Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/11/2018

21 de Novembro de 2018

‘Os jovens são felizes por serem cristãos’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Novembro de 2018

‘Os jovens são felizes por serem cristãos’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

24/08/2018 13:24 - Atualizado em 24/08/2018 13:24
Por: Flávia Muniz

‘Os jovens são felizes por serem cristãos’ 0

Por vontade do Papa Francisco, a Jornada Mundial da Juventude no Panamá, em 2019, será mariana: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra’. Já a JMJ Rio2013, teve um acento missionário (‘Ide, fazei discípulos’). Embora escolhido pelo Papa Bento XVI, encaixou-se, perfeitamente, com o Papa Francisco, “que é o Papa da missão, da Igreja em saída”, explicou o secretário do Dicastério para a Vida, a Família e os Leigos, no Vaticano, padre Alexandre Awi Mello.

E disse também: “Francisco é o Papa da Misericórdia, daí a Jornada de Cracóvia ter se alinhado com a revelação de Jesus Misericordioso a Santa Faustina, e foi precedida pela proclamação do Ano da Misericórdia. Agora, um tema mariano. Tive a graça de entrevistar o Santo Padre duas vezes, ouvi-lo sobre sua devoção a Nossa Senhora e conhecer de perto seu coração mariano. Por isso, é, de fato, uma jornada mariana, que nos aponta a fazer a vontade de Deus”, destacou.

Padre Alexandre Mello esteve no Rio e concedeu entrevista ao Sistema de Comunicação, trazendo curiosidades sobre os preparativos da Jornada Mundial do Panamá, que acontecerá em janeiro de 2019.  Atualmente, ele reside em Roma, auxiliando o prefeito, Cardeal Kevin Joseph Farrell. O dicastério em que trabalha é o responsável pela organização e supervisão das edições das Jornadas da Juventude.

Sacerdote do Instituto Secular Padres de Schoenstatt, padre Alexandre Mello é carioca e foi ordenado, há 17 anos, no Rio, por Dom Karl Joseph Romer, no dia 7 de julho de 2001.

O Sínodo para a Juventude e a Jornada

O dicastério está diretamente envolvido na preparação do Sínodo dos Bispos, com o tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, que acontecerá de 3 a 28 de outubro deste ano. Segundo padre Alexandre, este sínodo será a grande inspiração da JMJ-Panamá/2019, pois está alinhado ao lema da Jornada: “O discernimento é a forma de se descobrir qual é a vontade de Deus. E o lema da Jornada ajuda-nos a decidir fazer a vontade de Deus, a exemplo de Maria. Ela, bem jovem à época da Anunciação, fez as perguntas que devia fazer, mas deu o seu ‘sim’. Ela é o modelo de vocação para a juventude de hoje”, afirmou.

Amizade com o Cardeal Bergoglio

Entre as muitas curiosidades sobre sua atuação durante a JMJ Rio2013, padre Alexandre contou como foi escolhido para ser intérprete do Papa, no Brasil, e a emoção de viver a Jornada ao lado do Pontífice. “À época da JMJ do Rio, eu ajudei na organização do nosso movimento (Schoenstatt). E eu já conhecia o Cardeal Bergoglio. Ele já havia me pedido para acompanhá-lo como intérprete, durante a JMJ-Rio, antes mesmo de ele ser Papa. Ele estava muito impactado, em muitos momentos ele se emocionava; nós nos conhecemos em 2007, em Aparecida”, pontuou.

Por que o Panamá?

Perguntado sobre a escolha do pequeno país da América Central, padre Alexandre explicou que “os próprios bispos dizem que seu país foi escolhido por causa de sua pequenez. Francisco é o Papa que valoriza as periferias, o ‘pouco comum’, o que não está no centro. Curiosamente, pela sua localização geográfica, o país está numa encruzilhada do norte para o sul e do leste para o oeste, pelo Canal do Panamá; está num encontro de caminhos; os oceanos Atlântico e Pacífico se encontram, e é a passagem entre a América do Norte e América do Sul”, analisou padre Alexandre.

Para ele, o Papa considerou que era o momento da América Central, não havendo propriamente uma regra. “As dioceses se oferecem, candidatam-se, como foi o caso do Rio. É feita uma seleção prévia, porém o Papa é quem toma a decisão final. Agora, já estamos nesse processo, para definir onde será a próxima Jornada, e isso só será revelado na Jornada do Panamá, em 2019”, disse.

Preparativos

Padre Alexandre já esteve duas vezes no Panamá, e acredita que “os brasileiros terão um acolhimento muito carinhoso, bem latino, e não só isso, mas com aquela alegria, muita festa, muita música, dança e a ginga do povo caribenho. É muito ao estilo dos brasileiros. Acho que vamos nos sentir muito à vontade no Panamá”, destacou.

A espiritualidade da Jornada

Padre Alexandre considera que as Jornadas manifestam a força da Igreja, no contexto de um mundo globalizado, com jovens de tantas culturas diferentes, mas com os mesmos valores, transmitidos por uma mesma fé; uma espiritualidade de comunhão, internacionalidade e de universalidade:

“A Jornada é um grande testemunho; os jovens são felizes, por serem cristãos; por isso, não se vai como turista, mas como peregrino, para fazer um caminho de fé. E, muitas vezes, não é preciso falar. Ver passar ou estar entre os grupos de jovens, por si só, já é evangelizador. Estejamos certos de que, nessa Jornada, o Papa Francisco vai estar movido pelas conclusões do Sínodo da Juventude, para falar ao coração dos jovens. Ele está muito feliz e animado. Foi o primeiro a se inscrever e, é claro, já confirmou presença”, concluiu.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.