Arquidiocese do Rio de Janeiro

36º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2018

14 de Dezembro de 2018

Escoteiros católicos realizam seminário nacional no Rio

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2018

Escoteiros católicos realizam seminário nacional no Rio

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/12/2018 11:10 - Atualizado em 07/12/2018 11:10
Por: Flávia Muniz / Symone Matias

Escoteiros católicos realizam seminário nacional no Rio 0

Com a presença do capelão mundial do escotismo católico, padre Jacques Gagey, realizou-se, entre os dias 15 e 17 de novembro, a primeira edição do Seminário Nacional do Escotismo Católico, no Centro Cultural do Movimento Escoteiro (CCMB), no Rio de Janeiro, em parceria com a União Brasileira dos Escoteiros e a Arquidiocese do Rio. O encontro teve, ainda, a participação do coordenador nacional do escotismo católico, André Torricelli, do capelão assistente nacional, padre Hugo Marcel Marcelino Galvão, da Arquidiocese de Natal-RN, e do assistente eclesiástico para o escotismo na Arquidiocese do Rio, padre Jair Freitas Guimarães.

Vindos de diversas regiões do país e do exterior, cerca de 30 escoteiros católicos estiveram presentes às atividades promovidas nos três dias de encontro, durante as quais foi debatida a prática do escotismo na vertente confessional católica, através de palestras de conteúdo religioso, análise de documentos e livros, tudo permeado por momentos de oração e partilha de experiências. Os participantes – entre eles dois do Paraguai, um da Nicarágua e um da França – puderam, no final, conhecer pontos turísticos da cidade e tiveram momentos de confraternização. Houve duas missas, sendo a de abertura, no Santuário Cristo Redentor, no Corcovado, e a de encerramento, na Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, da Ilha de Boa Viagem, em Niterói.

Ampliar horizontes

André Torricelli, que é também representante da Conferência Internacional Católica de Escotismo (CICE) para o Cone Sul, afirmou que o encontro teve como objetivo acender uma chama - pela troca de experiências - que ampliasse “os horizontes dos chefes escoteiros e dos demais, para que pratiquem a fé católica dentro do movimento escoteiro.” Foram abordados diversos temas de interesse para quem trabalha com a juventude, na faixa etária que compreende a idade de escoteiros, apresentando-se atividades em que o escotismo pode colaborar com a Igreja, o seu sistema de especialidades e conquistas, os acampamentos, enfim: “Trocamos ideias e experiências, para aprendermos uns com os outros, inclusive, com a presença de escoteiros de outros países e de outros estados. As orações, as celebrações e os momentos de partilha tornaram todos mais próximos e mais alegres em professarem a sua fé com os irmãos escoteiros”, disse Torricelli.

Engajamento católico

Para o capelão mundial do escotismo católico, padre Jacques Gagey, o encontro é um novo esforço para o desenvolvimento do escotismo brasileiro com um forte engajamento católico. “O escotismo, em geral, está crescendo no mundo: são cerca de 50 milhões de jovens; é incrível. É o maior movimento jovem do mundo e ele esta crescendo também no Brasil, mas ainda é frágil, pois sua estrutura religiosa é fraca. Ele não é sem religião, mas sua estrutura religiosa ainda não está fortalecida”, pontuou padre Jacques.

Para ele, é preciso “desenvolver a dimensão religiosa do escotismo brasileiro e do escotismo no mundo inteiro. O escotismo é inter-religioso. Ele tem em si o pluralismo religioso, ele nasceu assim. Mas o escotismo depende muito do catolicismo, porque os católicos dão uma profundidade, desde o começo, que é vital para o escotismo”, disse.

Capelania nacional

Embora as igrejas existam desde antes do escotismo, e este ser fruto da inspiração religiosa, no entanto, os escoteiros, segundo padre Gagey,  esquecem de olhar para a Igreja, e esta esquece de olhar para os escoteiros. Para ele, a solução para que Igreja e escoteiros estejam juntos é mais do que o diálogo. “A solução para que a Igreja e os escoteiros andem juntos é o capelão nacional. Ele é a Igreja entre os escoteiros, que até são religiosos, mas esquecem da Igreja, e a Igreja também se esquece dos escoteiros. Às vezes, o bispo é escoteiro, porém nem sempre ele é; e ele não tem tempo de cuidar dos escoteiros. Por isso, deve haver o capelão nacional. Ele é a base e o ponto de partida para a inspiração religiosa entre os escoteiros”, avaliou o capelão mundial.

Padre Gagey também considera que o capelão nacional deve ser “estável e sólido; tem que ser um homem doce e forte, porque os escoteiros são fortes e precisam que o capelão seja doce. Eu espero e estou certo de que nosso padre Hugo vai organizar e cumprir muito bem esta missão junto ao movimento, por todo o país e durante muitos anos”, ressaltou.

Para ele, o seminário que aconteceu no Rio de Janeiro é, de fato, “muito humilde, não é um seminário de resultado, ele é um lançamento. Então, para mim, esse é o começo da colaboração, do trabalho compartilhado a serviço dos jovens, entre a hierarquia da Igreja e a dos escoteiros. A Igreja, no movimento escoteiro, não tem uma posição hierárquica, exerce, porém, a autoridade espiritual”, explicou.

Escotismo no Sínodo

Padre Gagey contou, ainda, que, por ser o capelão mundial do escotismo católico, foi procurado pelo Cardeal Lorenzo Baldisseri, durante o Sínodo dos Bispos sobre a juventude, para apresentar um jovem adulto escoteiro para ser auditor. O capelão indicou uma jovem escoteira de 28 anos, oriunda da Guiné-Conacri. “Henriette Camara é uma menina interessante, porque seus pais são muçulmanos, e ela se converteu ao catolicismo. Disse que o escotismo favoreceu a sua conversão, porque era um ‘lugar’ de confiança, de algo mais do que mera tolerância, é um ‘território’ de amizade entre as religiões, e que, no escotismo, é possível tornar-se, facilmente, católico quando se é muçulmano. E esse foi o seu testemunho, ela testemunhou isso para o Papa. E ele ficou muito feliz; todos os cardeais aplaudiram”, concluiu padre Jacques.

Encerrando as atividades de 2018, os escoteiros católicos realizarão o evento “Luz da Paz de Belém” no Santuário Cristo Redentor, dia 15 de dezembro, a partir das 18h30. Haverá Oração do Terço Mariano e missa às 20h. Mais detalhes no site: www.escoteiros.org.br/agendas.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.