Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2017

14 de Dezembro de 2017

Igreja do Rio celebra Dia Mundial dos Pobres na Catedral

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2017

Igreja do Rio celebra Dia Mundial dos Pobres na Catedral

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/11/2017 15:15 - Atualizado em 19/11/2017 19:46
Por: Priscila Xavier

Igreja do Rio celebra Dia Mundial dos Pobres na Catedral 0

A população global neste ano alcançou os 7,6 bilhões de habitantes, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Porém, outro número ainda avança rapidamente: pelos menos 13% da população mundial ainda vivem em situação de extrema pobreza e 800 milhões de pessoas passam fome. Pensando naqueles que mais sofrem, o Papa Francisco intitulou o 33º Domingo do Tempo Comum como o Dia Mundial dos Pobres, para que, nesta data, os cristãos possam voltar os corações para aqueles que mais necessitam. Dentro desse contexto, a Igreja do Rio celebrou a primeira edição do Dia Mundial dos Pobres na Catedral Metropolitana de São Sebastião, no Centro, neste domingo, 19 de novembro.

Antes da santa missa, diversos agentes de pastorais e movimentos sociais, além de membros de novas comunidades e fraternidades, se reuniram na Igreja Mãe do Rio para a distribuição do café da manhã para a população em situação de rua, uma ação que já acontece há mais de 20 anos na Catedral.

Missionário de Vida da Comunidade Aliança de Misericórdia, André de Jesus Eucaristia ressalta a gratidão em participar do café da manhã junto aos mais necessitados. “A sensação que tenho quando estamos trabalhando no café na Catedral é de gratificação. Participo há um ano e meio. Muitos da Aliança de Misericórdia dormem nas ruas nos dias de evangelização e, logo depois, vão à Catedral para ajudar a preparar a refeição, além de conversar com esses irmãos. Durante essa semana, também fizemos um momento de meditação e convidamos algumas pessoas que se interessaram em participar”, destacou.

Para irmã Suzana, consagrada da Comunidade Sementes do Verbo, a data é uma oportunidade para combater a pobreza da indiferença. “Vejo a Igreja como a mãe que cuida e também deseja que todos os seus filhos cuidem-se uns dos outros. Esse dia serve para combatermos a pobreza da indiferença, a qual todos estamos sujeitos a entrar. Esse dia chama atenção não apenas para a pobreza material, mas também para outras pobrezas da alma. Sair da indiferença é o primeiro passo para combatermos essa má pobreza que existe dentro de nós”, pontuou.

Uma semana antes da data, os vicariatos da Arquidiocese do Rio de Janeiro realizaram diversas atividades voltadas para a população em situação de rua, a fim de promover a cidadania e despertar a consciência da sociedade quanto a questão da indiferença.

Multiplicar os talentos e servir

Em seguida, teve início a santa missa, presidida pelo Cardeal Orani João Tempesta, e concelebrada pelo vigário episcopal para a Caridade Social, cônego Manuel Manangão, pelo pároco da Catedral, cônego Cláudio dos Santos, pelo vigário paroquial, padre Vanderson, além dos sacerdotes Giuseppe Piero e Mário.

Na homilia, o cardeal recordou a necessidade de multiplicar os talentos recebidos por Deus em prol do próximo. “O Evangelho de hoje nos questiona: o que vamos apresentar ao Senhor quando formos chamados? Precisamos fazer uma espécie de balanço quanto ao que fazemos com os interesses do Reino. Temos muitas pessoas que multiplicam os dons que receberam de Cristo e, a partir desse anúncio, semeiam na vida de outras pessoas, vivendo como filhos da Luz”, exclamou.

O arcebispo também salientou a importância de não enterrar os dons e carismas recebidos de Cristo. “Em contrapartida, ainda há muito talento e carisma enterrado, os quais não podem ser para si próprio, mas para os outros. Não importam quais são os teus dons, todos são chamados a servir e contribuir com esta missão: estar presente no mundo com a consciência de que não se pode enterrar os talentos que recebeu”, frisou.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.