Arquidiocese do Rio de Janeiro

29º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 25/04/2017

25 de Abril de 2017

Agentes de pastoral e população de rua discute o direito à moradia em Seminário Nacional em BH

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

25 de Abril de 2017

Agentes de pastoral e população de rua discute o direito à moradia em Seminário Nacional em BH

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/03/2017 00:00 - Atualizado em 13/03/2017 10:17
Por: Cláudio dos Santos

Agentes de pastoral e população de rua discute o direito à moradia em Seminário Nacional em BH 0

temp_titlechegaderua_13032017101133A situação do povo da rua em todo o Brasil e sua luta por moradia será o tema do Seminário Nacional promovido pela Pastoral Nacional do Povo da Rua, no próximo dia 10 de março, em Belo Horizonte. O evento reunirá representantes da Pastoral do Povo da Rua de todo o país, além de representantes do Ministério da Justiça, Ministério das Cidades, Universidades (UFMG, USP, UNICAMP e PUC Minas), Urbel e organizações de Direitos Humanos. A Pastoral do Povo da Rua é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O seminário contará com a participação de agentes da Pastoral do Povo da Rua da Arquidiocese do Rio de Janeiro e de dioceses do Regional Leste I. O evento será realizado na Escola Sindical 7 de outubro, situada na Rua Nascimento, 101, Barreiro de Cima, das 8:30 às 17 horas. À noite, será realizada uma mesa redonda, aberta à participação de todos os interessados.

O primeiro painel do Seminário, às 9 horas, terá o tema “Não estou na rua porque quero: povo da rua e o direito à cidade” e contará com a participação de Maurílio Pereira (Associação Moradia para todos), Luiz Kohara (Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos) e Heloísa Costa (professora da UFMG). Na parte da tarde, o tema do painel será “A casa em primeiro lugar”, e participarão Carlos Ricardo (Coordenador dos Direitos da População em Situação de Rua da Secretaria especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça e Cidadania), Henriqueta Arantes (Secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades), Claudius Vinicius (presidente da Urbel) e André Luis Dias (Coordenador do Pólos de Cidadania, da UFMG).

À noite, será realizada uma mesa-redonda, com o tema “Chega de omissão. Queremos habitação.”, com a presença de Patrus Ananias (Deputado Federal e ex-ministro), Erminia Maricato (ex-ministra-adjunta do Ministério das Cidades e membro do Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Cidade de São Paulo) e Samuel Rodrigues (Movimento Nacional da População de Rua).

O cenário brasileiro

Calcula-se que cerca de 60 mil pessoas vivam, atualmente, nas ruas dos centros urbanos brasileiros. São pessoas que possuem um histórico de perdas de casa, de família, de trabalho, que não estão nas ruas porque querem ou por opção pessoal. Entretanto, quando se pensa em programas de moradia digna, essas pessoas quase nunca são consideradas.

Na opinião da coordenação da Pastoral Nacional de Rua, as ações do poder público para com a população em situação de rua costumam criminalizar e reprimir essas pessoas por meio de programas higienistas, que afastam a pobreza dos grandes centros urbanos, além de culpabilizar esses indivíduos por morarem nas ruas.

Uma as soluções apontadas pela Pastoral e pelos movimentos de defesa dos direitos da população em situação de rua é o rompimento com o caráter provisório representado pelos albergues e abrigos, em direção à construção de programas de moradia com segurança, infraestrutura urbana consolidada e serviços públicos acessíveis, tais como o transporte coletivo e o ambiente saudável.

Quem são os participantes

Carlos Ricardo

Coordenador-Geral dos Direitos da População em Situação de Rua - Secretaria Especial de Direitos Humanos do    Ministério da Justiça e Cidadania

Henriqueta Arantes

Maria Henriqueta Arantes Ferreira Alves é Secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades. Arquiteta e urbanista foi Consultora técnica da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Luiz Kohara

Doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2009) e pós-doutor na área de sociologia urbana na Universidade de São Paulo. Atualmente é secretário executivo do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos.

Maurílio Rodrigues 

Possui trajetória de vida na rua e é representante da Associação Moradia para Todos.

Heloisa Costa

Professora titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais, com pós-doutorado no Departamento de Geografia da Universidade da Califórnia em Berkeley (1997/8).

André Luis Dias

Professor e pesquisador  do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 2004 atua junto  ao Programa de Extensão e Pesquisa Social Aplicada “Pólos de Cidadania” da UFMG, no qual é membro da equipe de Coordenação Geral e Acadêmica.

Claudius Vinicius 

Presidente da Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel).

Samuel Rodrigues

Com trajetória de Rua, Samuel é Conselheiro no Conselho Nacional de Assistência Social e membro da coordenação do Movimento Nacional da População de Rua

Patrus Ananias

Deputado Federal, ex-ministro, é professor Assistente da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, e Técnico de Pesquisa da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. 

Erminia Terezinha Menon Maricato

Ex-professora de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Formulou a proposta de criação do Ministério das Cidades onde foi Ministra Adjunta (2003-2005). Membro do Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Cidade de São Paulo. Professora visitante do Instituto de Economia da Unicamp.

Foto: Divulgação

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.