Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 15º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 25/07/2017

25 de Julho de 2017

Universidades: pontes entre educação e meio ambiente

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

25 de Julho de 2017

Universidades: pontes entre educação e meio ambiente

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

15/07/2017 19:35 - Atualizado em 17/07/2017 16:05
Por: Priscila Xavier

Universidades: pontes entre educação e meio ambiente 0

A tarde do último dia do Congresso Internacional Laudato Si’ e Grandes Cidades, realizado no auditório do Edifício João Paulo II, na Glória, neste sábado, 15 de junho, foi reservada para a mesa redonda entre reitores de universidades, cujo objetivo foi a necessidade de formação ambiental, uma vez que os futuros profissionais podem interferir na qualidade do meio ambiente.

A mesa foi composta pelos reitores da Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Josafá Carlos de Siqueira, da Universidade Católica de Costa Rica, Dr. Fernando Felipe Sánchez e Ateneu Universitário Sant Pacià, padre Dr. Armand Puig Tàrrech. O bispo auxiliar do Rio de Janeiro Dom Joel Portella Amado foi quem presidiu o debate.

O bispo argumentou que atualmente a questão ambiental vive uma convergência entre os departamentos universitários e não mais restrita a só um saber. “O Meio Ambiente hoje é um tema transversal na relação da sociedade com as religiões e a universidade, mas também dentro dela. Não se pode dizer que a questão ambiental seria um privilégio do Departamento de Biologia ou Botânica, hoje o tema está nos departamentos de Direito, Arquitetura, Engenharia, Teologia”, acentuou.

Dom Joel ainda apresentou os principais desafios para uma maior incorporação da temática nos centros acadêmicos. “O maior desafio é superar uma contradição do mundo atual. Por um lado, temos o discurso do diálogo, convívio e partilha. Por outro, temos uma prática, por vezes, de fragmentação e fechamento no próprio mundo. O grande desafio é superar essa lacuna, transformar o discurso do diálogo em práticas concretas, por menores que elas sejam”, grifou.

Mediadora entre o saber e a sociedade

Padre Josafá de Siqueira explicou a relevância das universidades diante da sociedade. “A Universidade tem um papel importante porque, primeiro, é uma instituição de credibilidade da sociedade, ela é uma grande mediadora. Em segundo, ela possui todos os requisitos necessários para colocar em prática muitas dessas ações, seja na linha da reflexão, de ações, das práticas tecnológicas, ou seja, a uiversidade possui um papel histórico muito importante, mesmo na atual situação em que muitas vivem no Brasil”, reforçou.

Para Dr. Fernando Felipe Sánchez, as universidades precisam se tornar exemplo e assumir as responsabilidades caso não sejam tomadas atitudes acerca da problemática. “A primeira coisa que um centro acadêmico, católico ou não, precisa fazer é se colocar como exemplo. É necessário modificar o interior, cuidando bem da luz, da água, por exemplo, de maneira que esse tema seja tratado em todos os espaços da universidade. Devemos colocar, definitivamente, na nossa responsabilidade as consequências de não fazermos nada e com as universidades não pode ser diferente”, exclamou.

Já o padre Dr. Armand Puig Tàrrech reforçou que as instituições podem contribuir ainda mais, através de estudos, para que a temática alcance a população como um todo. “As universidades podem ter uma função de ponte entre a sociedade e a pesquisa. Muitas vezes, elas se tornam centros de pesquisa, mas para que o estudo chegue à sociedade, precisa existir instrumentos e, claro, as universidades podem contribuir muito mais, uma vez que se esse estudo sobre o tema ambiental chegasse à população, uma paróquia poderia se sensibilizar ecologicamente e contagiar outras pessoas que atuam na comunidade”, pontuou.

Laudato Si’ e Grandes Cidades: um reflexo da busca pela humanização

Em seu discurso de encerramento, o Cardeal Orani João Tempesta relatou a grande experiência em receber o evento. Segundo ele, as conferências foram realizadas por grandes profissionais, que abordaram diversos fatos sobre os temas. “Foi um evento muito importante que acontecesse, pois era um desejo que a Encíclica do Santo Padre, Laudato Si’, fosse sempre estudada, atualizada e colocada em evidência, considerada a carta magna da ecologia dos últimos tempos. Foram conferências de alto nível, grandes estudiosos, cientistas, que colocaram diversas questões importantes sobre a água, o ar e os resíduos para essa experiência belíssima. Carregamos a angústia de como colaríamos tudo em prática, mas o grande objetivo, que era, justamente, falar sobre as grandes cidades, ecologia e meio ambiente, aconteceu com grande participação”, acentuou.

Ele ainda salientou que essa foi uma ocasião para divulgar, ainda mais, os ensinamentos e a importância do documento. “A Fundação Antoni Gaudi nos deu essa oportunidade de sermos um local de ainda mais divulgação desse documento tão importantes, para que não nos esqueçamos do que foi dito pelo Pontífice e do que ele nos ensina na LS”, finalizou.

Já o Cardeal Lluís Martinez Sistach, presidente da Fundação Antoni Gaudi, organizadora do evento, explicou os passos dados desde a última conferência, em 2015, até este evento. “Os dois congressos tem como finalidade buscar a humanização e o bem dos cidadãos das grandes cidades. O primeiro foi voltado mais para o âmbito pastoral, mais religioso, e o segundo com temas específicos. Sempre busquei passar para a Fundação Gaudi essa questão da humanização para todos que a frequentam”, complementou.

O cardeal ainda falou sobre os próximos passos a serem dados. “O primeiro deles será a publicação de todas as conferências e depois os próximos passos. Mas continuaremos buscando recursos para a humanização das pessoas para que elas possam ter uma maior conscientização sobre o meio ambiente”, finalizou.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.