Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/08/2017

17 de Agosto de 2017

Seminário nacional reúne agentes de pastoral e população de rua para debater direito à moradia

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Agosto de 2017

Seminário nacional reúne agentes de pastoral e população de rua para debater direito à moradia

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/03/2017 10:22 - Atualizado em 13/03/2017 12:14
Por: Cláudio Santos

Seminário nacional reúne agentes de pastoral e população de rua para debater direito à moradia 0

temp_titleSeminrio_nacional_rene_agentes_de_pastoral_e_populao_de_rua_para_debater_direito__moradia_13032017102202

A situação do povo da rua em todo o Brasil e sua luta por moradia foi tema do Seminário Nacional promovido pela Pastoral Nacional do Povo da Rua, no último dia 10 de março, na Escola Sindical 7 de outubro, em Belo Horizonte. O evento reuniu representantes da Pastoral do Povo da Rua de todo o país, além de representantes do Ministério da Justiça e Cidadania, Ministério das Cidades, universidades e organizações de Direitos Humanos.

O seminário contou com a participação de agentes da Pastoral do Povo da Rua das Arquidioceses do Rio de Janeiro e de Niterói e das dioceses de Barra do Piraí e Volta Redonda e de Duque de Caxias, pertencentes ao Regional Leste I.

O evento contou com dois painéis: o primeiro, na parte da manhã, com o tema “Não estou na rua porque quero: povo da rua e o direito à cidade” que contou com a participação de Maurílio Pereira, da Associação Moradia para Todos, Luiz Kohara, secretário executivo do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, e  de Heloísa Costa, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O segundo painel abordou o tema “A casa em primeiro lugar”, com a participarão Carlos Ricardo, coordenador dos direitos da população em situação de rua da Secretaria Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça e Cidadania e  Claudius Vinicius, presidente da Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte (Urbel) e André Luis Dias, coordenador dos Pólos de Cidadania, da UFMG.

À noite, foi  realizada uma mesa redonda, aberta com o tema “Chega de omissão. Queremos habitação”, que contou  com a presença de Patrus Ananias, deputado federal e ex-ministro, Erminia Maricato, ex-ministra-adjunta do Ministério das Cidades e membro do Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Cidade de São Paulo, e de Samuel Rodrigues, liderança do Movimento Nacional da População de Rua.

O seminário integra as ações da campanha "Chega de Omissão, queremos habitação", lançada, em maio de 2015, para reivindicar moradia definitiva para as pessoas que vivem na rua. A campanha pretende ainda, sensibilizar a sociedade brasileira e o poder público para a necessidade de que a população em situação de rua seja contemplada em programas de habitação, entendendo a moradia como um direito de todos e todas.

Segundo Cristina Bove, coordenadora nacional da pastoral, é importante fortalecer e estimular a missão dos agentes de pastoral, a articulação das equipes locais para a vivência da mística, o intercâmbio de experiência e o fortalecimento da metodologia:

“O seminário é um momento de partilha onde trabalhamos as questões ligadas à cidadania e a dignidade das pessoas em situação de rua. A campanha por moradia digna quer chamar a atenção de todos para a necessidade de garantir um direito humano fundamental para uma população que sofre com a invisibilidade social” - afirmou.

Calcula-se que cerca de 60 mil pessoas vivam, atualmente, nas ruas dos centros urbanos brasileiros. São pessoas que possuem um histórico de perdas de casa, de família, de trabalho, que não estão nas ruas porque querem ou por opção pessoal. Entretanto, quando se pensa em programas de moradia digna, essas pessoas quase nunca são consideradas.

A Pastoral do Povo da Rua avalia que as ações do poder público voltadas para com a população em situação de rua comumente criminaliza e reprime essas pessoas por meio de programas higienistas, que afastam a pobreza dos grandes centros urbanos, além de culpabilizar essa parcela por morar nas ruas.

Uma as soluções apontadas pela pastoral e pelos movimentos de defesa dos direitos da população em situação de rua é o rompimento com o caráter provisório representado pelos albergues e abrigos, em direção à construção de programas de moradia com segurança, infraestrutura urbana consolidada e serviços públicos acessíveis, tais como o transporte coletivo e o ambiente saudável.

A Pastoral do Povo da Rua tem como missão ser presença junto ao povo da rua, reconhecer os sinais de Deus presentes na sua história e desenvolver ações que transformem a situação de exclusão em projetos de vida para todos. Ente as inúmeras atividades da Pastoral do Povo da Rua está à abordagem, as visitas as comunidades e a participação nas decisões políticas, o incentivo da criação da Pastoral nas dioceses, a visibilidade às questões referentes à população de rua e denunciar ações violentas e discriminatórias.

Foto: Divulgação

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.