Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 15/12/2018

15 de Dezembro de 2018

Sementes do Verbo capacitará mais missionários para a África

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

15 de Dezembro de 2018

Sementes do Verbo capacitará mais missionários para a África

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

05/10/2018 18:40 - Atualizado em 05/10/2018 18:40
Por: Da Redação

Sementes do Verbo capacitará mais missionários para a África 0

Há quase três meses, o grupo formado por nove membros da Comunidade Católica Sementes do Verbo – padre João Machado, três religiosas, um seminarista, o casal Thalita e Thiago Aquino, e mais dois voluntários – seguiu em missão para a cidade de Obala, na República dos Camarões, na África.

Agora, a irmã Maria Sarah retornou ao Rio de Janeiro para outro chamado: preparar mais missionários para também contribuírem na missão permanente na região africana, que tem o objetivo de fundar uma casa da comunidade, a fim de atuar junto com a população, por meio de projetos e atividades de qualificação. O intuito é trabalhar para diminuir a exclusão social e recuperar a dignidade humana do povo.

De acordo com irmã Maria Sarah, uma das principais dificuldades é o saneamento básico. “Um dos principais desafios é a questão das instalações, uma vez que, por ser uma região muito pobre, o saneamento básico e a saúde são muito precários. A estimativa de vida é de 45 anos. Muitos jovens morrem vítimas de doenças, como malária, cólera, febre. Até mesmo a equipe missionária ficou doente”, comentou.

Além disso, a religiosa destacou a diferença cultural como outro desafio na evangelização. “Mesmo o francês sendo a língua oficial, existem 187 dialetos que dificultam a comunicação, uma vez que os mais pobres não compreendem a língua francesa, somente o próprio dialeto, até porque lá ainda existe uma cultura tribal, na qual um não compreende o idioma do outro. Há, ainda, a questão do dote para os casamentos imposto pelas tribos. Dessa forma, como evangelizar numa cultura que é muito diferente?”, indagou.

Irmã Maria Sarah também recordou a extrema pobreza da região. “A questão da miséria é uma grande problemática. Estamos sempre rodeados de pessoas com muita fome. Tudo naquele país é pago, seja a saúde, seja a educação. É uma situação muito triste, porque eles sobrevivem nos campos, catando lenha ou pegando banana e amendoins. A maioria deles se alimenta apenas uma vez no dia”, disse.

A esperança na fé

Apesar de todo o sofrimento, o povo de Obala busca forças na fé. “As missas são celebradas em diversos idiomas, e podem ter a duração de três horas. O povo tem o costume de celebrar a fé através de danças, o que é bem típico da África. A comunidade se reúne nas missas, e nelas são passados os principais avisos”, contou.

Foi justamente numa dessas celebrações que irmã Maria Sarah teve uma experiência que a marcou. “Vi uma criança saindo da missa com um rostinho bem triste, olhando para baixo. Perguntei o que havia acontecido e ela me disse que estava com fome. Eu tinha um chocolate e dei a ela. A criança pegou apenas um quadradinho, saboreou, guardou e me disse que iria levar o restante para seus 10 irmãos”, lembrou.

Com a praticamente inexistência de energia elétrica e a escassez de água potável, os missionários encontraram um jeito de evangelizar o povo de uma maneira simples. “A vida do povo é pautada por todas essas dificuldades. Onde moramos há um poço, e isso é uma grande riqueza. Dessa forma, fizemos uma reestruturação nele, o limpamos, e as pessoas buscam água. Assim fazemos as evangelizações, pois, ao dar água, nos sentamos com elas, conversamos e evangelizamos”, relatou a religiosa.

Numa dessas vezes, a irmã se deparou com outra situação. “Uma criança andou dez quilômetros para buscar uma garrafa de água potável. Ela era surda, muda e muito pobre. Essas crianças precisam muito de ajuda. É uma situação muito triste”, lamentou.

Ajuda que transforma

Antes de embarcar para a missão no continente africano, a comunidade realizou a campanha “Obala”, pedindo a ajuda nas mais diversas dioceses do país, para a fundação na região. A iniciativa também foi acolhida pela Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Porém, diante das muitas necessidades, a comunidade precisa de doações para manter os missionários e ainda contribuir com a realidade local. Para ajudar, os interessados podem fazer doações com depósito no Banco Bradesco, agência 3664, conta corrente 550233-0, em nome da Associação Sementes do Verbo, CNPJ 07.104.940/0001-70, ou entrar em contado com a comunidade pelo telefone: 2218-4100.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.