Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 13º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/07/2019

18 de Julho de 2019

Teologia feminina: a mulher experimenta a fé de maneira diferente

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Julho de 2019

Teologia feminina: a mulher experimenta a fé de maneira diferente

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/03/2017 11:37 - Atualizado em 08/03/2017 11:38
Por: Rádio Vaticano

Teologia feminina: a mulher experimenta a fé de maneira diferente 0

temp_titleafp_08032017113626

A mulher e a teologia: também neste campo, o Papa pede que as mulheres assumam o protagonismo na Igreja.

Para Francisco, em virtude do seu gênio feminino, as teólogas podem e devem oferecer novas contribuições para a reflexão teológica, relevando aspectos inexplorados do mistério insondável de Cristo.

Mas existe um jeito feminino de interpretar a fé? Pode-se falar de Teologia feminina? Eis a resposta da Teóloga Maria Clara Bingemer, professora da PUC do Rio:

“Eu acho que sim. Porque se a Teologia é expressão da escuta da revelação e da experiência da fé, a mulher experimenta a fé de maneira diferente. Não que seja melhor nem pior; é diferente. Eu escrevi, por exemplo, sobre a dimensão eucarística do corpo feminino, que só o corpo feminino tem. Só o corpo feminino é capaz de gerar outro ser, alimentar e isso é a eucaristia: Deus alimentando o seu povo com o seu próprio corpo. A feminilidade é super evocativa nesse sentido. Julia Kristeva afirma que o Ocidente perdeu o discurso sobre a maternidade e o único setor que pode resgatar isso é o Catolicismo, com a Virgem Maria - com todas as críticas de que Maria foi um peso para as mulheres... ‘A maternidade como empoderamento da mulher’. Hoje em dia as mulheres não querem ter filhos: querem ter cachorro, gato... As mulheres estão correndo da maternidade e isso é um absurdo, porque é a coisa mais fantástica que a gente tem. Gerar: isso é um poder da mulher. Claro que muitas vezes isso foi usado como opressão: a maternidade foi agredida, foi violada, foi comercializada e isso é muito ruim. Eu acho que aqui que aí tem uma fonte de Teologia muito importante. É uma experiência que o homem não tem, portanto há um enriquecimento mútuo. E há uma maneira sim da mulher fazer Teologia, porque está marcada pela experiência corpórea.”

No Dia Internacional da Mulher, Maria Clara é a entrevistada especial do programa “Porta Aberta”. Em visita aos estúdios da Rádio Vaticano, a renomada teóloga fala da Teologia sob o pontificado de Francisco, do crescimento dos neopentecostais e dos 300 anos da imagem de Nossa Senhora. Ouça:

Foto: AFP

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.