Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/08/2017

24 de Agosto de 2017

“A batina simboliza o desejo de seguir a Cristo”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Agosto de 2017

“A batina simboliza o desejo de seguir a Cristo”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/03/2017 16:37 - Atualizado em 20/03/2017 16:43
Por: Priscila Xavier / Symone Matias

“A batina simboliza o desejo de seguir a Cristo” 0

temp_titleA_batina_simboliza_o_desejo_de_seguir_a_Cristo_20032017163344

Nos dias que antecedem a Solenidade de São José, esposo da Virgem Maria e patrono universal da Igreja, a arquidiocese celebrou a investidura do hábito talar com sobrepeliz para o uso litúrgico de 26 novos seminaristas que deixam o Seminário Propedêutico Rainha dos Apóstolos e ingressam no primeiro ano de filosofia no Seminário Arquidiocesano de São José, no Rio Comprido.

A recepção da batina aconteceu na Basílica Menor do Imaculado Coração de Maria, no Méier, no dia 11 de março, durante a celebração eucarística presidida pelo Cardeal Orani João Tempesta. Foram concelebrantes, entre diversos sacerdotes, o reitor do seminário maior, cônego Leandro Câmara, o vice-reitor, padre Thiago Humelino, e o pároco local, padre Júlio César Melo Miranda.

Durante a homilia, o Cardeal Orani afirmou que a recepção da batina concede aos seminaristas a oportunidade de viver uma nova condição de vida para, dessa forma, assumirem verdadeiramente a missão que Cristo os confiou.

“É um momento importante, de certa forma, porque a liturgia nos diz que somos um povo chamado a colocar em prática a Palavra de Deus. Sem dúvida, nessa nova condição de seminaristas maiores, já caminhando para os passos que os levarão em direção ao sacerdócio ministerial, também supõe um novo comportamento, uma vida de acordo com a Palavra e a missão que recebem. Para os que recebem essa veste, é uma oportunidade de viver essa nova condição. Deus os escolhe pela ação do Espírito Santo; vocês respondem a esse chamado e, dessa forma, passam a configurarem-se a Cristo”, afirmou.

O pároco, padre Júlio, destacou a alegria da comunidade da basílica em participar da celebração e também em acolher os seminaristas.

“Recebemos com muita alegria a comunidade formativa, os jovens seminaristas e os seus familiares, sobretudo neste Ano Mariano, um ano de graças. Pedimos, então, para que o Coração de Maria acolha todos os jovens que estão nesta caminhada. Imagino a juventude como um trovão que tem o poder de inundar, com a vida e a vocação de cada um, a nossa arquidiocese com muitas bênçãos”, afirmou.

Um dos formadores do seminário, padre Anderson Manuel, disse que a recepção da batina também é uma promoção vocacional, uma vez que os seminaristas passam a ser exemplo para os jovens da comunidade paroquial.

“A celebração é também um forte momento de promoção vocacional, pois os seminaristas, ao usarem a batina e a sobrepeliz, se tornam uma referência para os jovens das comunidades em que eles atuam. É importante que eles possam dar um testemunho coerente de vida e, a partir disso, prosseguir na caminhada vocacional, respondendo ao Senhor com generosidade”, completou.

O reitor do seminário, cônego Leandro Câmara, manifestou sua alegria pela atitude dos jovens em abandonarem tudo para seguir a Cristo, principalmente pelas situações proporcionadas pelos tempos atuais. Ainda de acordo com ele, a Igreja escolhida para a celebração tem como objetivo pedir a intercessão de Maria, uma vez que a arquidiocese vive o Ano Mariano, sobre a vida e a vocação de cada seminarista.

“É admirável que jovens, neste tempo que vivemos, tenham a generosidade de deixar suas casas e famílias para discernir a vocação sacerdotal. Nosso desejo enquanto formadores é que todos perseverem e sejam bons padres para o povo de Deus e para a Igreja. Recebemos os seminaristas como um presente para cuidar e formar cada um. A nossa intenção é consagrar cada uma destas vocações, cada um destes jovens, ao Imaculado Coração de Maria, para que ela os guarde e os proteja de todos os perigos, de todas as situações adversas em suas vocações. Que Maria seja fonte de graça para que eles descubram a vocação e, a partir disso, sejam e façam os outros felizes”, acrescentou.

Entrega de vida

Foi justamente dessa forma que o seminarista Cainan Espinosa Gimenes, de 21 anos, descreveu o sentimento ao receber a batina.

“Esse dia representa mais um passo que foi dado: de entregar a vida ao Senhor, em beneficio do sonho final que é a ordenação presbiteral. A caminhada vocacional exige passos e renúncias, exige muito de nós. A batina é o sinal que aponta que um passo foi dado, mas ainda requer outros passos, outras atitudes, para chegarmos a nossa vocação: o sacerdócio”, ressaltou.

Já o seminarista Guilherme Brand, de 20 anos, destacou o significado da batina, que representa uma opção de vida por Deus.

“A batina simboliza para nós o desejo de deixar as nossas vontades para seguir a Cristo. Esse é um sinal exterior daquilo que o nosso interior deseja. É um momento importante, porque queremos seguir ao Senhor mais de perto. Por isso, Jesus nos pede para abandonarmos tudo aquilo que nos impede de estarmos junto a Ele e sejamos revestidos pelo espírito santo”, destacou.

Após esperar 34 anos para dizer seu ‘sim’ a Deus, o seminarista Glauquer Sávio, de 39 anos, ao fim da celebração, fez uma leitura em agradecimento ao Cardeal Orani, aos formadores e familiares. Ele ainda acrescentou que essa é uma cerimônia que registra a declaração que os jovens fizeram de opção por Cristo.

“Esse momento significa uma grande transformação, a qual já ocorreu, mas é um momento que marca, uma vez que declaramos ao mundo que não pertencemos mais a ele, apesar de estarmos nele. Nesse instante, declaramos a toda Igreja que somos de Cristo e que desejamos permanecer com Ele”.

Seminaristas

Os seguintes seminaristas receberam o hábito talar com sobrepeliz: Alex Muniz Pereira, Alisson Matos da Silva, Bruno Fagundes Carneiro, Bruno Valente Cavalcante, Cainan Espinosa Gimenes, Carlos Vinícius Cunha Paula, Felipe Augusto Moreno da Silva, Fernandes Elias Junior, Gabriel dos Santos Sousa Bezerra, Glauquer Sávio Alves da Silva, Guilherme Antônio Brandi Júnior, Jacinto Daniel de Moura Brasil, Johan César Paiva Pires Gonçalves, Josué Matos de Oliveira, Leonardo Victor Rodrigues de Carvalho, Lucas Alves do Nascimento, Luis Alberto Torres Pereira, Rafael Bento dos Santos, Rodrigo de Jesus Pimenta Araujo, Rodrigo Silva de Oliveira, Talles Faleiro Duarte, Telmo Luiz Bosco Teixeira, Thiago de Oliveira Tavares, Walerson Jorge Santiago do Nascimento, William Felippe da Silva Coutinho e Yure Alves de Souza.

Foto: Carlos Moioli

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.