Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 26/08/2019

26 de Agosto de 2019

JMJ 2019: Diversidade de culturas e idiomas, mas uma mesma fé

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

26 de Agosto de 2019

JMJ 2019: Diversidade de culturas e idiomas, mas uma mesma fé

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

16/01/2019 00:00 - Atualizado em 17/01/2019 09:46
Por: Priscila Xavier

JMJ 2019: Diversidade de culturas e idiomas, mas uma mesma fé 0

Para dar as boas-vindas aos peregrinos brasileiros, poloneses, costarriquenhos e hondurenhos, foi celebrada uma missa na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, na Diocese de Chitré – onde o grupo oficial do Rio vive a Semana Missionária, no dia 16 de janeiro.

A celebração foi presidida pelo bispo auxiliar do Rio Dom Joel Portella Amado e concelebrada pelo referencial da juventude, Dom Paulo Romão, pelo vigário paroquial local, frei José Alexander Quiros, além dos sacerdotes brasileiro Bruno Guimarães e Fernando Dias e dos padres dos demais países.

A exemplo do que aconteceu em Pentecostes, a missa foi celebrada em três idiomas: espanhol, português e polonês.

No fim da tarde, aconteceu o concerto do grupo focolares Gen Verde, no Colégio José Daniel Crespo. O grupo italiano é composto por 20 mulheres, de 14 nacionalidades diferentes que, por meio da música, buscam evangelizar a juventude, tratando, em suas canções, de fortes temas, como bullying, medo, violência.

De acordo com o bispo da Diocese de Chitré, Dom Rafael Valdivieso, a expectativa é de que, após a Jornada Mundial da Juventude, a igreja panamenha possa colher ainda mais frutos. “Sou muito agradecido a Deus por me dar esse presente, que é uma bênção. Essa experiência tocará o coração de toda essa gente, assim como tocou o coração dos peregrinos panamenhos que estiveram no Rio e em Cracóvia. Vamos colher muitos frutos na JMJ, basta nós cultivarmos essa semente que está sendo semeada, reconhecendo que dentro da diversidade de culturas e línguas que somos uma só família. Sei que Deus já vai semeando isso”, finalizou.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.