Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/10/2018

22 de Outubro de 2018

Mais de 68 milhões de pessoas vivem refugiadas no mundo devido conflitos ou perseguição

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Outubro de 2018

Mais de 68 milhões de pessoas vivem refugiadas no mundo devido conflitos ou perseguição

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/06/2018 14:37 - Atualizado em 20/06/2018 14:37
Por: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Mais de 68 milhões de pessoas vivem refugiadas no mundo devido conflitos ou perseguição 0

A agência SIR (Servizio de Informazione Religiosa) da Conferência Episcopal Italiana publicou, nesta terça-feira, 19 de junho, um breve relato sobre a situação dos refugiados no mundo.

Leia o texto na íntegra:

São 68,5 milhões, ou seja, o equivalente à população do Reino Unido, pessoas deslocadas em todo o mundo devido a conflitos, violência e perseguição, segundo o ACNUR, a agência de refugiados da ONU. Nunca antes o mundo registrou um número tão grande de pessoas deslocadas. Quarenta milhões de pessoas estão deslocadas dentro de seus países e outros 28,5 milhões cruzaram uma fronteira e se tornaram refugiados.

Os números foram apresentados pelo Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC), por meio do seu Secretário-Geral, Jan Egeland, que relata: “a Turquia, Bangladesh e Uganda, são os três países em 2017 receberam metade do 3,6 milhões novos refugiados. A Turquia recebeu 20%, cerca de 700.000 pessoas. Atualmente, hospeda mais de 3,8 milhões de refugiados, muitos deles da Síria. Bangladesh acolheu 18% e Uganda 15%, seguido pelo Sudão com 14% de refugiados. Em 2017, foram devolvidos 667 mil pessoas a seus países, desses 283 mil apenas na Nigéria. Em comparação, o resto da Europa recebeu cerca de meio milhão de refugiados no ano passado, enquanto os Estados Unidos receberam cerca de 60.000 “.

Números que, segundo Egeland, dão conta que a “responsabilidade internacional pelas pessoas deslocadas entrou em colapso total: os países ricos constroem muros contra famílias que fogem da guerra, enquanto há menos dinheiro disponível para ajudar pessoas em áreas de conflito”. Um exemplo claro disso é a história do navio Aquarius com seus 629 refugiados e migrantes aos quais foi negada a entrada nos portos italianos. “Quando tão poucos requerentes de asilo chegam à Europa e aos Estados Unidos – enfatiza o Secretário – somos responsáveis por aumentar nosso apoio aos países menos ricos que atualmente abrigam um grande número de refugiados, como Bangladesh, Líbano e Uganda, e aumentar o número de pessoas que recebemos para o reassentamento”, diz Egeland.

“A rede de segurança que implementamos desde a Segunda Guerra Mundial e que forneceu proteção a milhões de refugiados está sendo apoiada por um número cada vez menor de países. Se esses países não receberem apoio suficiente, todo o sistema de proteção se dissolverá. Se isso acontecer, teremos consequências dramáticas não apenas para os afetados, mas também para a estabilidade e a segurança em muitas partes do mundo “, disse.

Em maio de 2018, de acordo com a nota da NBC, Uganda recebeu apenas 7% do dinheiro necessário para a ONU e outras organizações para ajudar o grande número de refugiados do Sudão do Sul e da República Democrática do Congo. Em Bangladesh, o valor é de cerca de 20%.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.