Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/05/2019

24 de Maio de 2019

Nova paróquia na Barra: Santa Rosa de Lima

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Maio de 2019

Nova paróquia na Barra: Santa Rosa de Lima

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

22/04/2019 11:56 - Atualizado em 22/04/2019 11:56
Por: Da redação

Nova paróquia na Barra: Santa Rosa de Lima 0

A Paróquia Santa Rosa de Lima, no Parque das Rosas, na Barra da Tijuca, foi desmembrada da Paróquia Nossa Senhora da Vitória. A celebração de criação foi presidida pelo arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, no dia 6 de abril. Padre Marcelo Batista de Araújo, pároco da matriz há cinco anos, assumirá a função de pároco da nova comunidade.

“Esse já era um anseio da comunidade. Sem dúvida nenhuma é um desafio, mas os trabalhos continuarão, tendo como objetivo a evangelização das famílias na Barra. A comunidade é muito acolhedora, com um forte clima de espiritualidade. Nós faremos um tríduo de preparação para a criação da paróquia e um momento de preparação espiritual da comunidade, e essa também será uma oportunidade para agradecer a Deus pela graça concedida”, afirmou o pároco, padre Marcelo.

O bispo auxiliar Dom Joel Portella Amado, pároco da Paróquia Nossa Senhora da Vitória de 1991 a 2014, participou da celebração.

“Quando cheguei, encontrei dois movimentos na região: um deles foi no chamado Parque das Rosas. Eles já desejavam uma igreja e já trabalhavam para esse propósito. Junto com a arquidiocese conseguimos o terreno. Enquanto isso, a comunidade se fortalecia. Conseguimos um terreno de 3.572 m², totalmente disforme, e começamos. Conseguimos construir o templo, a residência e algumas salas. Hoje, enquanto bispo, percebo que estamos em muitos lugares, e o que permite isso é a amizade, que transcende as funções. Graças a Deus a comunidade foi para frente, junto com o padre Marcelo, tornando-se paróquia”, afirmou Dom Joel.

Santa Rosa de Lima

A Paróquia Nossa Senhora da Vitória tinha como capelas a Santo Antônio, no Condomínio Península, e a Santa Rosa de Lima, no Parque das Rosas. Um dos projetos que foram criados ao longo desses cinco anos de administração do padre Marcelo foi o da “Paróquia Solidária”, uma ação social que atende à comunidade de Rio das Pedras. Os paroquianos voluntários continuarão esse trabalho na Santa Rosa de Lima.

“Agradeço a Deus por essa graça concedida à comunidade. É um sinal de que a Palavra de Deus está sendo iniciada. A criação de uma paróquia é a certeza de que o trabalho continuará sendo abençoado e crescerá. Também agradeço a comunidade paroquial, que está ansiosa para esse novo momento, que também é um tempo de renovação e um novo impulso para a evangelização”, pontuou o sacerdote.

Frutos que dão frutos

Dom Joel contou que a Barra da Tijuca teve um projeto de urbanização muito peculiar, mas esse acabou sendo abandonado. A estrutura de ser dividido em condomínios permanece, porém, com pouca presença de igrejas. O incentivo para a criação de igrejas no local partiu dos próprios católicos.

“Na década de 1950, os Frades Menores Missionários começaram a construir a Igreja de São Francisco de Paula, no Jardim Oceânico, conhecida como igreja redonda. Lançaram as sementes de uma capela em outro extremo: hoje, temos a Matriz da Imaculada Conceição, no Recreio. Quase 30 anos depois, na década de 1980, chegaram os Frades Agostinianos, com o colégio e uma iniciativa para a criação de uma igreja num local chamado Barra Sul. Hoje, temos lá a sede da Igreja São Marcos”, contou o bispo.

Segundo ele, a criação da nova capela precisa ser não uma forma de dividir, mas de especificar o trabalho que é realizado.

“O bairro continua crescendo. A Barra é um bairro em contínuo crescimento e transformação, devido ao número de pessoas que chegam, porém, não tem somente os residentes. Há também aqueles que passam, os que trabalham. Todos são responsabilidade dessa paróquia. A Santa Rosa tem todo o entorno residencial ao redor da matriz. Esse é um desafio evangelizador e missionário. Ela tem a obrigação de gerar outras, de construir novas capelas, abrir novas frentes de grupo de oração nas residências, mas num clima profundamente missionário, principalmente uma paróquia que nasce a partir de um esforço missionário de moradores”, apontou Dom Joel.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.