Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/08/2017

17 de Agosto de 2017

O protagonismo da família na educação

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Agosto de 2017

O protagonismo da família na educação

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

03/08/2017 16:01 - Atualizado em 03/08/2017 18:36
Por: Flávia Muniz

O protagonismo da família na educação 0

temp_titleSeminrio_sobre_Base_Nacional_Comum_Curricular_e_o_Protagonismo_da_Famlia_na_Educao___DSC_0208_03082017155839

O seminário “Base Nacional Curricular Comum e protagonismo da família na educação” foi realizado no auditório do Edifício João Paulo II, na Glória, no dia 26 de julho. O evento contou com a presença do Cardeal Orani João Tempesta, do bispo auxiliar da arquidiocese e animador da Pastoral da Educação e do Ensino Religioso, Dom Paulo Alves Romão, e do bispo auxiliar emérito Dom Karl Joseph Romer, Membro do Pontifício Conselho para a Família e Diretor do Instituto Superior de Ciências Religiosas.

Além deles, o Encontro também contou com a presença do presidente da Rede Nacional de Direito e Defesa da Família, diretor do Instituto Sophia Perennis e presidente do Observatório Interamericano de Biopolítica, professor Felipe Nery, da docente em História da Universidade Estadual de Londrina (UEL), professora Fernanda Takitani, e da docente em Letras, professora da Rede Pública do Estado de São Paulo e secretária do Observatório Interamericano de Biopolítica, professora Andreia Medrado.

O cardeal iniciou as atividades do Encontro, afirmando que “neste momento tão importante da nossa pátria e da educação, tenhamos as luzes necessárias para realizar a nossa missão de cristãos. Devemos nos movimentar, enquanto famílias cristãs, e assumir o nosso protagonismo, a nossa responsabilidade pela educação em nosso país", destacou, prosseguindo com a Oração de Invocação do Espírito Santo.

Família: primazia e protagonismo na educação dos filhos

Ainda na saudação, Dom Orani recordou que, há quatro anos, na mesma data, o Papa Francisco visitou o Rio de Janeiro, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude. Tendo em vista que o dia 26 de agosto é dedicado aos santos São Joaquim e Sant’Ana – co-padroeira da arquidiocese, o arcebispo recordou o discurso do Pontífice, no qual ressaltava a experiência dos avós na transmissão da experiência às gerações.

O cardeal ressaltou como nos dias atuais as ideologias vêm sendo impostas em detrimento do direito da família e dos educadores. “Pouco a pouco nós vemos a influência que tem chegado ao nosso país, por meio de uma educação conduzida por ideologias, fazendo com que certos valores sejam comunicados, difundidos para a sociedade, como se fossem uma verdade e fazendo disso uma cultura comum, na maneira de pensar e de ser. E vemos também que, quando as coisas são colocadas às claras, as pessoas já não mais concordam com esses posicionamentos”, pontuou.

Ele ainda destacou a importância do evento: “Este seminário é, portanto, uma oportunidade de continuarmos esse debate, de refletirmos a respeito, para que as pessoas se interessem cada vez mais por essa temática", disse.

Para o arcebispo, a Igreja e as famílias cristãs devem, cada vez mais, estar envolvidas nessa discussão, sendo protagonistas de tudo aquilo que for para o bem dos filhos, para o bem da sociedade brasileira: "Que saibam recolocar a família nas escolas; que o nosso protagonismo seja cada vez mais sentido, e a opinião das famílias cristãs se faça ouvir na orientação educacional dos seus filhos e netos", completou.

Ideologia de gênero e centralização do ensino: o que está na base da Base?

O ciclo de palestras teve início com o professor Felipe Nery, o qual discorreu sobre o tema: "O problema da centralização da educação nacional através da BNCC". Ele apresentou os trechos mais expressivos da BNCC, destacando que a atual versão passa por audiências públicas somente em cinco estados: Amazonas, Pernambuco, Santa Catarina, Brasília e São Paulo.

O professor ainda acrescentou que nos estados onde as audiências estariam sendo realizadas, não é feita uma divulgação adequada, tampouco é viabilizada a direta participação pública, pois o texto é enviado às instituições, a fim de que os interessados formulem por escrito suas considerações e contribuições para uma análise prévia. Em seguida, é concedida a participação ou não na audiência, o que, para Nery, restringe o debate sobre um tema tão relevante, tendo em vista que a BNCC está a poucos meses de sua homologação, prevista para novembro deste ano.

Nery destacou ainda que a BNCC satisfaz a grupos estrangeiros americanos diretamente envolvidos na sua formulação junto ao MEC, com vistas a impor uma centralização da educação brasileira. "Historicamente, no Brasil, já se tentou fazer isso e houve uma grande moção popular contra, pois a história da educação brasileira nasce da liberdade de estados e municípios de estruturarem a educação, levando em conta as diversidades culturais e sociais de um país de dimensões continentais como o Brasil e em conjunto com toda a sociedade, sobretudo os educadores e as famílias. Pretende-se, agora, impor um currículo comum obrigatório para todo país, formulado e, posteriormente, monitorado, não pelo governo brasileiro, mas por grupos empresariais presentes no Brasil, que pretendem ditar uma educação nivelada pelo mercado e rebaixar o nível humano dentro da própria base curricular", explicou.

Outra problemática apresentada pelo professor refere-se à reinserção da terminologia ‘gênero’ como equivalente da diferença sexual e que já havia sido rejeitada em cerca de 90% dos Planos Municipais da Educação, até mesmo no Plano Nacional.

De acordo com ele, argumenta-se, por exemplo, que o termo ‘gênero’, na Base, diria respeito apenas aos chamados gêneros literários. Contudo, Nery apresentou trechos que mostram o termo empregado como significando diferença sexual, isso em todas as áreas do conhecimento. 

Além disso, diretrizes do Plano Nacional de Direitos Humanos, o chamado PNDH3, as quais já foram rejeitadas, uma vez que, segundo o especialista, introduziam questões não relacionadas à educação, como o aborto, foram encontradas na BNCC. Para Felipe Nery, a ideologia de gênero surge como um programa político em que, efetivamente, não há preocupação com a "realidade opressora" das mulheres ou das minorias. "A Base, nessa última versão, modifica a linguagem, se apresenta de forma polida, como se fosse para tratar das desigualdades, para tratar das diferenças, porém a temática de gênero é reintroduzida, e isso está em vias de ser homologado, quando já havia sido reiteradamente rejeitado, em âmbito nacional e dos municípios", advertiu.

O declínio da educação brasileira, da elevação do ser humano à sua mecanização

Sob o título "A educação nacional: seus problemas históricos e atuais", a  professora Fernanda Takitani presidiu a segunda palestra, a qual contextualizou a educação no Brasil. Ela ainda ressaltou que o fato de a base curricular desconsiderar a comunidade de pais, professores e Igreja justifica a mobilização em torno do tema, “pois não se pode permitir que nos seja retirada a possibilidade de intervir de maneira direta e eficaz no currículo dos nossos filhos", destacou.

Takitani recordou que a educação no Brasil teve início com os jesuítas e tinha por fim elevar o ser humano, aumentar as virtudes, por meio de uma formação integral, clássica, delegada à Igreja pelas famílias. Segundo a professora, em 1759, com a expulsão dos jesuítas, deu-se um completo desmantelamento da educação no Brasil.

Esse cenário só melhorou com a chegada da Família Real, em 1808, havendo a abertura das faculdades de medicina, Química, Agricultura e Engenharia, naquele momento, com interesses estratégicos. Os cursos em Humanidades (Direito, Teologia e Filosofia) surgiram tempos depois. Nesse contexto, surge também a prensa gráfica e, com isso, a possibilidade de se publicar livros, o que muito contribuiu com a educação brasileira.

Após o retorno de Dom João e com o advento da Independência "não se teve um contexto favorável para se pensar na educação e sistematizar o ensino no Brasil", assinalou Takitani. Isso só começaria a ser estruturado no âmbito da República, com a criação do Ministério da Educação, a cargo de Benjamin Constant.

No entanto, tal ministério não teria sido criado por uma preocupação com a educação, mas como uma manobra política para neutralizar a ida de Benjamin para o Ministério da Guerra. Takitani apontou que, a partir daí, à luz das correntes filosóficas da época, também no Brasil, "o Estado passou a ordenar a sociedade, e que tal ordenamento deveria ser dado através da educação, não mais voltada para elevar o ser humano, mas para atender aos interesses totalitários do Estado. O homem formado, portanto, para o mercado de trabalho", pontuou.

Desde então, segundo a professora, a educação no Brasil visa "distribuir adequadamente os indivíduos pelas diferentes ocupações na sociedade moderna". Portanto, "esse sistema educacional não compreende o transcendente, por isso a exclusão de Deus e da fé. Nesse sistema educacional, o homem somente nasceu para trabalhar. Não tem desejo do bom, do belo e do verdadeiro; a vocação não é importante; não há espaço para a liberdade e as questões existenciais; nessa lógica educacional, o ser humano é visto como alguém que nasceu para apertar parafuso ou realizar qualquer outra função, nada mais que isso", pontuou.

Ao final, Fernanda Takitani esclareceu que a atual BNCC seria o ápice de todo o desmonte do já desfigurado sistema educacional brasileiro, por isso a importância da sociedade na discussão dessas questões: "Este é um evento importante, um momento em que a gente reflete um pouquinho sobre a finalidade da educação como um todo e da educação católica em particular. A partir dessas impressões, podemos encontrar um sentido e caminhar rumo a ele, propondo movimentos, ações para o que é direito dos pais, da família, e que sejam garantidos também na esfera educacional", concluiu.

A quem pertence a educação?

A partir da temática "Qual será o futuro da Educação nacional?", a professora Andreia Medrado foi a terceira palestrante, e demonstrou o uso da educação para fins político-ideológicos. Dessa forma, percebe-se que, nos dias atuais, a educação nas escolas brasileiras está cada vez mais voltada para a formação de militâncias.

Medrado traçou um percurso histórico, desde o período clássico até os dias de hoje, e explicou o viés ideológico por trás da BNCC. A especialista afirmou que o ser humano deve ser formado integralmente, sendo inserido na cultura para adquirir sabedoria. “A educação deve inserir o aluno nesse patrimônio de anos, décadas, séculos, milênios e de gerações produzido pela humanidade, o qual ele deve apreciar e se beneficiar, uma vez nele inserido", esclareceu. Andreia ainda observou que a BNCC é cunhada a partir de um modelo falido em outros países, mas que se está impondo no Brasil.

Segundo ela, "o professor está sendo engessado, não há mais a autonomia das escolas, essa é a realidade. Temos o ENEM como exemplo, a partir do qual conteúdos são pré-montados, e o professor é obrigado a trabalhar a partir disso, com vistas a corresponder às questões propostas no exame e não à efetiva formação do aluno. Esse é o modelo adotado na sociedade americana, e contra o qual os pais já estão se mobilizando, estão reclamando, e as escolas e os professores, que antes aceitaram, agora começam a rejeitar; perceberam que centralizar a educação é engessá-la", frisou.

Andreia também apontou, a partir da encíclica “Divini illius magistri”, do Papa Pio XI, sobre a educação da juventude católica, que o processo educacional diz respeito primeiramente à família, instituída por Deus; à sociedade civil, que dispõe de todos os meios para o próprio fim, que é o bem comum; e à Igreja, uma vez que é a terceira sociedade em que nasce o homem, a partir do Batismo, para a vida divina. Para ela, a existência da Base Nacional Comum Curricular é também, "por si mesma, um disparate à Constituição Federal, pois ela já era a Base", exclamou.

Riqueza da tradição católica

Após as comunicações, Dom Paulo Alves Romão disse que o conteúdo das palestras foram claras, objetivas e trouxeram novidades.

“Quando falaram da educação clássica, eu pensei, por exemplo, em São Tomás de Aquino, para quem a verdade é a adequação do intelecto à realidade, ou seja, que o conhecimento acontece a partir da análise ou reflexão da realidade; assim ela é, objetivamente”, disse.

Dom Paulo também encorajou os educadores, como agentes de transformação, a se empenharem numa educação de qualidade, alicerçada nos valores humanos e cristãos:

“Toda a riqueza da educação que recebemos da nossa Igreja nos permite ter bem claros os pontos fundamentais que nos sustentam, de modo que possamos enfrentar sem medo os problemas que surgirão na educação em nossos colégios, públicos e privados, em nosso país. Na verdade, tais desafios nos provocarão a recuperar toda a riqueza de nossa tradição católica, não só em nível de educação, mas também em relação aos valores familiares presentes na tradição cristã”, concluiu.

Depoimentos

Para a coordenadora arquidiocesana da Pastoral da Educação, Vandeia Ramos, o seminário “faz retornar para nós, educadores e pais, as nossas responsabilidades, para que possamos reverter essas situações que não nos são favoráveis, não só enquanto Igreja, mas também ao próprio ser humano, pois vão contra quem nós somos, enquanto pessoas. Precisamos refazer o caminho", disse.

A educadora e membro do Movimento Comunhão e Libertação Rita Aparecida da Rocha contou que o evento "foi muito interessante, nos colocando para dentro da realidade atual da educação. Vimos que precisamos estar atentos, não podemos estar fora desse debate nem deixar esse documento ser aprovado. Precisamos nos unir e tomar uma posição enquanto educadores católicos", pontuou.

Já o vigário episcopal do Vicariato Suburbano e pároco da Paróquia São Brás, padre Nivaldo Alves, alertou que "é preciso nos preocupar, de verdade, com a formação da pessoa. O ser humano não é coisa, é uma pessoa. Devemos rejeitar a cultura do descarte e buscar uma educação que valorize e construa o indivíduo, livre de ideologias que querem desconstruir nosso patrimônio cultural, que trouxemos de riqueza até hoje. O trabalho e a dedicação desses palestrantes é também a razão de nosso interesse em participar", finalizou.

temp_titleSeminrio_sobre_Base_Nacional_Comum_Curricular_e_o_Protagonismo_da_Famlia_na_Educao___DSC_0210_03082017155841

temp_titleSeminrio_sobre_Base_Nacional_Comum_Curricular_e_o_Protagonismo_da_Famlia_na_Educao___DSC_0167_03082017155837

temp_titleSeminrio_sobre_Base_Nacional_Comum_Curricular_e_o_Protagonismo_da_Famlia_na_Educao___DSC_0242_03082017155843

temp_titleSeminrio_sobre_Base_Nacional_Comum_Curricular_e_o_Protagonismo_da_Famlia_na_Educao___DSC_0270_03082017155844

Fotos: Carlos Moioli

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.