzo Paglia, atual presidente da Pontifícia Academia para a Vida. O congresso tem prosseguimento entre os dias 27 e 31, no Edifício São João Paulo II, na Glória.

"Estive doente: tu me visitaste?"

Com o título "A ética do cuidado", a primeira conferência tratou os aspectos éticos nos cuidados paliativos, e foi ministrada pelo padre Aníbal Gil Lopes, que é médico e biofísico. 

Numa abordagem absolutamente espontânea, que muito agradou aos presentes, padre Aníbal explicou que "cuidados paliativos são uma das linhas de atuação da PAV, incluindo o tema da ética e da robótica. Hoje, várias funções são delegadas à máquina; e o ponto fulcral é encontrar caminhos para, dentro da ética, responder à pergunta de Jesus: 'Estive doente: e tu, me visitaste?'", indagou padre Aníbal.

Partindo da noção de que toda forma de vida é, antes de tudo, relação - já que células se unem e se comunicam, formando sistemas que permitirão à comunicação propagar-se e chegar cada vez mais longe - nesse sentido, o médico afirmou:

"Ética representa a boa comunicação, a boa saúde da comunicação entre os sistemas, permitindo processos saudáveis e harmoniosos de relacionamento. Dessa forma, é possível o 'paliar', isto é, proteger o outro, respeitando sua intimidade e privacidade", disse. 

Em termos de virtudes, ressaltou a humildade como condição para "colocar-se a serviço do outro, fazendo-se igual, indo até o outro, na condição em que ele está, preservando a integridade da pessoa, não imbuindo-se de 'onipotência', mas respeitando a integridade e a natureza daquilo que o outro é. Nos cuidados paliativos deve ocorrer um verdadeiro encontro entre duas pessoas".

E concluiu, dizendo:

"A ética em cuidados paliativos reside em que o cuidador deve ir ao encontro do sigilo e do íntimo do paciente, e isso deve partir de uma experiência existencial que me leva a não querer fazer mal ao outro. A partir disso, buscar crescer juntos, tendo presente que não se deve cuidar da doença, mas da pessoa e da saúde dela. Remédios tornam-se obsoletos. Uma fórmula suplanta a outra. A relação humana é de outra ordem, cuidar é substantivo, é essencial, e isso somente Deus nos dá", finalizou.

Qualidade de vida e qualidade de morte

A segunda conferência, já na tarde sábado, teve como título "Cuidados Paliativos: o que significam? Aspectos médicos", e foi ministrada pela diretora do Hospital do Câncer IV, do Instituto Nacional de Câncer (INCA IV), Germana Hunes Grassi Gomes. Com larga experiência na área de Medicina, com ênfase em Cuidados Paliativos, a doutora Germana tratou o tema da morte, recordando que somos todos destinados à finitude:

"Estamos, inevitavelmente, fadados a morrer. Apesar disso, é possível oferecer condições para uma morte digna. Para isso, deve se ter em conta que os cuidados paliativos devem ter início a partir do diagnóstico (de irreversibilidade), no passado eram iniciados apenas já na iminência da morte. Porém, à medida que a funcionalidade do paciente vai diminuindo, os cuidados paliativos tornam-se mais prevalentes, mas necessários para o alívio do sofrimento; e esses cuidados não acabam logo após a morte do paciente; resta a família, cuida-se de uma unidade, isto é, paciente e família, razão pela qual os cuidados paliativos devem ter início com o diagnóstico, para que se estabeleça a relação com essa unidade familiar e, conhecendo-a bem, poder oferecer aos familiares todo suporte, durante o processo terminal do paciente, e, posteriormente, também durante o enlutamento", explicou a médica.

Conhecer para paliar

A especialista chamou a atenção para o fato de que "o outro é gerente do seu próprio corpo. Por isso, devemos ter respeito pela sua autonomia, enquanto pessoa, bem como seus desejos; oferecer condições para uma morte digna, com mínimo estresse e no local à escolha do paciente, tendo em vista também a prevenção de problemas durante o luto e mesmo situações traumáticas para família, após o falecimento", ressaltou Germana.

Ela recordou também que o serviço de cuidados paliativos contempla a dor total, isto é, os diversos sofrimentos que acometem o paciente, e são eles: a dor física; as dores sociais, que dizem respeito à preocupação com a família, a casa, os bens e/ou benefícios a serem deixados aos entes queridos; as dores emocionais, cujos sintomas são, em geral: ansiedade, tristeza, medo (do desconhecido, isto é, da morte), depressão; e as dores espirituais, que estão relacionadas ao sagrado - este podendo compreender ou não a  religiosidade - e as questões relacionadas à vida e à morte. Neste sentido, a médica defendeu que "tão certo como é fundamental a qualidade de vida, assim também, ao paciente sob cuidados paliativos, deve ser assegurada a qualidade de morte, isto é, livre de sofrimento, de forma que os cuidados oferecidos sejam compatíveis com seus valores e desejos; valores éticos, morais e religiosos", pontuou.

A médica encerrou sua conferência, emocionando-se, ao citar uma frase da pioneira em cuidados paliativos, a médica britânica, Cicely Saunders: "O sofrimento humano só é intolerável quando ninguém cuida".

O primeiro dia de Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos foi encerrado com a oração das Vésperas, na capela do Santíssimo Sacramento, presidida pelo bispo auxiliar Dom Paulo Celso Dias do Nascimento.

Foto de capa: Fátima Lima

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.