Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2017

20 de Novembro de 2017

Dom Orani visita Bienal do Livro

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2017

Dom Orani visita Bienal do Livro

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/09/2017 00:00 - Atualizado em 13/09/2017 11:25
Por: Priscila Xavier

Dom Orani visita Bienal do Livro 0

temp_title538914a1_c875_4a7a_842f_2662f9206208_13092017111427O Rio de Janeiro acolheu, de 31 de agosto a 10 de setembro, a 18ª edição da Bienal Internacional do Livro, realizada no Riocentro, na Barra da Tijuca, com a presença recorde de 680 mil visitantes.

Neste ano, o Cardeal Orani João Tempesta também esteve presente no evento, no dia 10 de setembro, visitando o estande da Editora Loyola, onde o padre Lício Vale, da Diocese de São Miguel Paulista (SP), lançou o livro “E foram deixados para trás”, no qual aborda a temática do suicídio.

De acordo com Dom Orani, a obra tem como objetivo incentivar pessoas que sofrem do problema. “Hoje é o Dia Internacional de Prevenção ao Suicídio, e este mês é chamado de Setembro Amarelo justamente para alertar a população para essa realidade. O livro é um incentivo para que as pessoas busquem auxílio nos momentos difíceis”, comentou.

Vale ressaltar que muitos ainda podem buscar ajuda através do Centro de Valorização da Vida, que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio de forma gratuita e voluntária, 24 horas por dia, através do telefone 141.

O arcebispo também visitou o estande da Editora Planeta, onde o casal Viviane e Alexandre Varella lançaram a quarta edição do livro “As grandes mentiras sobre a Igreja Católica”, cujo objetivo é esclarecer tanto católicos quanto não católicos sobre as principais questões cuja Igreja é acusada.

Segundo o cardeal, “é uma oportunidade para dizermos que a Igreja sempre esteve presente nas questões culturais, tendo uma grande preocupação com a mesma. É muito bom ver editoras católicas e não católicas, bem como nossos escritores, publicando livros e contribuindo no esclarecimento e aprofundamento dos temas, além de incentivar a procura por ajuda quando necessário. É muito bom ver católicos presentes, prestigiando, mas também levando livros de aprofundamento da Doutrina Católica”, finalizou.

Foto: Divulgação

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.