Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/02/2019

16 de Fevereiro de 2019

Dom Orani se reúne com lideranças religiosas da Terra Santa

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Fevereiro de 2019

Dom Orani se reúne com lideranças religiosas da Terra Santa

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/02/2019 11:45 - Atualizado em 08/02/2019 11:48
Por: Priscila Xavier

Dom Orani se reúne com lideranças religiosas da Terra Santa 0

O Cardeal Orani João Tempesta participou, no dia 29 de janeiro, de um encontro com lideranças religiosas da Terra Santa, no Palácio São Joaquim, na Glória.

A reunião aconteceu uma semana depois do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, celebrado em 21 de janeiro.

O encontro contou com as seguintes presenças: embaixador do Estado da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben; embaixadora e diretora geral do Comitê Presidencial dos Assuntos da Igreja, Amira Hanania; relações internacionais, Imad Imty; diplomata Mohammad Imar; reitor e guardião da Basílica da Anunciação, na Terra Santa, frei Bruno Varriano; secretário-geral de Custódia da Terra Santa, frei Ibraim Faltas; pároco da Paróquia Nossa Senhora da Misericórdia, em Botafogo, monsenhor André Sampaio de Oliveira; pastor da Universidade de Arte e Cultura da Igreja de Belém, Mitri Raheb; e o pastor e presidente da Igreja Evangélica Bíblica de Belém, Jack Sara.

O assessor da Comissão Arquidiocesana para o Ecumenismo e o diálogo Inter-religioso do Rio de Janeiro, diácono Nelson Águia, que também esteve presente na reunião, afirmou que a comitiva “veio trazer as questões sobre a situação cristã na Terra Santa, de maneira especial na Palestina, além de uma mensagem de que eles também desejam a paz e a boa convivência entre todos os credos, principalmente com os cristãos naquela terra, onde nasceu e viveu Jesus Cristo”, disse.

Ainda de acordo com ele, o encontro também foi uma oportunidade para perceber a presença de cristãos evangélicos na Terra Santa, os quais também desejam conviver fraternamente.  “Foi um momento de convívio fraterno e de experiência nova, de sabermos, também, que na Terra Santa não há apenas a presença católica ou ortodoxa, mas também de igrejas evangélicas, que desejam viver em harmonia na terra onde o Senhor viveu e pregou, sendo Ele o próprio Evangelho”, completou.

Visita do Papa aos Emirados Árabes

Ainda dentro do período do encontro entre o Cardeal Orani e as lideranças religiosas da Terra Santa, o Papa Francisco realizou uma visita histórica aos Emirados Árabes Unidos, berço da religião islâmica.

De acordo com o diácono Nelson Águia, a visita também recorda a comemoração de 800 anos do encontro de São Francisco de Assis com um muçulmano, no Egito. “Essa visita do Papa está completa de grandes significados. O primeiro são os 800 anos de comemoração da visita de São Francisco de Assis a um sultão muçulmano no Egito. Naquela época, foi um encontro de cunho até mesmo espiritual, sendo um grande santo da Igreja católica, aberto a essa questão do diálogo e da unidade da Humanidade, bem como a recepção afável desse sultão”, contou.

Ele também comentou que essa é uma mostra de abertura ao diálogo entre ambas as religiões. “É a primeira vez que um Pontífice da Igreja Católica visita a Península Arábica, onde, inclusive, surgiu o Islamismo. Torna-se ainda mais importante o fato de Francisco ter presidido uma missa pública, com a presença de milhares de fiéis e também muçulmanos, tendo sido decretado feriado nacional. É um sinal de tolerância, abertura ao diálogo, fincando raízes para o futuro. A aproximação com a religião islâmica é uma marca do pontificado de Francisco”, afirmou.

Para o diácono, o diálogo entre ambos os credos pode ocasionar, futuramente, ações de paz. “Essa aproximação fraterna é significativa para a abertura de um aprofundamento do diálogo, para a promoção de ações humanitárias conjuntas, tendo uma visão profética contra a injustiça, falta da dignidade humana e da vida humana. Tudo isso pode surgir num futuro próximo com uma maior aproximação do Islamismo da Igreja Católica na busca pela paz”, finalizou.


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.