Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2017

14 de Dezembro de 2017

Comissão Episcopal para a Ação Social Transformadora avalia ações e projetam 2018

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2017

Comissão Episcopal para a Ação Social Transformadora avalia ações e projetam 2018

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

04/10/2017 13:16 - Atualizado em 04/10/2017 13:16
Por: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Comissão Episcopal para a Ação Social Transformadora avalia ações e projetam 2018 0

Os seis bispos que integram a Comissão Episcopal para a Ação Social Transformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), incluindo seu presidente, assessor e colaboradores se reuniram ordinariamente, dia 03 de outubro, para avaliar as ações realizadas no ano, planejar os próximos passos e projetar as ações para 2018.

“Fizemos uma análise e avaliação de tudo que foi realizado em 2017”, disse o dom Guilherme Werlang, bispo de Ipameri (GO) e presidente da Comissão. Entre as ações mencionadas pelo religioso encontram-se, entre outras, o encontro dos Bispos que integram a comissão e os bispos referenciais das Pastorais Sociais da CNBB, realizado de 31 de julho e 1º de agosto; a reunião do Grupo de Trabalho da Mineração, de 24 a 25 de julho e o Encontro Nacional das Pastorais Sociais, Organismos e o Setor de Mobilidade Humana de 1º a 4 de agosto.

Outro ponto avaliado, a pedido do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da CNBB, foi o Grito dos Excluídos, em sua 23ª edição este ano. “Trabalhamos bastante a questão do Grito dos Excluídos. Nossa Comissão ficou encarregada de fazer uma análise a apresentar novas propostas para aprofundar/melhorar esta ação que já existe há 23 anos e, especialmente, dentro da nova realidade brasileira, ver como realizar sempre melhor o Grito em todo o Brasil”, disse dom Guilherme.

A equipe refletiu também sobre o processo da 6ª Semana Social Brasileira, atividade a ser retomada pela CNBB, com o mesmo tema da Campanha da Fraternidade 2018: violência. O presidente lembra que são muitos trabalhos e que a comissão precisa ficar atenta para realiza-los, conforme foi confiado pela entidade. O esforço segundo dom Guilherme é para que, efetivamente, a Igreja, por meio desta Comissão, possa ser uma presença verdadeiramente de igreja nas fronteiras sociais, onde os pobres sofrem mais, existe mais exclusão e a violência explode de forma forte, com as constantes ameaças à vida.

Participantes da reunião:
Dom Guilherme Antônio Werlang – presidente
Dom Canísio Klaus
Dom José Valdeci Santos Mendes
Dom André de Witte
Dom Milton Kenan Júnior
Dom Luiz Gonzaga Fechio
Frei Olávio José Dotto – Assessor
Irmã Claudina Scpini – Secretária do Setor de Mobilidade Humana

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.