Arquidiocese do Rio de Janeiro

34º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 26/04/2019

26 de Abril de 2019

Curso para os Bispos: Igreja e escola

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

26 de Abril de 2019

Curso para os Bispos: Igreja e escola

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/02/2019 11:29 - Atualizado em 08/02/2019 11:29
Por: Priscila Xavier

Curso para os Bispos: Igreja e escola 0

O Curso para os Bispos do Brasil, realizado no Centro de Estudos no Sumaré, contou ainda com a presença do professor Felipe Nery, que abordou os temas: “Problemas do modelo de educação existente no Brasil: qual perfil de pessoas estamos formando?” e “Possibilidade para as escolas paroquiais atualmente”.

Segundo o professor, não há uma resolução das problemáticas que envolvem a educação, porque não há uma busca na raiz da situação. “A mudança de um país não se dá pela área econômica, mas sim a partir de uma educação integral, completa e não um recorte. Busquei apresentar a realidade e os problemas educacionais, com suas causas e origens, porque ouvimos muitas questões, mas as soluções são aparentes, não são propostas de mudanças para a resolução dos problemas. Essa é a consequência de não se buscar as causas. É preciso um diagnóstico fechado”, declarou.

O professor Felipe Nery também acrescentou que cada educador precisa levar aos alunos um fio condutor, que é a verdade. “Além disso, também buscamos levantar algumas possibilidades reais para sair dessa antipedagógica que é vigente. Para evitar problemas, é preciso modificar a visão do processo educacional numa cosmovisão do ser humano, que não é recortável, é completa. A educação católica mostra, ao longo dos séculos, uma qualidade, uma vez que nós temos uma identidade. O objetivo é que as crianças recebam o bem maior, que é a educação em Cristo. O professor precisa de um fio condutor: a Verdade”, disse.

Presença do MEC

No encontro, também esteve presente o secretário executivo adjunto do Ministério da Educação, Eduardo Miranda Freire de Melo, que destacou a importância das Igrejas cristãs no processo educacional. “Pretendemos ajudar e apoiar todas as pessoas e organizações que tenham a educação como múnus principal. Então, a Igreja Católica e as demais Igrejas cristãs cumprem um papel muito importante na disseminação e no formato da educação. A tradição da educação no Brasil passa pela educação cristã, a partir de seus fundamentos, uma vez que o próprio Jesus disse: ‘Ide e ensinai a todos os povos’”, completou.

Sobre o ensino religioso confessional (no qual se trata de uma disciplina para uma crença específica), o secretário evidenciou a necessidade de ouvir a população. “Como sempre dizemos, o estado é laico, mas o país não é laicista, o que temos garantido pela Constituição é a liberdade de credo e de religião. São muitas as instituições que prestam esse serviço à nação e a grande maioria da população é cristã, por isso, ela precisa ser ouvida. Não podemos tapar os ouvidos para as cristãs, ignorando-as por uma questão política e ideológica. Há muito o que aprender, além das trocas de pensamentos, metodologias e o principal: o acesso de todos à educação”, finalizou.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.