Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/06/2018

22 de Junho de 2018

Rio ganha paróquia dedicada a São João Paulo II

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Junho de 2018

Rio ganha paróquia dedicada a São João Paulo II

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/12/2017 16:29 - Atualizado em 08/12/2017 16:30
Por: Louis Bárbaras

Rio ganha paróquia dedicada a São João Paulo II 0

No dia 1º de dezembro, uma missa presidida pelo arcebispo do Rio, Cardeal Dom Orani João Tempesta, marcou a criação da primeira paróquia dedicada a São João Paulo II. Situada no bairro do Caju, adjacente à zona portuária e de acesso ao centro da cidade, é a paróquia de número 268 da arquidiocese e a 17ª erigida no governo pastoral de Dom Orani, sendo desmembrada da Paróquia Santo André, em São Cristóvão. Durante a celebração, foi empossado como administrador paroquial o padre Marcelo Henrique Freitas da Silva, que atendia à comunidade ainda como diácono e, depois, como vigário paroquial. Entre os vários concelebrantes estão o bispo auxiliar e animador do Vicariato Urbano, Dom Luiz Henrique da Silva Brito, e também o vigário episcopal, padre Wagner Toledo.

Caminhada

O projeto de criação da paróquia já existia há muito tempo e se tornou possível graças à aquisição do terreno que acolhia a antiga Cruzada de São Pedro, que funcionava como creche e lugar de assistência a populações de rua. A aquisição do terreno aconteceu ainda quando o padre Julio Cesar Costa, era pároco da Paróquia de Santo André. Começava, assim, a se tornar realidade, para os fiéis do Caju, o sonho de um espaço próprio de independência pastoral, mais acessível aos moradores do bairro.

Em 2013, o novo pároco da Paróquia Santo André, padre Wellington Gusmão Mendes, na época, promoveu uma grande mobilização junto à comunidade, para que fossem feitas melhorias no espaço de celebrações e para atividades pastorais. Fez adaptações no local, incorporando o espaço celebrativo e preparando a Capela do Santíssimo. O novo templo foi dedicado a São João Paulo II, o que viria a se tornar a primeira paróquia no bairro do Caju.

O atual administrador paroquial, padre Marcelo Freitas, acompanhou de perto o projeto para a comunidade local desde quando foi diácono e vigário paroquial da Paróquia Santo André, e deu prosseguimento ao que já havia sido iniciado pelo antecessor, padre Wellington: “Ao chegar, dei continuidade ao que já vinha sendo feito e fui agregando também algumas coisas novas à vida da comunidade. Com isso, pessoas novas estão se inserindo no âmbito da nova paróquia, e pessoas que estavam afastadas estão, também, retornando”, pontuou padre Marcelo.

Estrutura

Hoje, a região atendida pela nova paróquia possui cinco capelas. Além da matriz, dedicada a São João Paulo II, foram anexadas as capelas de São Pedro, instalada desde a antiga colônia de pescadores; a de São Luiz, dentro da Casa São Luiz para a Velhice; a de São Sebastião, que permaneceu em atividade após o fechamento do Hospital de Infectologia; a de Nossa Senhora da Conquista, na comunidade Parque Conquista, e, por fim, a de Nossa Senhora Aparecida, situada na comunidade de Parque Esperança.

O espaço físico da nova paróquia, situada nas imediações do antigo Estaleiro Caneco, cedido pelas Filhas da Caridade, congregação fundada por São Vicente de Paulo, possui um prédio de três andares com casa paroquial, salas de catequese, Capela do Santíssimo, secretaria, cozinha industrial, espaço externo, além de um galpão, cuja reforma está sendo finalizada.

Necessidade de melhorias

No dia 22 de outubro, em missa presidida pelo bispo auxiliar Dom Luiz Henrique da Silva Brito, ocorreu um imprevisto que confirmou a necessidade de reforma desse espaço. “Na última missa da noite, acabou a luz antes da distribuição da Sagrada Comunhão. Quando terminou a celebração, o bispo deu a bênção e, quando saímos do lugar caiu parte do reboco com a calha. Graças a Deus não machucou ninguém, foi um grande milagre”, afirmou padre Marcelo.

Diante disso, houve mobilização da comunidade e, graças a doações e ao financiamento de empresas locais, conseguiu-se fazer a reforma do espaço. Com a boa vontade e empenho das pessoas em mutirão, foi possível fazer uma fachada nova, o presbitério, que ainda não havia, fazer a pintura, trocar os pisos internos e, também, fazer um ajuste dos banheiros, além de cimentar a área descoberta, para acolher melhor o povo de Deus.

“Ganhamos todo concreto de uma empresa local, tudo para que as pessoas se sintam mais acolhidas, por intercessão de São João Paulo II, e continuem vendo o Cristo em nossa fé, num bairro tão carente, marcado pela dificuldade de locomoção, pela violência e esquecido pelas autoridades governamentais, mas que apesar de todas essas dificuldades não deixa de confiar na Providência Divina”, destacou padre Marcelo Freitas.

Padre Marcelo ressaltou que há ainda alguns aspectos do espaço físico que precisam ser melhorados. Além da necessidade de instalação de sistema de ar condicionado e um sino, existe um projeto de revitalização de todas as capelas. “As necessidades vão aparecendo e nós vamos cuidando da manutenção, dando continuidade e ampliando o que já estamos fazendo ao longo desse tempo”, concluiu o pároco.

Devoção a São João Paulo II

Na época em que o terreno foi adquirido, o local ainda remetia à Cruzada de São Pedro, por isso, a futura igreja precisou de um novo nome, que foi definido pelo padre Wellington, então pároco, reunido com os coordenadores. “Estava recente a beatificação do Papa João Paulo II, e a comunidade ficou dividida entre dedicar à capela homenageando Santa Tereza de Calcutá ou São João Paulo II. Por fim, escolheram homenagear São João Paulo II”, explicou padre Marcelo.

Para ele, “é bem significativo que a Divina Providência tenha nos dado, um dia depois da Festa de Santo André, que se celebra em 30 de novembro, a criação de uma nova comunidade a partir dela, a nova Paróquia de São João Paulo II. A história dessa comunidade, na minha vida, se faz também de uma história com a Providência Divina, pois me ordenei no dia 2 de abril de 2017, dia do meu aniversário e data de falecimento de São João Paulo II”, observou. Hoje, a igreja possui uma relíquia de São João Paulo II, à disposição para a veneração e devoção dos fiéis.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.