Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2019

14 de Dezembro de 2019

Francisco visita jovens privados de liberdade no Panamá

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2019

Francisco visita jovens privados de liberdade no Panamá

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/01/2019 15:40 - Atualizado em 25/01/2019 15:41
Por: Priscila Xavier

Francisco visita jovens privados de liberdade no Panamá 0

Em cada viagem apostólica, o Papa Francisco sempre leva o olhar misericordioso de Jesus àqueles que estão enfermos, às crianças e idosos que vivem em asilos, além de ir aos cárceres. No Panamá não seria diferente. Por isso, o Pontífice esteve com 180 jovens privados de liberdade no Centro de Cumprimento de Menores, em Las Garzas, na manhã desta sexta-feira, 25 de janeiro.

O Pontífice foi acolhido pelo arcebispo do Panamá, Dom José Domingos Ulloa, e pela diretora nacional do Instituto de Estudos Interdisciplinares, Emma Alba Tejeda.

Logo no início da visita, os jovens apresentaram ao Santo Padre o canto “A oração do pobre”. Em seguida, Luis Oscar Martínez, um jovem privado de liberdade, deu seu testemunho. “Minha vida tem sido difícil: quando eu tinha um ano de idade, meu pai abandonou minha mãe. Ela seguiu na batalha da vida, não só comigo, mas com minha irmã e meu irmão. Quando eu estava crescendo, senti que algo estava faltando, que havia um vazio dentro de mim. Hoje eu sei que esse algo que faltava era a voz de um pai que me guiava com amor. Em 2015, Deus tocou meu coração e tomei a decisão de aceitar a Cristo como meu Senhor e Salvador. Naquele dia eu tive pai novamente. Mas algum tempo depois eu tropecei e cometi um delito. Eu não imaginei que isso teria sérias consequências, como perder parte da minha família, meus estudos e estar em um lugar como esse”, disse o jovem.

Luis Oscar Martínez encerrou, dizendo: “Eu também gostaria de agradecer. Eu o agradeço porque, como servo do nosso Senhor Jesus, quis aproveitar para ouvir um jovem privado de liberdade como eu. Não há palavras para descrever a liberdade que sinto neste momento”, finalizou.

O Papa presidiu a Liturgia Penitencial juntamente com os jovens reclusos. Francisco iniciou a homilia destacando o Evangelho de São Lucas (Lc 15,2), no qual os fariseus e escribas tentavam desqualificar Cristo por sentar à mesa junto com aqueles que eram considerados pecadores. “Jesus não tem medo de se aproximar daqueles que, por inúmeras razões, carregavam o peso do ódio social, como no caso dos publicanos – lembremo-nos de que os publicanos se enriqueciam roubando o seu próprio povo, provocando muita indignação – ou o peso das suas culpas, erros e enganos, como no caso daqueles que eram conhecidos por pecadores. Ele faz porque sabe que, no céu, há mais alegria por um só pecador convertido do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão”, afirmou.

Ainda segundo ele, “comendo com publicanos e pecadores, Jesus quebra a lógica que separa, exclui, isola e divide falsamente entre bons e maus. E falo, não por decreto ou com boas intenções, nem com voluntarismos ou sentimentalismo, mas criando vínculos capazes de permitir novos processos; apostando e fazendo festa em cada passo possível”.

O Pontífice também disse aos jovens para que não deem ouvidos à murmuração, mas que busquem caminhos de superação. “Amigos, cada um de nós é muito mais do que os rótulos que nos dão. Assim Jesus nos ensina e nos convida a acreditar. O seu olhar desafia-nos a pedir e procurar ajuda para percorrer os caminhos da superação. Por vezes a murmuração parece vencer, mas não acrediteis, não lhe presteis ouvidos. Procurai e ouvi as vozes que impelem a olhar para diante e não aquelas que vos desencorajam”, aconselhou.

Francisco encerrou a homilia dizendo que “uma sociedade adoece quando não é capaz de fazer festa pela transformação dos seus filhos, uma comunidade adoece quando vive a murmuração que esmaga e condena, sem sensibilidade. Uma sociedade é fecunda quando consegue gerar dinâmicas capazes de incluir e integrar, assumir e lutar para criar oportunidades e alternativas que deem novas possibilidades aos seus filhos, quando se preocupa por criar futuro com comunidade, instrução e trabalho. E embora possa experimentar a impotência de não saber como, nem por isso se arrende, mas tenta de novo. Todos juntos, lutai sem cessar por encontrar caminhos de inserção e transformação. Isto, o Senhor o abençoa, sustenta e acompanha.

Após a Liturgia Penitencial, alguns jovens privados de liberdade tiveram a oportunidade de receber o Sacramento da Reconciliação, por meio da confissão com o Santo Padre e alguns bispos. Em seguida, Francisco também cumprimentou outros 30 detentos que participaram da fabricação dos 250 confessionários que estão sendo utilizados na JMJ Panamá.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.