Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/06/2019

18 de Junho de 2019

Colégio Zaccaria: 110 anos de história e ensino

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Junho de 2019

Colégio Zaccaria: 110 anos de história e ensino

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

22/03/2019 11:26 - Atualizado em 22/03/2019 11:26
Por: Priscila Xavier

Colégio Zaccaria: 110 anos de história e ensino 0

Mesmo em meio aos inúmeros desafios que cercam as escolas confessionais católicas, ainda há motivo para comemorar. Isso porque o Colégio Santo Antônio Maria Zaccaria, no Catete, completou 110 anos de fundação, no dia 15 de março.

Para celebrar a data, o Cardeal Orani João Tempesta presidiu missa em ação de graças na Igreja Mãe da Divina Providência – que pertence ao colégio. A missa também contou com a presença do reitor da instituição, padre Paulo de Tarso Rodrigues, do diretor geral do Serviço de Orientação Religiosa (SOR), padre André de Souza, além de demais sacerdotes, funcionários, discentes e famílias.

Breve histórico

O Colégio Zaccaria foi fundado em 15 de março de 1909 pela Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo – mais conhecidos como padres barnabitas –, os quais vieram da Europa para se estabilizarem no Rio de Janeiro, trazendo consigo os ensinamentos e valores da Ordem.

Vale ressaltar que o fundador da congregação, Santo Antônio Maria Zaccaria, era um médico que não se restringia somente ao cuidado do corpo de cada paciente, mas também buscava levar a cura para a alma. Mesmo com a morte precoce do santo, vítima de uma epidemia aos 37 anos, a Ordem se difundiu.

Mesmo a educação não sendo uma das características do fundador, logo nos primeiros anos da congregação, ela passou a estar cada vez mais presente na vida dos padres barnabitas. “Naquele tempo, era comum as nobres famílias europeias confiarem a formação de seus filhos aos sacerdotes, uma vez que eles tinham uma larga experiência com o ensino, porque eram professores universitários”, recordou padre André de Souza.

A partir disso, os sacerdotes começaram a fundar os colégios tanto na Europa quanto na América e, mais recentemente, na Ásia e na África. “Assim, chegaram ao Rio com essa bagagem cultural e criaram o colégio, inicialmente na Rua Senador Vergueiro, no Flamengo, cujo primeiro dia de aula contou com a presença de oito alunos”, acrescentou.

Pouco tempo depois, o Colégio Zaccaria ganhou uma nova sede, na Rua do Catete, onde permanece até os dias de hoje. “No espaço adquirido também havia uma casa e, ao lado dela, era a residência do Barão de Mauá, que também foi comprada pelos sacerdotes e anexada ao novo complexo. Mais adiante, eles construíram o atual edifício de nove andares”, comentou o padre.

Ao mesmo tempo em que o novo espaço escolar ia ganhando forma, surgia também a Igreja Mãe da Divina Providência, que é o centro religioso do complexo, marcando a presença da ordem barnabita, mas também da Igreja Católica. “Ela foi construída no mesmo tempo que o colégio, porém não há registros da data de fundação da mesma”, completou.

A obra social

Além do Colégio Zaccaria, os padres barnabitas também fundaram o Centro Social São Carlos Borromeu, em Miguel Pereira, que faz parte da Província Centro-Sul. A obra é mantida pela ordem, mas também conta com o apoio do colégio. “A obra oferece apoio psicológico e pedagógico para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. É como um semi-internato, que funciona no contraturno escolar de cada criança. Para participar do projeto, é necessário que todos estejam matriculados e frequentando a escola. Nosso colégio realiza diversas campanhas, como arrecadação de livros e alimentos não perecíveis, os quais são destinados às crianças e jovens que participam do centro”, informou.

Os desafios de ser presença da Igreja

Sendo uma escola confessional, o Colégio Zaccaria, tal como o fundador, não se preocupa apenas com a formação humana de seus alunos, mas também com a formação espiritual. Por isso, no local, desde o maternal até o ensino médio, os alunos participam de atividades, como catequese, grupos jovens, ensino religioso, além da possibilidade de receber os Sacramentos da Iniciação Cristã. “É um colégio confessional, e os padres barnabitas sempre atuaram em vários setores da instituição. Preocupamo-nos em realizar reflexões, tanto com discentes quanto com os funcionários, sobre os principais tempos da Igreja, como Natal e Semana Santa, tudo isso desde o infantil até o ensino médio”, explicou padre André.

Ele também acrescentou que um dos principais desafios da instituição é a congregação de toda a comunidade estudantil e familiar. “Quando se fala de um colégio confessional o primeiro desafio é conseguir congregar toda a comunidade, fazendo com que ela se sinta parte dessa proposta de evangelização, uma vez que o colégio acolhe múltiplas religiões, inclusive as não religiões, e todas as realidades são bem-vindas em nossa instituição. Porém, estando aqui, fazer com que todos participem é um desafio. Os caminhos de maior facilidade que temos encontrado, atingindo a todos os setores do colégio, é o trabalho com os valores cristãos, que vão além da Igreja”, explicou.

Porém, para o sacerdote, mesmo com os desafios, é grande a alegria por poder fazer parte da história da instituição. “É uma alegria muito grande participar desses 110 anos porque fui ordenado recentemente; tenho pouco mais de 100 dias de sacerdócio e, auxiliar numa grande obra como essa é um motivo de gratidão a Deus e à minha congregação. Os padres que vieram fundar o colégio trouxeram uma grande bagagem intelectual naquele tempo. Nós herdamos essa bagagem e precisamos lidar com ela. Durante 110 anos, meus irmãos contribuíram para a formação desse colégio. Agora, celebro mais um ano, mas também ajudando, tal como um tijolo, fazendo parte dessa construção”, finalizou.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.