Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/06/2018

22 de Junho de 2018

Pastoral do Menor: Inclusão social através do esporte

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Junho de 2018

Pastoral do Menor: Inclusão social através do esporte

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

11/04/2018 13:33 - Atualizado em 11/04/2018 13:33
Por: Priscila Xavier e Giselle Martello

Pastoral do Menor: Inclusão social através do esporte 0

O Cardeal Orani João Tempesta visitou um dos núcleos do Programa Forças no Esporte (Profesp), no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro, na Avenida Brasil, na altura do bairro de Bonsucesso, no dia 26 de março.

O Profesp é uma ação do Governo Federal junto com as Forças Armadas. No Rio de Janeiro, essa ação conta com a parceria da Arquidiocese do Rio, por meio da Pastoral do Menor.

Segundo o comandante do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro, tenente coronel Sandro Gomes, o trabalho da pastoral permite que o projeto ultrapasse os muros do quartel. “A visita do Cardeal Orani teve o objetivo de acompanhar de perto a parceria com a Pastoral do Menor. Fizemos uma breve explanação sobre o centro de preparação, cuja missão é formar os oficiais da reserva do Exército, e atuar no futuro como difusor de valores militares na sociedade brasileira. Somos muito gratos por essa visita e por todo trabalho que a Pastoral do Menor realiza no entorno do CPOR, com foco no Profesp, o que permite que o programa alcance muitos lugares, produzindo um resultado excepcional”, comentou.

O projeto, que neste ano completará 11 anos, tem como objetivo oferecer atividades esportivas para crianças e adolescentes que vivem no Complexo da Maré, além de ações complementares, visando a inclusão social e o desenvolvimento de valores, como o trabalho em equipe, a cidadania e a melhor qualidade de vida.

Antes, para participar, era necessário que os interessados tivessem entre 7 e 17 anos. Porém, devido às ações de intervenção federal no Rio de Janeiro, o projeto passou a ter, como idade máxima, 18 anos.

De acordo com coordenador nacional do Profesp, comandante José Ferreira de Barros, o programa também foi ampliado.  “Esse trabalho se reverte em muita gratidão. Devido às ações que acontecem no Rio, ampliamos o projeto, a partir de 28 de março, para agregar mais três mil crianças. O objetivo é a inclusão social, dentro da vulnerabilidade. Tenho certeza de que essa ação é um complemento do trabalho que acontece hoje no Rio, prevenindo que isso ocorra no futuro”, afirmou.

Atuante no programa desde 2007, o sargento Luis Cláudio Silva Paixão contou sobre as atividades que acontecem na Maré e a participação dos jovens no projeto. “Desenvolvemos o esporte, aliado à educação. Temos diversas modalidades esportivas que atendem 250 crianças da Maré, divididas em dois turnos, manhã e tarde. Juntamente com essas atividades, temos também as complementares, que são reforço escolar, informática, atividade cívica e  roda de conversas. O projeto tem alcançado um sucesso incrível, porque as crianças gostam das atividades dentro do quartel e, com isso, aprendem sobre a disciplina e os valores”, relatou.

Moradora da Maré e à frente da Pastoral do Menor na Paróquia São José Operário, na Vila do Pinheiro, Maria Auxiliadora Franco comentou que, além do jovem, a família também é transformada. “Não é só a criança e o adolescente que recebe o apoio, a família também. Quando a criança participa do projeto, ela tem uma mudança de comportamento e de postura e a família também vivencia essas modificações. A presença do cardeal reforça o projeto, dando ainda mais credibilidade”, frisou.

Ex-participante do projeto e hoje estudante de psicologia, Taiane Cristine dos Santos, da Paróquia São Miguel Arcanjo, no Mandela, retorna ao Profesp, dessa vez, como voluntária. “Conheci o programa através de Dona Célia, que era agente de Pastoral do Menor, na comunidade Amorim. Depois disso, passei a trabalhar como Jovem Aprendiz e me desliguei do projeto. Agora, já no fim de minha faculdade de psicologia, retorno como voluntária para auxiliar tanto no Profesp quanto na pastoral”, completou.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.