Arquidiocese do Rio de Janeiro

39º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/12/2018

18 de Dezembro de 2018

Paróquia em Guadalupe festejará padroeira da América Latina

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Dezembro de 2018

Paróquia em Guadalupe festejará padroeira da América Latina

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

30/11/2018 10:20 - Atualizado em 30/11/2018 10:21
Por: Priscila Xavier

Paróquia em Guadalupe festejará padroeira da América Latina 0

Por vezes, a história dos bairros mescla-se com o surgimento de paróquias, as quais têm início a partir do desejo do povo de viver uma vida de fé. Um desses casos é o da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, em Guadalupe, onde, no dia 12 de dezembro, será comemorada a festa da padroeira da região e da América Latina.

Breve histórico

De acordo com o pároco, frei Francisco Williams Xavier, a devoção na região começou a partir de uma família. “O bairro ainda não existia quando os padres agostinianos, de Marechal Hermes, vinham presidir a missa numa capela da região, a pedido de uma família que era devota de Nossa Senhora de Guadalupe. Dessa forma, os sacerdotes registravam nos livros de missas que haviam presidido na Capela Nossa Senhora de Guadalupe”, contou.

Era o ano de 1947, quando as celebrações tiveram início. Em pouco tempo, a comunidade cresceu consideravelmente e, dois anos depois, em nove de maio de 1949, o então arcebispo do Rio, Dom Jaime de Barros Câmara, elevou a capela ao título de paróquia, tendo como primeiro pároco o padre Argimiro de Figueiredo. Nesse período, a matriz estava localizada numa casa de madeira onde, atualmente, está instalado o Colégio Pio XII.

Criado como um dos projetos da antiga Fundação da Casa Popular, no governo do presidente Getúlio Vargas, entre 1953 e 1954, o bairro, inicialmente, recebeu o nome de ‘Fundação’. “Porém, devido à devoção do povo, entrou-se com um projeto na Câmara para que o nome do bairro fosse modificado. O nome foi uma sugestão da esposa do presidente Vargas, Darcy Vargas, que era devota de Nossa Senhora de Guadalupe. Ao retornar de uma viagem ao México, ela nos presenteou com uma imagem de madeira, a qual está guardada, até os dias de hoje, na paróquia”, completou o frei.

Desde fevereiro deste ano como pároco, o religioso acrescentou que, embora haja muita fé, o povo ainda sofre com a insegurança. “É um bairro carente e ameaçado pelas dificuldades em nível de segurança, o qual ainda sofre com a questão da violência e o medo de sair de casa. Por isso, durante as novenas, levaremos um vaso de vidro, com terra dentro, pedindo a Nossa Senhora a proteção de nosso bairro”, disse.

Vindo da Diocese de Oliveira, em Minas Gerais, o sacerdote contou que o primeiro desafio ao chegar ao Rio de Janeiro foi adaptar-se às realidades metropolitanas. “Venho de uma cidade pequena, por isso a realidade de fé é diferente. Ao chegar aqui, encantei-me com a acolhida do povo. Deparei-me com pessoas muito boas, que desejam fazer um caminho de fé. Porém, enquanto sacerdote, meu primeiro desafio foi a adaptação quanto às realidades de uma metrópole”, afirmou.

Mesmo em meio às dificuldades e a correria, típicas de uma metrópole, frei Francisco destacou a unidade como aliada na caminhada cristã. “Temos buscado criar a consciência de uma só paróquia, dando testemunho da unidade, trabalhando juntos. Algo significativo é o desenvolvimento do primeiro Plano de Pastoral Paroquial de nossa comunidade, o qual orientará não somente a matriz, mas todas as capelas, tendo como tema: “Caminho de comunhão, conversão e renovação missionária”, e como lema: ‘Para que todos sejam um’ (Jo 17,21)”, frisou.

Programação

1/12 - A festa da padroeira terá início com a abertura civil, às 18h, que contará com a presença da consulesa geral do México, Linda Temoltzin, e do cônsul encarregado, Juan José Salgado Saavedra.

2/12 - Às 8h, haverá missa seguida de carreata. Depois, às 18h, será a missa de abertura da novena, na qual estará presente o cantor Márcio Pacheco;

3 a 8/12 - Novena em honra a Nossa Senhora de Guadalupe, com a Oração do Terço sempre às 18h, seguida de missa, às 19h30;

9/12 - Encerramento da novena, às 17h, seguido de missa, às 18h. Neste dia acontecerá, também, a Feijoada da Padroeira, tendo início às 12h;

12/12 - A Consagração a Nossa Senhora de Guadalupe será às 18h. Depois, haverá procissão solene, às 18h30, encerrando a data com missa.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.