Arquidiocese do Rio de Janeiro

38º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 15/12/2018

15 de Dezembro de 2018

Cardeal explica por que JMJ Panamá 2019 acontecerá em janeiro

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

15 de Dezembro de 2018

Cardeal explica por que JMJ Panamá 2019 acontecerá em janeiro

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

29/05/2017 12:16 - Atualizado em 29/05/2017 12:16
Por: ACI Digital

Cardeal explica por que JMJ Panamá 2019 acontecerá em janeiro 0

temp_titleJvenesJmjCracovia_wiatoweDniModzieyKrakow2016_250517_29052017121506

O Panamá começou a abordar os preparativos para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontecerá em 2019, afirmou o Cardeal José Luis Lacunza, Bispo de David, e explicou por que este evento eclesial mundial acontecerá em janeiro.

Em declarações ao Grupo ACI, o Purpurado precisou que as datas da JMJ – 22 a 27 de janeiro de 2019 – foram escolhidas, pois entre os meses de dezembro e maio não chove.

“Precisávamos de uma estação seca. Realizar esse evento no Panamá em julho seria um desastre devido à chuva. No Panamá, entre dezembro e maio não chove. As primeiras chuvas do ano são a partir de abril, e de abril a novembro ou dezembro, chove todos os dias, e chove muito forte”, explicou o Cardeal.

Questionado sobre os jovens europeus que quiserem participar da JMJ e que estão se perguntando como poderão participar, pois estarão no meio do ano letivo, o Bispo de David indicou que “a mesma pergunta que os jovens da Europa fazem agora, os jovens da América fazem quando a Europa organiza esta jornada em julho, pois eles estão em pleno ano letivo”.

“A razão destas datas é climatológica”, explicou novamente. “Tinha que ser entre dezembro e maio para garantir que fosse durante a estação seca, caso contrário, não teríamos nenhuma garantia. E esse é o motivo, um motivo climático, somente por isso”.

O Purpurado também se referiu à chegada da Cruz da JMJ e do ícone de Maria Salus Populi Romani no domingo, 21 de maio, ao Panamá, o que deu um primeiro impulso à organização.

“Os comitês organizadores já estão trabalhando”, assegurou o Cardeal. “Estão se reunindo e pouco a pouco estão dando passos”. Neste sentido, assinalou que neste momento estão trabalhando para definir os lugares onde serão realizadas as atividades principais.

Na conversa, o Cardeal também comentou sobre a situação atual da Igreja no Panamá. “Acho que está bem. Acho que a presença da Igreja no Panamá no âmbito social e político é bem recebida, acolhida e escutada”.

“Sempre haverá críticos, houve e sempre haverá, não esperamos que todo o mundo concorde com o que nós pensamos, mas acreditamos que temos o direito de dizer as coisas que dizemos, e respeita-se. Repito, nem sempre é a única palavra, mas nos levam em consideração”.

Como um exemplo deste respeito da sociedade panamenha à opinião dos bispos, indica que “acabamos de lançar um comunicado na semana passada, sobre o tema da ideologia de gênero e sobre o possível casamento homossexual ou, como chamam, as uniões igualitárias”.

Atualmente, há “um movimento e houve uma proposta de inconstitucionalidade por alguns grupos. Já existem vários países que assumiram na América Latina. Nós lançamos um comunicado mostrando a posição da Igreja a respeito do tema. No Panamá estamos, como dizem, em um campo de batalha”.

Os bispos panamenhos discutirão sobre estes e outros temas com o Papa Francisco e com a Cúria Romana na visita Ad Limina a ser realizada entre os dias 5 e 10 de junho.

Foto: Flickr de Swiatowe Dni Miodziezy Krakow2016 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.