Arquidiocese do Rio de Janeiro

34º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2017

16 de Dezembro de 2017

Irmã Miria: ‘Os olhos jamais contemplaram’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2017

Irmã Miria: ‘Os olhos jamais contemplaram’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

12/05/2017 00:00 - Atualizado em 19/05/2017 17:07
Por: Da redação

Irmã Miria: ‘Os olhos jamais contemplaram’ 0

temp_titleDSC_4215_19052017170426

“A vida prá quem acredita não é passageira ilusão, e a morte se torna bendita, porque é nossa libertação”, diz uma das canções compostas por irmã Miria Teresinha Kolling, que fez sua páscoa definitiva no dia 5 de maio, em São Paulo.

A religiosa estava internada no Hospital Santa Virgínia, em São Paulo, desde o dia 20 de abril. Submetida a um procedimento de cateterismo, não resistiu à cirurgia do coração e sofreu um infarto fulminante. “A sua morte nos pegou de surpresa e a levou de nós tão rapidamente. Neste momento de dor e consternação, só nos cabe pedir a Deus que a ilumine e lhe dê o repouso eterno, e que Deus dê conforto aos seus familiares, à sua comunidade, a todas as pessoas que amam”, disse em nota a diretora da congregação, irmã Marlise Hendges.

Gaúcha da cidade de Dois Irmãos, desde cedo aprendeu na família a amar e cultivar a música. Ao aprofundar seus estudos, como religiosa da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, tornou-se um dos grandes nomes da música sacra litúrgica do Brasil. Ela tinha 77 anos, 57 deles de vida religiosa e 46 de caminhada musical.

Como compositora de música litúrgica e religiosa, conhecida, sobretudo, pelas  missas e cantos litúrgicos para as celebrações. Além de cantos para a catequese e evangelização, compôs mais de 600 músicas, em geral com letra e música de sua autoria.

Entre suas canções mais conhecidas relativas ao falecimento de entes queridos, estão os cantos “A vida pra quem acredita” e “Os olhos jamais contemplaram”.

Incansável na sua missão, percorreu por todo o país e até no exterior, dinamizando cursos de liturgia e canto. A ela, a Igreja no Brasil deve muito. Na Arquidiocese do Rio de Janeiro sempre estava presente no Curso Anual de Canto Pastoral, passando seus conhecimentos a centenas de agentes que animam as celebrações.

Foto: Carlos Moioli 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.