Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2017

20 de Novembro de 2017

90 anos da Basílica de Santa Teresinha do Menino Jesus

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2017

90 anos da Basílica de Santa Teresinha do Menino Jesus

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

14/07/2017 18:57 - Atualizado em 14/07/2017 18:58
Por: Nathalia Cardoso

90 anos da Basílica de Santa Teresinha do Menino Jesus 0

temp_title90_anos_da_Baslica_de_Santa_Teresinha_do_Menino_Jesus_4_14072017185003

A Basílica de Santa Teresinha do Menino Jesus, conhecida como Carmelo de Santa Teresa, comemora 90 anos de inauguração no dia 16 de julho. Para celebrar a data, o arcebispo do Rio, Cardeal Orani João Tempesta, celebrará uma missa no dia 21, às 19h. Além da celebração eucarística, haverá festa e outros eventos comemorativos. “O meu caminho é seguro e não me enganei ao segui-lo”, frase da padroeira, será o tema da festividade.

O Brasil foi o primeiro país do mundo a receber a visita do cajado que acompanhou Santa Teresa de Ávila ao longo de sua vida, em 2014, e a basílica foi um dos lugares por onde a relíquia passou.

História

A matriz, elevada à basílica em 1927, dava lugar a uma mansão pertencente à baronesa de Itacuruçá. A construção foi adquirida em leilão, em 1921, por frades carmelitas descalços da Província de São José oriundos de Minas Gerais. A Ordem dos Carmelitas Descalços administra a basílica até hoje.

No dia 16 de março daquele ano, foi aberta ao culto uma capelinha, consagrada a Nossa Senhora do Carmo, construída na antiga sala de visitas da mansão. Em 30 de outubro de 1924, celebrou-se a primeira missa das rosas da padroeira, cujo nome era Teresa de Lisieux.

Um dos requisitos a serem cumpridos para se tornar basílica era possuir relíquias de um mártir. Até hoje a imagem com as relíquias de São Justino pode ser vista em um dos altares laterais da basílica, abaixo da imagem da Virgem do Sorriso.

Com a crescente devoção do povo brasileiro à então Venerável Teresinha (que seria canonizada em 17 de maio de 1925), os frades carmelitas responsáveis pela administração do local decidiram dedicar a ela o templo que ali seria erguido.

Em 15 de outubro de 1921, Dom Sebastião Leme benzeu a pedra fundamental do novo templo e, em 1924, as obras de construção tiveram início. Ela foi a primeira igreja do mundo dedicada a Santa Teresinha. “Agradecemos a Deus por essa ser a primeira igreja dedicada a Santa Teresinha e às pessoas que já passaram por aqui. É uma grande graça que Deus me concede, de ser uma dessas pessoas. Só posso agradecer e pedir para que sejamos fieis à vontade d’Ele”, afirmou o reitor, frei Emerson Santos Oliveira, que assumiu a administração do local no dia 5 de março deste ano.

Carisma

Frei Emerson contou que a comunidade segue os parâmetros da Ordem dos Carmelitas Descalços, por ter uma administração própria, mas também os da Arquidiocese do Rio de Janeiro. “Nós estamos em plena comunhão com a igreja local, mas temos um governo próprio. Temos algumas obrigações com relação à nossa província”, afirmou.

O carisma dos carmelitas descalços, segundo ele, é a oração e a meditação. “Santa Teresa costumava prezar muito pela vida de oração. Temos, por constituição, a observância da Liturgia das Horas. Toda a Igreja deve manter o hábito de celebrá-la, mas nós ainda mais por sermos religiosos”, explicou.

Segundo ele, o fato de ser uma paróquia administrada por uma ordem religiosa muda um pouco a rotina, porque devem seguir um documento capitular, com orientações para a vivência. Mas que não é muito diferente de uma paróquia arquidiocesana.

Chuva de rosas

As rosas na imagem de Santa Teresinha simbolizam uma promessa que ela fez antes de morrer. Ela disse às irmãs: "Farei cair uma chuva de rosas sobre o mundo!" As rosas simbolizam a intercessão dela pelos que pedem em oração.

A basílica fica na Rua Mariz e Barros, 354, na Tijuca. Mais informações: 2569-8904.

Fontes: http://www.basilicasantateresinha.org.br/ e http://www.cruzterrasanta.com.br

 

Programação

Dias 7, 8 e 9 de julho

18h - Arraiá da basílica

 

Dia 20 de julho

7h e 8h - Santa Missa

18h30 - Vésperas Solenes

19h - Santa Missa presidida por frei Geraldo Afonso (provincial dos Frades Carmelitas Descalços). Após a missa, haverá celebração do Lucernário na basílica.

 

21 de julho

7h e 8h - Santa Missa

18h30 - Vésperas Solenes

19h - Santa Missa presidida por Dom Orani João Tempesta. Após a missa, haverá um jantar festivo no salão da basílica.

 

22 de julho

7h e 8h - Santa Missa

16h - Santa Missa presidida por Dom frei Rubens Sevilha, bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória (ES), e concelebrada pelos freis João Bontem, César Cardoso de Resende e Francisco Edglê Alves de Souza.

 

23 de julho

7h, 8h30, 10h e 11h30 - Santa Missa com bênção e chuva de rosas.

18h - Vésperas Solenes

18h30 - Santa Missa, canto do Te Deum Laudamus, procissão com o Santíssimo Sacramento no interior da basílica e bênção solene.

temp_title90_anos_da_Baslica_de_Santa_Teresinha_do_Menino_Jesus_2_14072017185000

temp_title90_anos_da_Baslica_de_Santa_Teresinha_do_Menino_Jesus_5_14072017185004

temp_title90_anos_da_Baslica_de_Santa_Teresinha_do_Menino_Jesus_3_14072017185002

temp_title90_anos_da_Baslica_de_Santa_Teresinha_do_Menino_Jesus_1_14072017184959

Fotos: Arquivo Paroquial / Carlos Moioli

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.