Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/04/2019

18 de Abril de 2019

Vigário para a Caridade Social vai receber Medalhas de Mérito

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Abril de 2019

Vigário para a Caridade Social vai receber Medalhas de Mérito

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

05/04/2019 10:59 - Atualizado em 05/04/2019 10:59
Por: Da redação

Vigário para a Caridade Social vai receber Medalhas de Mérito 0

O vigário episcopal para a Caridade Social e fundador do vicariato, monsenhor Manuel de Oliveira Manangão, receberá na Câmara Municipal do Rio de Janeiro o Conjunto de Medalhas de Mérito Pedro Ernesto, no dia 11 de abril, às 18h30. A homenagem será concedida pelo presidente da Câmara, vereador Jorge Felippe, a pedido de um grupo de outros vereadores.

Segundo o monsenhor Manangão, a premiação representa um reconhecimento do trabalho que a Igreja Católica faz na área social através do vicariato. “Fisicamente e simbolicamente estarei lá, mas quem recebe esse reconhecimento é a Igreja. E ela o recebe como um estabelecimento de compromisso. Não vejo como mérito e, sim, como um compromisso para o serviço”, estabeleceu.

Um grupo de vereadores vinha tentando fazer a premiação há um ano, mas ele resistiu. Para ele, o “culto à personalidade” não é significativo, ainda menos quando se trata do sacerdócio. “Não acho que a Igreja precisa disso. Esse é o trabalho que fazemos como sacerdotes”, afirmou.

Conjunto de Medalhas Pedro Ernesto

A Medalha de Mérito Pedro Ernesto foi criada em 1980. É a principal homenagem que o Rio presta a quem mais se destaca na sociedade brasileira ou internacional. O nome é devido ao trabalho do prefeito Pedro Ernesto, que atuou como interventor federal e que, como prefeito, teve o governo marcado por uma atenção especial nas áreas de saúde e educação.

O conjunto consta de duas medalhas com o rosto de Pedro Ernesto: uma presa a um colar e outra colocada na lapela do lado direito do homenageado. Ambas são presas em fitas nas cores azul, vermelha e branca – as cores da bandeira da cidade.

Vicariato

Monsenhor Manangão foi convidado pelo então arcebispo do Rio, Dom Eusébio Oscar Scheid, para fundar o Vicariato para a Caridade Social em 2001 e, em 2002, deu início aos trabalhos. Desde então é ele quem está à frente.

Quando começou, o vicariato tinha como proposta aglutinar e reorganizar as pastorais sociais. Atualmente, está de portas abertas para as muitas ações sociais que vêm sendo feitas na arquidiocese. Muitas iniciativas partem do vicariato, outras das próprias paróquias e, a partir disso, o vicariato concede o apoio necessário.

Ele citou como exemplo a questão do amparo à mulher em situação de vulnerabilidade social, que é realizado pelo vicariato há mais de dez anos. Na Praça da Bandeira, na região conhecida como “Vila Mimosa”, existem frentes de apoio a essas mulheres que são articuladas pelo vicariato.

Segundo o monsenhor, é importante fazer a divulgação desses trabalhos porque eles ajudam essas mulheres a buscarem alternativas de vida. “Quando surge um projeto na área social, organizamos, vemos o que pode ser feito e começamos a articulação”, explicou.

Uma rede chamada Rede Dom Helder Câmara de Economia Solidária foi criada e está vinculada ao vicariato, e tem construído planos de ação para apoiar as iniciativas de geração de emprego e renda, através da organização de redes de produção, comercialização e prestação de serviço.

Atualmente, além da Rede Dom Helder e de pastorais como a Carcerária, do Trabalhador, do Menor, da Migração, do Meio Ambiente, da Aids, entre outras, também estão vinculados ao vicariato: o Banco da Providência, o Ambulatório da Providência, a Campanha da Fraternidade, a Cáritas Arquidiocesana e os Centros de Mediação Comunitária.

Mediadores e CF

A Pastoral das Favelas é uma das mediadoras. Tem como um de seus objetivos garantir o cumprimento da lei em questões que afetam moradores de favelas. Atualmente, segundo o monsenhor, existe um trabalho feito em processos de titulação: algumas organizações que têm recursos, a pedido do vicariato, executam o processo de entregar títulos de propriedade aos moradores dessas regiões.

“Temos também incentivado a participação popular nos diversos conselhos de Direito: Conselho Tutelar, Conselho da Saúde, entre outros. Assim, cada pastoral ligada a esses conselhos também movimenta seus agentes para estarem ativos ali. E essas pessoas são os civis organizados que fazem com que sejam cumpridas as políticas públicas, que são, inclusive, o tema da nossa Campanha da Fraternidade este ano”, afirmou.

Ele pontuou, ainda, que independentemente de partidos ou vieses ideológicos, as políticas públicas que visam o bem comum devem ser cumpridas. “Portanto, a Igreja vem se envolvendo na formação de pessoas para atuarem nos conselhos”, contou.

A Cáritas Rio, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), realiza periodicamente cursos que culminam com um módulo dedicado à formação de conselheiros, pessoas capazes de lidar e estar representativamente nos conselhos comunitários. Um dos mais conhecidos é o Conselho Tutelar.

Educação

Outro projeto do vicariato é o trabalho social na área da educação. Existem pré-vestibulares sociais e núcleos formados para atender crianças que estão se formando no ensino fundamental e migrando para o ensino médio. Elas recebem assistência em seu processo formativo nas próprias paróquias. “Muitas crianças das escolas públicas ao entrarem para o ensino médio estão com o ensino defasado. Por isso é necessário esse reforço formativo”, pontuou.

Pastoral dos Nômades

Será criada em breve no Rio a Pastoral dos Nômades, que terá como objetivo apoiar pessoas que vivem em circos e outras atividades em que se mudam com muita frequência. “Agora surgiu a possibilidade de termos esse trabalho, que já existe em nível nacional. Estamos começando o processo de criação. O pessoal que veio conversar comigo para começar a agir já saiu daqui com indicações e algumas ideias”, contou ele, lembrando que a Pastoral do Meio Ambiente, também ligada ao vicariato, começou assim.

O vigário contou que muitos projetos e ideias chegam até ele de maneira difusa. São projetos que vêm das paróquias e que eles conseguem organizar a partir da experiência do Vicariato para a Caridade Social. No entanto, ele contou que conforme os anos foram passando, os métodos foram sendo atualizados para se adaptarem às necessidades atuais.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.