Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2017

14 de Dezembro de 2017

Representante do Fórum de Mudanças Climáticas defende agroecologia contra desertificação

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2017

Representante do Fórum de Mudanças Climáticas defende agroecologia contra desertificação

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

06/10/2017 12:32 - Atualizado em 06/10/2017 12:54
Por: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Representante do Fórum de Mudanças Climáticas defende agroecologia contra desertificação 0

O representante do Fórum de Mudanças Climáticas e Mudanças Climáticas, que articula pastorais e movimentos sociais, Ivo Poleto, participou recentemente da 16ª Jornada de Agroecologia “Keno Vive”, realizada em Lapa (PR). Após afirmar que o Brasil já conta com um novo bioma, o “deserto”, maior do que o estado do Ceará dentro do bioma Caatinga, e que a desertificação avança até o Rio Grande do Sul, ouviu de um assentado da reforma agrária que é possível recuperar áreas desertificadas.

O assentado falou da experiência que ajudou a conquistar, que estava em franco processo de desertificação, fruto do mau trato e exploração do proprietário anterior. Em poucos anos, segundo o agricultor, essa terra está viva, gerando alimentos ecologicamente cultivados. “Basta dar carinho à ela, que a vida volta. Volta a cobertura vegetal, a fertilidade do solo, as nascentes de água”, disse.

Na 16ª Jornada de Agroecologia, segundo Ivo Poleto, foram denunciadas as práticas que provocam o aquecimento do Planeta e o agravamento dos desastres socioambientais por causa dos eventos climáticos cada vez mais extremos, no campo e nas cidades. Houve, principalmente, a denúncia muito concreta dos que desejam reduzir o tamanho da Escarpa Devoniana, que deve ser chamada Escarpa dos Campos Gerais do Paraná. Ivo lembra que a Escarpa é uma das poucas áreas de preservação do Paraná, estado dominado pelo agronegócio, e agora, sempre famélicos de mais terra, mais riqueza e mais poder, esses senhores querem também as terras dessa reserva.

O membro do Fórum de Mudanças Climáticas disse que tanto os sem-terra como os camponeses assentados insistiram que precisamos ter esperança, e a base de sua esperança é a transformação da agricultura que estão ajudando a realizar. “Eles e todos os participantes da Jornada são testemunhas e agentes dessa transformação. É possível recuperar a vitalidade da Terra, replantar florestas, recuperar nascentes, produzir alimentos sem produtos químicos e venenos. E claro, é possível insistir na organização das pessoas que desejam construir essa transformação”, disse.

Ivo lança a pergunta: “O que podemos fazer?”. Na sequência, a resposta veio de sua análise: “apoiar a agroecologia, claro. Apoiar a luta para que esta tecnologia de produção de alimentos seja apoiada por políticas e recursos públicos. Apoiar a luta pela preservação da Escarpa dos Campos Gerais do Paraná. Apoiar tudo que cuida da Terra com amor”.
Conheça o trabalho do Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social.

Conheça o trabalho do Fórum de Mudanças Climáticas: www.fmclimaticas.org.br

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.