Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/07/2018

23 de Julho de 2018

Padre Jean é enviado para missão na África

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Julho de 2018

Padre Jean é enviado para missão na África

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/03/2018 11:38 - Atualizado em 09/03/2018 11:38
Por: Priscila Xavier / Symone Matias

Padre Jean é enviado para missão na África 0

No mês de abril, o padre Jean Fernandes Costa, consagrado da Comunidade Católica Shalom, segue em missão para a Argélia, na África, local onde o cristianismo alcança, somente, 0,5% da população. Nos últimos quatros anos, depois de sua ordenação, exerceu seu ministério no Rio de Janeiro.

A missa de envio do sacerdote foi presidida pelo Cardeal Orani João Tempesta, no dia 4 de março, no Santuário de Adoração Perpétua – a Igreja de Sant’Ana, no centro do Rio. A celebração contou com a presença do vigário episcopal do Vicariato Urbano, padre Wagner Toledo, do reitor do santuário, padre José Laudares de Ávila, e do padre Carlos Eduardo da Silva Elias, da Arquidiocese de Niterói.

Na homilia, Dom Orani destacou a importância de visibilizar os sinais daqueles que estão sempre abertos para seguir a vontade de Cristo. “Agradecemos o trabalho e a missão realizados pelo padre Jean, servindo à Igreja, através do carisma Shalom. Agora, viverá sua nova missão em outro continente, em outro país. Estaremos aqui a rezar por ele, para que, enquanto carisma Shalom, também possa servir ao povo de Deus. Isso nos faz enxergar a disponibilidade de servir, a confiança na providência de Deus e, ao mesmo tempo, o estar sempre aberto às surpresas do Senhor. São sinais assim que temos sempre a necessidade de visibilizar, fazer ecoar em nossos corações, não só enquanto Igreja ou carisma, mas por toda a cidade”, completou.

Em nome do clero carioca, padre Wagner Toledo agradeceu ao sacerdote. “Hoje, representamos a gratidão de seus colegas sacerdotes por conta de seu tempo entre nós que, certamente, não foi apenas no trabalho e desempenho da missão, mas, sobretudo, na força da presença, pela fidelidade, pela atuação, pela presença junto ao nosso presbitério. Que você possa levar a garantia da oração de seus irmãos aqui do Rio e a esperança de que, em breve, a gente possa se encontrar pelas estradas da vida”, sublinhou. 

No fim da celebração, Dom Orani apresentou os novos membros da comunidade que ingressaram neste ano, além dos missionários que chegaram ao Rio de Janeiro.

Os primeiros passos

Após o pedido da mãe, Jean, aos 16 anos, decidiu participar de um retiro promovido pela Comunidade Shalom, na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. “Eu estava afastado da Igreja. Minha família é católica, mas não praticante. Nesse retiro, tive uma forte experiência com Deus e retornei à vida na Igreja, através dos grupos da comunidade, participando e servindo. Depois, senti um chamado muito forte de Deus para que eu fosse um missionário”, comentou padre Jean.

Três anos depois, aos 19 anos, Jean deixou tudo para viver a vocação. “Fiz o postulantado ainda no Nordeste. Pouco antes de minha consagração, em 2003, ingressei no seminário e estudei um ano de filosofia, isso porque a comunidade me enviou para o início de uma casa na França, onde servi como missionário e estudei filosofia e teologia”, recordou.

Depois de oito anos em terras francesas, Jean retornou ao Brasil em 2012. Em dezembro de 2013, ele foi ordenado sacerdote, em Fortaleza. Meses após a ordenação sacerdotal, no início de 2014, ele foi enviado ao Rio de Janeiro, onde atuou como coordenador apostólico durante quatro anos. “Após a Jornada Mundial da Juventude, tivemos uma difusão missionária muito grande aqui: passamos de duas para seis casas. Atualmente, a comunidade conta com mais de 300 membros, além de mais de 600 pessoas que participam dos nossos grupos de oração, sendo a maioria jovem. Então, é necessária a presença de sacerdotes para celebrar as missas e realizar as confissões, colaborando com esse trabalho pastoral”, afirmou.

Dentre os trabalhos nos quais padre Jean atuou no Rio, estão as vigílias de evangelização na Lapa, o Festival Halleluya, as atividades nas praias com o intuito de alcançar àquelas pessoas afastadas da Igreja, a evangelização e o trabalho com crianças, jovens e famílias.

Seguindo para a nova missão no continente africano, padre Jean destacou: “Deixo aqui no Rio o amor, o pastoreio e o zelo pelos jovens. Amo a juventude; ela é a minha prioridade. Nosso carisma nasceu para evangelizar os jovens e creio que deixarei esse legado”, frisou.

Novos passos

Em direção a novos caminhos, padre Jean comentou que uma das principais dificuldades na nova missão será o número reduzido de fiéis nos países africanos. “Estamos no continente africano desde 2006, e vamos fundar comunidades na Angola e na Argélia. Nesses países, o trabalho acontece de maneira lenta, haja vista que 99% da população é muçulmana, apenas 0,5% é cristã. A Arquidiocese de Argel possui, apenas, 34 padres idosos. Esse foi um pedido do arcebispo local para a comunidade. Vou para ajudar como sacerdote e, também, dividir minha experiência missionária”, relatou.

Ainda segundo ele, “será um grande desafio de cultura e de linguagem, porque nunca morei num país não cristão; essa será minha primeira experiência assim. Será uma missão desafiante”.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.